<
>

Palco do Super Bowl LIII vai manter cardápio mais barato dos EUA para torcedores de Rams e Patriots

Se os torcedores de Los Angeles Rams e New England Patriots devem gastar muito dinheiro para comprar ingressos para o Super Bowl LIII, ao menos poderão economizar na hora de comer no Mercedez-Benz Stadium.

O presidente do Atlanta Falcons, Rich McKay confirmou que o estádio que receberá a grande final não irá mudar sua política de preços na alimentação, mantendo o “Fan First Menu Pricing”, o cardápio que é bastante amigável ao bolso do torcedor. Dentre todos os estádios das grandes ligas dos Estados Unidos, é o lugar mais barato para se alimentar.

Os 75 mil torcedores que forem ao jogo no próximo dia 3 de fevereiro encontrarão 12 opções com preços populares, incluindo cheeseburgers por US$ 5 (R$ 18,82), nachos com queijo por US$ 3 (R$ 11,29), e refrigerante de refil por US$ 2 (R$ 7,53).

Em comparação ao último Super Bowl, no U.S. Bank Stadium, em Minneapolis, o cachorro-quente será US$ 4 (R$ 15,05) mais barato em Atlanta, enquanto a cerveja fica cerca de US$ 1 (R$ 3,76) mais barata a cada 500 ml.

McKay afirmou que jamais passou pela cabeça dos administradores do estádio a possibilidade de aumentar os preços dos alimentos quando recebessem as decisões, lembrando que a política também foi a mesma no ano passado, quando receberam a final do futebol americano universitário.

“Nós dissemos isso na negociação com a SEC (conferência universitária), para a final do college, para o Super Bowl, e também para o Final Four. O que nós dizemos, basicamente, é que cada consumidor que chega por aquela porta é nosso consumidor. Então nós queremos tratar este consumidor da mesma forma e dar a mesma experiência com comida e bebida”, afirmou.

O Mercedes-Benz Stadium também será uma das sedes para a Copa do Mundo de 2026 e, segundo Rich McKay, o torcedor da bola redonda também terá motivos para comemorar.

“O que foi interessante na negociação com a SEC é que o comissário ficou dizendo que queria proibir o aumento de preços e eu disse que queria o mesmo. Foi interessante que tínhamos o objetivo em comum. Então nós colocamos isso em nossas candidaturas para todos os grandes eventos, incluindo a Copa do Mundo”, contou.

O menu popular foi lançado logo na inauguração do estádio que custou US$ 1,5 bilhão e foi idealizado pelo dono dos Falcons, o bilionário Arthur Blank. Segundo McKay, comparando o último ano do Georgia Dome e o primeiro do Mercedes-Benz Stadium, houve um crescimento de 16% no total gasto por consumidor, apesar da queda de preço de 55%.

E o torcedor pode ficar tranquilo pois os itens mais baratos do cardápio não ficam limitados à poucos postos de venda. Cada um dos 680 stands possui ao menos um dos produtos. “Você não é bom se cobrar US$ 2 por um cachorro quente se demorar uma hora para conseguir compra-lo”, completou.

E é bom aproveitar neste ano, já que o Hard Hock Stadium, em Miami, palco do Super Bowl de 2020 já vende um cachorro-quente US$ 4,75 (R$ 17,88) mais caro, e tem a cerveja custando US$ 2,80 (R$ 10,54) a mais por cada meio litro.