<
>

NFL: JJ Watt, o 'homão da p...', faz 30 anos como ídolo dos Texans, exemplo fora de campo e anjo em furacão

Que homem!

Ídolo de uma comunidade, exemplo dentro e fora de campo e um dos melhores jogadores da NFL. Esse é JJ Watt, um ser humano e tanto que completou 30 aninhos na última sexta-feira.

E para comemorar a data, nada melhor do que contar a história desse ícone do esporte e mostrar alguns dos motivos que fazem dele um dos personagens mais interessantes da liga.

Um monstro de atleta

Quando se imagina uma pessoa com 134kg, dificilmente se visualiza alguém como JJ Watt. Com muito treino, o defensive end do Houston Texans exibe uma forma física invejável no alto de seu 1,96m.

O peso está todo concentrado em massa muscular: no NFL Combine, antes de entrar na liga, o nativo de Wisconsin fez 34 repetições levantando 102kg no supino. Ele também surpreendeu com 93cm de impulsão vertical e 3,04 metros no salto horizontal.

No futebol americano profissional, todo o talento físico traduziu-se em produção dentro de campo. São 92 sacks, 22 fumbles forçados e incríveis 51 passes desviados, entre outras fantásticas estatísticas na carreira, que culminaram em três prêmios de Defensor do Ano.

É de família

O talento inegável de Justin James Watt é originado de dois aspectos: sua genética privilegiada e sua ética de trabalho obstinada. Sorte de seus dois irmãos mais novos, Derek e Trent Jordan, que compartilham do sangue de atleta e aprenderam o “caminho das pedras” com JJ.

Derek hoje é fullback do Los Angeles Chargers, ao passo que ‘TJ’ é outside linebacker do Pittsburgh Steelers.

JJ, o tight end?

Depois de jogar futebol americano no ensino médio, JJ recebeu uma bolsa de estudos na universidade de Central Michigan, onde era… Tight End! Exatamente, ele jogava no ataque, principalmente como bloqueador.

Foram apenas 8 recepções e 77 jardas em 14 jogos, com pouquíssimo brilho. Justin James decidiu então se transferir para Wisconsin, seu estado natal, onde teve oportunidade de jogar como defensive end. Ainda bem: o resto é história!

Um exemplo de profissional

Recrutado com a 11ª escolha geral do Draft de 2011, JJ Watt certamente faz alguns dos times que o deixaram passar se arrependerem posteriormente. Não só pela força defensiva que é, mas também pelo líder de pessoas que se tornou.

Nas diversas lesões que sofreu, o camisa 99 sempre mostrou obstinação para se recuperar e voltar ao campo. Algo que ensinou muito, por exemplo, o jovem quarterback do Houston Texans.

“Só de assisti-lo, perguntar e observar sua preparação, seu trabalho. Ele passou por lesões antes, mas sempre esteve tão saudável quanto possível, no auge de sua performance. Assistir a como ele trata seu trabalho… Muito, muito detalhado em tudo o que faz. Pratica toda repetição, todos os segundos do dia e maximiza suas oportunidades”, disse DeShaun Watson sobre seu companheiro de equipe.

Um anjo no furacão

A ética de Watt não acaba quando ele deixa o centro de treinamento. Pelo contrário, JJ arregaça as mangas e auxilia sua comunidade nos momentos de maior necessidade,

Em 2017, quando Houston foi devastada pelo furacão Harvey, o camisa 99 desempenhou o papel de um verdadeiro anjo. Além de ir para a rua, ajudar na limpeza, organização e distribuição de doações, Watt consolava cada fã que encontrava em meio ao caos.

Claro, houve também a parte financeira. JJ usou de todos os meios de comunicação aos quais tinha acesso para iniciar uma campanha de arrecadação de fundos para reconstrução dos lares daqueles que perderam tudo.

O resultado? Em 12 meses, foram mais de 41 milhões de dólares distribuídos para as vítimas, o que o rendeu a honraria de “Homem do Ano” na NFL.

“Eu fui agraciado de estar nesse palco e ganhar o prêmio de Defensor do Ano, mas tudo o que você faz no campo é muito pouco comparado com o que você faz fora do campo”, disse JJ em discurso na cerimônia do NFL Honors.

“Quando eu for para o meu túmulo, quero ser lembrado como um cara que ajudou as pessoas”, definiu.

Dr. Watt

Todo seu trabalho na reconstrução da vida e da autoconfiança de Houston após o furacão Harvey gerou algo que Watt nunca esperava: o título de Doutor.

Seu carinho e empenho na relação com as vítimas o fizeram ganhar em 2018 o diploma honorário de Doutor em Humanidades em Medicina da Universidade de Baylor.

Goleiro frustrado

JJ não esperava ser doutor, mas achava que se daria bem como goleiro.

A inusitada relação de Watt com o futebol da bola redonda vem de sua namorada, Kealia Ohai, que é jogadora profissional.

“Eu sou atlético, sou ágil, consigo me movimentar bem, sei usar minhas mãos, adoro desviar bolas, não é tão difícil”, disse o jogador no podcast “Pardon My Take”.

Quando tentou jogar contra sua amada, porém… O resultado não foi o esperado!

“Ela colocou a bola, não era nem na marca do pênalti, estava longe da entrada da área. Eu pensei que ia defender, sem problemas. Mas ela me fuzilou com tanta força… Sem chances (risos)”, brincou o defensive end e frustrado goleiro.