<
>

O terremoto que John Tavares pode causar na NHL

Há dois anos, ao final da temporada 2015-16, Steven Stamkos estava pronto para quebrar uma tradição. Poucos jogadores selecionados com uma primeira escolha geral de draft trocaram de time no ápice de suas carreiras. Ainda menos jogadores trocaram através da free agency, deixando o time que o draftou de mãos vazias.

Stamkos se reuniu com cerca de quatro times na janela que antecede a abertura do mercado, famoso 1º de julho. Uma semana antecedente à abertura, os free agents podem conversar com qualquer time que tenha interesse em seus serviços. Eles também podem, claro, renovar com o time que detém seus direitos antes da free agency começar.

Stamkos, primeira escolha geral do draft de 2008 ponderou mudar de time, ouviu o que outras franquias tinham a oferecer, mas optou por ficar Tampa Bay.

Agora, é a vez de John Tavares.

O capitão do New York Islanders, primeira escolha geral do draft de 2009, é oficialmente o free agent mais importante dessa década na NHL.

E podemos apostar que a média salarial dele será muito maior do que os $8.5M de Stamkos.

Stamkos assinou um contrato de $68 milhões por oito anos, extensão que apenas Tampa poderia dar, já que um contrato de oito anos pode ser oferecido apenas pelo time que detém seus direitos. Na free agency, o limite máximo de anos é de sete.

Não levemos a mal. Stamkos é um tremendo jogador, tendo marcado mais de 40 gols em quatro temporadas diferentes antes de seu novo contrato. No entanto, Stamkos também perdeu muito tempo se recuperando de lesões. Perna quebrada, ligamentos no joelho, coágulos sanguíneos.

Esse histórico de saúde prejudicou a negociação para o lado de Stamkos. John Tavares, por sua vez, perdeu tempo significante apenas uma vez, em 2014, quando uma lesão no joelho durante as Olimpíadas de Sochi o tirou do restante do ano da NHL. De resto, Tavares nunca perdeu mais do que cinco jogos em uma temporada.

Os números favorecem Stamkos, que tem 668 pontos em 664 jogos na NHL. Tavares tem 621 pontos em 669 partidas.

Por que, então, Tavares irá receber mais do que Stamkos, além da questão física?

Porque o teto salarial subiu consideravelmente desde o ano que Stamkos renovou com Tampa, indo de $73M para $79.5M.

E porque mais times querem Tavares. Não apenas querem, como estão sendo extremamente agressivos ao tentarem persuadir o central canadense a mudar de franquia.

A chance de Tavares mudar de clube não só existe, como é extremamente realista. Eis que chegamos ao motivo do título deste texto. Tavares pode mudar completamente o panorama da liga dependendo do time que ele assinar. Não, não é exagero.

Sabemos de cinco times que terão um lugar na mesa de Tavares para fazer uma oferta: Toronto Maple Leafs, San Jose Sharks, Boston Bruins, Dallas Stars e Tampa Bay Lightning. Além do New York Islanders, claro.

O que não impede de outros times ligarem para o agente de Tavares, Pat Brisson, e especularem um número que possa fazer o canadense mudar de ideia e expandir essa lista. O Montreal Canadiens e o Vegas Golden Knights se encaixam nesse quesito.

Porém, as chances de Tavares assinar com um de sua lista inicial de seis times são muito grandes - quase que garantido. Ele estará ponderando suas chances de conquistar uma Stanley Cup, seu salário, seus companheiros de time e como a franquia está se preparando para o futuro em termos de prospectos e jogadores jovens.

Cada caso é extremamente interessante. O mais sensato – e até divertido de se fazer – é projetar como Tavares se encaixaria nos Leafs, Sharks, Bruins, Stars ou Bolts.

Nesta segunda-feira, o tão concorrido free agent se encontrou com duas franquias em Los Angeles: os Leafs e os Islanders. Separaremos esse assunto em três textos diferentes, que serão postados no decorrer dessa semana, para analisar justamente o encaixe em cada uma das franquias.

Comecemos por Toronto, a cidade natal de Tavares. Esse fato, por si só, faz com que Toronto seja um destino no mínimo interessante para Tavares. O estado da franquia também é outro ponto que pode ser muito atrativo.

Os Leafs têm cerca de $30 milhões em espaço no cap para a temporada 2018-19, considerando que os $5.3M de Nathan Horton serão absorvidos ao começo da temporada. É espaço à beça. Entre os free agents do time, William Nylander é o de maior destaque, mas os Leafs retém os seus direitos e podem negociar um contrato mais curto e barato antes de renovar com o sueco a longo termo.

