<
>

Odell Beckham Jr. e Jarvis Landry se reencontram no Cleveland Browns e prometem agitar a NFL

Bons rivais nos tempos de colégio, dupla “imparável” na faculdade, caminhos que finalmente se cruzaram na NFL.

“Se eu quisesse estar em qualquer outro lugar (além do New York Giants), seria junto com o meu irmão”, disse Odell Beckham Jr. em sua primeira coletiva como jogador do Cleveland Browns.

O “irmão” é o novo colega de time, o também wide receiver Jarvis Landry, com quem terá a oportunidade, honra e responsabilidade de fazer funcionar um dos mais aguardados times dos Browns em toda a história.

“Falando por mim, é algo que não apenas como jogador, mas como pessoa, é alguém que minha vida precisa. É mais que uma honra entrar em campo com ele novamente”, disse Jarvis Landry.

Naturais do estado da Luisiana, em cidades separadas por apenas 67 quilômetros, a história dos dois teve encontros e desencontros até chegaram ao posto de armas nas mãos de Baker Mayfield.

O INÍCIO DA AMIZADE

O ex-camisa 13 do New York Giants nasceu em Baton Rounge no dia 5 de novembro de 1992. Vinte e três dias depois, a cerca de 45 minutos de viagem dali, nascia Jarvis Landry, em Convent.

O caminho dos dois começaria separado, com Odell se destacando na Isidore Newman School, enquanto Landry brilhava pela Lutcher High School, na cidade homônima, também na Luisiana.

O primeiro encontro de ambos aconteceu quando eles ainda eram calouros no colegial, em um campeonato de 7 contra 7 organizado no Alabama. Foi ali que a amizade se formou.

“Eu já estava ouvindo sobre ele: Odell, Odell e Odell. Finalmente, tive a chance de encontrá-lo”, contou Jarvis Landry.

“Eu olhei Jarvis nos olhos e disse para ele que eu queria estar no mesmo time que ele. Eu queria fazer algumas coisas lendárias”, disse Odell.

Ainda faltavam alguns anos para a que os dois recebedores vestissem o mesmo uniforme. E quando isso aconteceu, algumas marcas foram sendo deixadas pelo caminho.

DUPLA ‘DE OURO’ DA LSU

Os dois figuravam o top 10 de wide receivers nas listas de prospectos. Era claro que os dois receberiam propostas de várias universidades no recrutamento de 2011. Só que um trato foi feito.

“Dissemos um ao outro que iriamos para a mesma faculdade. Ele tinha ofertas diferentes. Eu não tinha todas as ofertas para faculdades que ele recebeu, mas ficava perguntando: ‘Para onde você vai? Vou para lá também!’”, contou Odell.

A escolha acabou sendo por permanecer no estado e ambos foram para LSU. Lá, foi Beckham Jr. quem teve impacto imediato, com uma temporada de calouro de nove partidas como titular, terminando com 41 recepções e 475 jardas, além de anotar 2 touchdowns.

Por outro lado, a trajetória de Landry no College não foi tão “simples”. Ao contrário do amigo, seu ano de estreia foi marcado por apenas 4 recepções e 43 jardas. A resposta veio logo no ano seguinte, com 56 recepções para 573 e 5 touchdowns.

Já em 2013 a dupla atingiu seu potencial máximo. Odell foi o responsável por 1.152 jardas em 59 passes recebidos, e 8 touchdowns, enquanto Landry foi ainda melhor, com 1.193 jardas em 77 recepções e 10 touchdowns. Foi a primeira vez na história da universidade que dois recebedores tiveram mais de mil jardas em uma temporada.

Beckham Jr. deixou seu nome na história da LSU, com 2.315 jardas totais em seu último ano na universidade. Além disso, venceu o troféu Paul Hornung, entregue para o jogador eleito “mais versátil dos Estados Unidos”.

NO CAMINHO DA NFL

Era hora de ir para a NFL e o caminho dos dois voltaria a se separar. No draft de 2014, Odell teve que esperar pouco para ouvir seu nome ser chamado como a 12ª escolha geral da classe, indo para os Giants como o terceiro WR selecionado naquele primeiro dia.

Landrys, por outro lado, teve que esperar o dia seguinte, sendo chamado na segunda rodada pelo Miami Dolphins como o 63º jogador recrutado, o 12º recebedor.

Com a 13 dos Giants, Odell não demorou a atingir a fama. Mesmo perdendo os quatro primeiros jogos da temporada com uma lesão, ele teve um primeiro ano com 130 bolas em sua direção com 91 recepções e 12 touchdowns recebidos.

Mas é claro que a antológica recepção com uma mão contra o Dallas Cowboys, na semana 12 de 2014, foi muito responsável por isso. Afinal, foi aquela imagem que estampou a capa do Madden 16, fazendo de Odell o mais jovem atleta a aparecer na caixa do jogo.

Jarvis Landry também era visto como um dos recebedores confiáveis no jogo, mas tinha muito menos badalação. Nos quatro anos que passou em Miami foram 400 recepções, 4.038 jardas e 22 touchdowns. No mesmo período, Odell, que perdeu quase toda a temporada de 2017 lesionado, teve 313 recepções, 4.424 jardas e 38 touchdowns.

O REENCONTRO

Em 2018, os Dolphins autorizaram Landry a procurar um time interessado em uma troca e Cleveland virou sua nova casa por duas escolhas de fim de terceiro dia de draft.

Em agosto daquele ano, ambos assinaram contratos de cinco anos. Landry ganharia US$ 75,5 milhões, enquanto Odell embolsava US$ 95 milhões. E o reencontro não teria que demorar tanto.

Para a surpresa de todos, os Giants e os Browns chegaram a um acordo em março mandando o camisa 13 para Cleveland enquanto Nova York receberia Jabrill Peppers e mais duas escolhas no draft. Os “irmãos” estavam juntos novamente.

“Honestamente, ele foi uma das primeiras pessoas para quem liguei, pois sem ele, eu realmente não sei onde estaria na minha vida. Eu sempre soube que seria bom no futebol, mas quando as coisas chegaram ao ‘lendário’, quando se fala em trabalho, em repetições extras, em ficar depois do treino, isso tudo eu aprendi com ele”, disse Odell.

“Viemos aqui, respondemos perguntas que vocês perguntaram, mas eu acho que este momento vai se tornar mais icônico do que podemos compreender agora. É algo que, obviamente, queremos fazer parte. Em 10 anos, queremos olhar para trás e dizer: ‘Cara, eu lembro o dia 1º de abril de 2019. Foi o início de algo grande’. Simplesmente estou feliz de fazer parte disso”, afirmou Landry na primeira coletiva ao lado de Odell.