<
>

NFL: Os times que saíram da 'repescagem' para conquistar o Super Bowl

play
Rams ou Chargers: Paulo Antunes detalha rivais de Los Angeles e define qual deles chega mais forte para os playoffs da NFL (3:55)

L.A. volta a ter dois times na pós-temporada após 34 anos, e comentarista analisou equipes (3:55)

Neste final de semana a rodada de wild card dos playoffs da NFL terá o desafio de quatro campeões de divisão contra outras quatro equipes que foram bem, mas não levaram suas divisões para casa.

Na AFC, o Los Angeles Chargers foi dono da segunda melhor campanha da conferência, mas "deu azar" de estar na mesma AFC Oeste do Kansas City Chiefs, que ficou com o título, o descanso na primeira rodada e a vantagem de sempre jogar em casa até o Super Bowl LIII.

A franquia se coloca ao lado do Indianapolis Colts, segundo da AFC Sul, Seattle Seahawks, segundo da NFC Oeste, e Philadelphia Eagles, atual campeão e segundo na NFC Leste, como times que tentam transformar a "repescagem" em festa com o troféu Vince Lombardi.

Se algumas equipes tentam alcançar este feito, outras seis já conseguiram conquistar a glória máxima na NFL depois de saírem do wild card.

Confira quais times venceram o Super Bowl após se classificarem via wild card na temporada regular:

OAKLAND RAIDERS - 1980

AFC OESTE: 2º (11-5)

1980 foi o penúltimo ano dos Raiders na primeira passagem da franquia por Oakland - Los Angeles seria o destino duas temporadas depois.

Após dois anos longe dos playoffs, os Raiders trocaram de quarterback na tentativa de voltar a pós-temporada. Porém, o escolhido Dan Pastorini se lesionou cedo e deu lugar a Jim Plunkett. O novo QB liderou a equipe a uma sequência de nove vitórias em onze jogos e levou o time ao segundo lugar da AFC Oeste.

Enquanto a unidade ofensiva ganhou consistência com a chegada de Plunkett, a defesa se mostrou o verdadeiro pilar da franquia naquele ano, liderando a liga em turnovers forçados (35 interceptações e 17 fumbles). Assim, os Raiders deixaram Houston Oilers, Cleveland Browns e San Diego Chargers pelo caminho para chegar ao Super Bowl XV. Na grande decisão, Jim Plunkett e a defesa dos Raiders não deram chance para os Eagles e se sagraram campeões com uma vitória por 27 a 10.


DENVER BRONCOS - 1997

AFC OESTE: 2º (12-4)

Hoje nos bastidores da franquia, John Elway iria para a 15ª temporada como quarterback dos Broncos.

Sob o comando do camisa 7, Denver teve um ótimo início, vencendo os seis primeiros jogos disputados. Embora tenha encontrado alguns revezes, a equipe se manteve firme e terminou a temporada regular na segunda posição da AFC Oeste, atrás do Kansas City Chiefs, com 12 vitórias e 4 derrotas. Naquela altura, John Elway já estava com 37 anos de idade e, depois de perder três Super Bowls na carreira, parecia que o tempo estava se esgotando para ele levar Denver à glória máxima.

Elway então resolveu a situação: os Broncos foram os melhores em jardas totais (5872) e pontos marcados (472) na temporada regular. Jaguars, Chiefs e Steelers tentaram parar Elway e companhia, mas Denver foi ao Super Bowl XXXII e levantou o Troféu Vince Lombardi após uma vitória por 31 a 24 sobre o Green Bay Packers.


BALTIMORE RAVENS - 2000

AFC CENTRAL: 2º (12-4)

Na sua quinta temporada em Baltimore, os Ravens iniciaram o ano com a expectativa de buscar pelo menos a primeira campanha positiva da franquia na NFL em sua nova casa.