A grande questão para Toronto está no ano que vem, quando Auston Matthews e Mitch Marner também serão restricted free agents. No caso de Matthews, uma extensão de oito anos custará mais de $10M anuais aos cofres dos Leafs. Marner também não renovará por pouco.

Uma opção interessante e especulada é que Toronto pode oferecer um contrato de apenas um ano para Tavares, mas por um valor astronômico de cerca de $15M, o que forçaria o time a completar seu elenco com jogadores de pouquíssimo custo na 3ª e 4ª linha. Mesmo assim, se Tavares assinar por esses $15M e Nylander por $6M, TOR ainda teria cerca de $9M para gastar em outros componentes de seu lineup. Nada mau, não?

Mesmo projetado que Tavares assine um contrato longo com a franquia canadense, a situação pode não ser das piores, longe disso. Seria a famosa “dor de cabeça boa” que os general managers adoram ter.

Se Tavares assinar por algo em torno de $12M, Nylander por $6M e Matthews na temporada que vem por $10M, o time limparia $4.3M com as saídas de Ron Hainsey e Connor Carrick no ano que vem, além de poder despachar os $2.5M de Matt Martin para um time com maior flexibilidade. Quem teria dificuldades de se encaixar nesses números seria Mitch Marner. Mas com Tavares, Matthews e Nylander trancados a longo termo, imagine o retorno que Toronto conseguiria em uma possível troca de Marner? O ponto fraco do time, que é a defesa, poderia ser solucionado com essa troca.

Fato é: Toronto está à beira de competir por uma Stanley Cup. Com Matthews e Kadri, a situação no centro do gelo é muito estável. Porém, quando um peixe tão grande como Tavares está disponível – e esse tipo de jogador só costuma ficar disponível de década em década -, um time tão jovem como Toronto tem que pular na oportunidade com tudo o que tem. Ter centers demais em um time nunca é demais. Ter centers demais quando seus centers são Tavares e Matthews? Toronto se tornaria uma máquina ofensiva quase que imparável.

Toronto tem o espaço salarial para encaixar Tavares. Se ele irá querer voltar à sua cidade natal e enfrentar um mercado consumidor muito mais quente do que o dos Islanders, é outra história.

Agora, os Islanders. Não tem muito segredo aqui. Tavares é o melhor jogador da franquia neste século de pouco sucesso para a franquia da Big Apple, sendo o capitão do time e cara da franquia desde que foi draftado.

Os Islanders têm espaço na folha salarial. O presidente do time decidiu fazer uma limpa geral, retirando o posto de general manager de Garth Snow e contratando Lou Lamoriello para resolver a situação. Lou logo reformulou a comissão técnica, contratando Barry Trotz após o técnico vencer a Stanley Cup com Washington.

Se Tavares tinha dúvidas da direção que a franquia estava tomando e por isso está considerando sair, Lamoriello está tentando corrigir toda a bagunça e organizar a franquia trazendo o seu capitão de volta.

Um impasse que está resolvido é a situação da arena dos Islanders. A franquia está prestes a começar a construção de um novo complexo em Long Island, o que agrada e facilita muito a vida dos jogadores.

Outro ponto: o draft de 2018. Os Islanders fizeram um trabalho espetacular no evento deste ano, draftando diversos jogadores com muito potencial. Destaque para as ótimas seleções de Oliver Wahlstrom e Noah Dobson, dois prospectos de nível altíssimo que estarão prontos para jogar na NHL em questão de dois anos.

NY tem um espaço monumental no cap para esta offseason, cerca de $30M. Dinheiro não será um problema. Tavares irá ganhar quanto ele quiser para ficar com os Islanders.

O time ao seu redor, no entanto, pode ser um empecilho. Os Isles sofreram uma média de 3.57 gols conta na temporada passada, a pior média na NHL. Eles precisam de um goleiro e claramente irão reformular um pouco a defesa, tendo apenas quatro defensores sob contrato para o ano que vem.

O grande trunfo na manga para os Islanders é a lealdade. Eles apostaram tudo como franquia em Tavares, escolhendo-o com uma primeira escolha geral de draft, nomeando-o como capitão relativamente cedo em sua carreira.

Em meio aos problemas envolvendo a franquia na última década, é inegável que a relação entre os Islanders e Tavares ficou desgastada. Caso contrário, ele já teria renovado e evitaria qualquer possibilidade de deixar a franquia.

Com mais quatro times a apresentarem seus motivos para ter Tavares, a saga se prolongará por ao menos mais uma semana, quando o mercado da free agency oficialmente estará aberto e ele poderá escolher o time que quiser defender na temporada 2018-19.

É uma saga que a mídia está cobrindo de maneira muito efusiva e que pode afetar um grande mercado da liga. Afinal, não é todo dia que uma superestrela como Tavares está disponível.