<
>

NFL: Los Angeles Rams contam com ajuda inesperada para chegar ao Super Bowl

Neste domingo, as 18 horas (de Brasília), o Los Angeles Rams viaja para encarar o New Orleans Saints, com transmissão da ESPN e do WatchESPN, valendo vaga no Super Bowl LIII.

Pois seria loucura o torcedor dos Rams pensar que uma lesão de Todd Gurley, running back eleito o melhor jogador de ataque da última temporada, poderia ter sido uma das melhores coisas para a franquia em 2018. Mas foi o próprio jogador quem viu desta forma.

“Acho que foi uma coisa boa eu me machucar. C.J. cobriu minha falta, conseguiu vir e fazer suas coisas. Digo, ele tem feito isso sua carreira toda. As últimas três semanas foram fenomenais, 100 jardas cada vez, então só vamos manter isso acontecendo”, disse Gurley ao site oficial dos Rams.

E não foi necessário nem um mês completo para tirar esta conclusão.

Campeão do Super Bowl 50 com o Denver Broncos, C.J. Anderson viveu uma temporada bastante atípica, sendo dispensado pela equipe do Colorado em abril e passando por dois times antes de assinar com os Rams.

Nas primeiras dez semanas da temporada, C.J. defendia o Carolina Panthers, onde teve uma passagem mais do que discreta. Foram 24 tentativas de corrida com 104 jardas, além de uma recepção para 24 jardas.

Dispensado no dia 12 de novembro, o running back esperou por mais uma chance e ela veio no começo de dezembro, quando assinou com o Oakland Raiders. Seis dias depois, sem um jogo sequer, mais uma decepção com um novo corte.

"Eu não teria acreditado há um mês. Quando eu fui cortado por Oakland eu pensei que a temporada tinha acabado para mim e esperava que meu currículo me ajudasse a conseguir uma oportunidade na free agency em março", disse Anderson em entrevista ao Pro Football Talk.

Mas C.J. ainda tinha o que fazer na NFL, e a chance que surgiu foi justamente na lesão de Gurley. No dia 18 de dezembro ele assinou com o time de Los Angeles com a missão de substituir um dos melhores corredores de toda a liga. Missão dada, missão cumprida.

No primeiro jogo sem Gurley, contra o Arizona Cardinals, o camisa 35 correu para 167 jardas e um touchdown. Na semana seguinte, diante o San Francisco 49ers, 132 jardas e outra visita à end zone.

E nem mesmo a volta de Todd Gurley iria tirar o brilho do corredor. Na semifinal da Conferência Nacional (NFC), contra o Dallas Cowboys, C.J. teve mais chances de correr que agora companheiro (23 contra 16), e terminou com 123 jardas e dois touchdowns.

A formação da dupla foi um dos grandes trunfos para os Rams conseguirem cansar a defesa dos Cowboys, que não conseguiu parar o jogo corrido e viu C.J. e Gurley somarem 238 jardas e três TDs em 39 jogadas pelo chão.

Agora, a esperança do técnico Sean McVay e dos torcedores dos Rams é de que a parceria siga complicando a vida dos adversários na partida que vale vaga no Super Bowl LIII. Afinal, quando Rams e Saints se enfrentaram na temporada regular, com vitória de New Orleans por 45 a 35, na Semana 9, Gurley foi limitado a 68 jardas em 13 corridas - sendo quase metade dessas jardas em apenas uma tentativa - e um touchdown.

Em dupla, será que a história muda?