O cenário, porém, não era nada fácil, visto que o time passou boa parte da pós-temporada preocupado com sua estrela Ray Lewis, que era suspeito de um assassinato. O defensor fez um acordo, colaborou com a justiça e teve as queixas contra ele retiradas. Contando com Ray Lewis, a defesa do Baltimore Ravens estabeleceu números impressionantes ao fim da temporada regular, sendo a que menos cedeu pontos (165), jardas (970) e TDs terrestres (5) aos adversários.

Nos quatro jogos de playoffs, contando o Super Bowl, a defesa de Baltimore seguiu feroz e permitiu o apenas 23 pontos, média de 5,75 por partida. No jogo do título, essa excelência defensiva foi ilustrada com uma vitória por 34 a 7 sobre os Giants, com direito a MVP para Ray Lewis.


PITTSBURGH STEELERS - 2005

AFC NORTE: 2º (11-5)

Depois de uma campanha quase que irretocável com um 15-1, Pittsburgh chegou bem perto do Super Bowl, mas foi superado pelos Patriots, de Tom Brady, em 2004.

No ano seguinte, o segundo dos Steelers com Ben Roethlisberger, a franquia começou bem, mas enfrentou problemas e precisou de quatro vitórias seguidas para ir à pós-temporada com a segunda melhor campanha da AFC Norte. Os Steelers contavam com uma defesa bem sólida, além de ter um forte jogo terrestre, apoiado no corredor Willie Parker.

Depois de avançar pelo Wild Card, com 11-5, Pittsburgh engatou uma boa sequência ofensiva na pós-temporada: 34-21 contra os Bengals, 21-18 sobre os Colts e, para ir ao Super Bowl, aplicou 34 a 17 nos Broncos, em Mile High. No Ford Field, o ataque dos Steelers funcionou bem mais uma vez e a equipe conquistou o seu quinto Super Bowl vencendo os Seahawks por 21 a 10.


NEW YORK GIANTS - 2007

NFC LESTE: 2º (10-6)

Após duas eliminações consecutivas no Wild Card, os Giants entraram em 2007 para tentar enfim mudar essa história.

Recrutado em 2004, Eli Manning estava questionado e iria para o seu quarto ano liderando o ataque do Big Blue. As expectativas acerca da franquia naquele ano, porém, eram tímidas e se tornaram mais ainda com o time começando 0-2. Mas os Giants se recuperaram com seis vitórias seguidas e terminaram novamente com uma vaga no Wild Card. Embora contassem com um bom ataque terrestre, o New York Giants não tinha um forte destaque entre as equipes classificadas aos playoffs. Assim, a franquia entrou na pós-temporada como zebra.

Contrariando as expectativas, o Big Blue deixou Bucs, Cowboys e Packers pelo caminho, antes de encontrar o, até então invicto (18-0), New England Patriots. O roteiro parecia pronto para mais uma vitória da dupla Brady-Belichick, mas Eli Manning elevou seu nível e conduziu os Giants a um dos títulos mais improváveis da história da NFL.


GREEN BAY PACKERS - 2010

NFC NORTE: 2º (10-6)

14 anos depois o último título de Super Bowl da franquia, o Green Bay Packers foram para a temporada de 2010 determinados a apagar a dura derrota na prorrogação para os Cardinals, sofrida no Wild Card de 2009.

Embora a classificação à pós-temporada tenha vindo novamente com um vice-campeonato de Divisão, os Packers venderam caro suas derrotas durante a temporada regular – das seis sofridas, nenhuma foi por uma desvantagem maior do que 4 pontos. A temporada de 2010 dos Cabeças de Queijo no quesito defensivo foi consistente, mas foi o ataque que resolveu quando foi preciso.

Após uma primeira metade de temporada complicada, Aaron Rodgers deslanchou nos últimos jogos de temporada regular e só parou no Super Bowl. Antes, nos playoffs, os Packers não tomaram conhecimento de Eagles, Falcons e do rival Bears. Já na grande decisão, o Cowboys Stadium foi palco para uma performance de MVP de Rodgers: 61,5% de passes completados, 304 jardas, 3 touchdowns e o Troféu Vince Lombardi erguido.