<
>

NFL: promessa nigeriana do Steelers tem chance de enfrentar Patriots graças a pizzas e hambúrgueres

play
Na NFL, estrela dos Rams diz que parecia um gambá contra os Bears: 'Nós jogamos que nem m...' (0:21)

Todd Gurley pediu desculpas pela atuação de Los Angeles em Chicago e mostrou sua frustração (0:21)

O Pittsburgh Steelers e o New England Patriots fazem um confronto fundamental na briga por playoffs da NFL neste domingo, às 19h25, na ESPN e WatchESPN. E um dos atletas que pode colocar pressão em Tom Brady no Heinz Field chegou ao esporte de uma maneira para lá de curiosa: graças às pizzas e aos hambúrgueres.

“Eu não sabia nada de futebol americano. Futebol para mim era o da bola redonda. Eu jogava futebol. Infelizmente, fiquei gordo porque conheci o McDonald’s e o Domino’s”, contou Olasunkanmi Adeniyi, linebacker de Pittsburgh, antes do início da temporada.

Ola, como gosta de ser chamado, não cresceu como uma criança que sonhava em jogar na NFL. Muito pelo contrário, nem sabia da existência do esporte em seus primeiros oito anos de vida, os quais passou na África.

Nigeriano de nascimento, Adeniyi imigrou para os Estados Unidos com sua mãe e irmão há 10 anos. E foi em Houston que a carreira no esporte da bola oval começou. “Engordei de maneira que não conseguia mais jogar futebol. Era muito competitivo e atlético, então o futebol americano era a melhor coisa a se fazer”, explica.

Com apenas 21 anos, o africano é visto como uma promessa nos Steelers – o que não é novidade em sua vida. Ao chegar nos EUA, já impressionou pela inteligência: sua idade sugeriria que ele entrasse na terceira série, mas um teste de conhecimentos realizado na época permitia que Ola ‘pulasse’ diretamente para a quinta série. Sua mãe, entretanto, resolveu segurá-lo e inscrevê-lo na quarta série.

Ajuda da mãe e gratidão

Esther Adeniyi, que levou seus filhos para outro continente e batalhou por melhores condições, é a razão de Ola ter chegado à NFL tão cedo. Não só por ter escolhido sua faculdade, Toledo, onde viu nos técnicos uma figura paterna que seu menino não teve, mas também pelo dinheiro que a liga proporciona.

“É pessoal. Meu irmão estuda na Columbia University, uma escola da Ivy League, e estávamos preocupados por nossa mãe ter que pagar por isso. Faculdade não é barato. Ela é enfermeira, está trabalhando sozinha. Eu me formei, peguei meu diploma e senti que era hora de cuidar da minha mãe e deixar ela fazer o que precisa. Ela já está na casa dos 50 anos e quanto menos trabalhar, melhor”, afirmou Ola.

Os ‘quilos a mais’ ficaram para trás com o tempo e hoje o nigeriano tem 112 kg de músculos distribuídos por seu 1,85m de altura. Na Universidade de Toledo, teve temporada com mais de 20 tackles para perda de jardas e mais de 8 sacks, o que não foi suficiente para ser recrutado por nenhum time no Draft de 2018.

Em agosto, Adeniyi assinou com os Steelers para lutar por uma vaga no time e impressionou a todos durante a pré-temporada, conseguindo um lugar no disputado elenco de 53 jogadores. Uma lesão atrapalhou seu desenvolvimento no ano de calouro, mas o camisa 92 - mesmo número da lenda James Harrison - teve seus primeiros snaps contra o Los Angeles Chargers, na semana 13.

No domingo, Pittsburgh precisará de toda ajuda que puder para pressionar Tom Brady, segurar o ataque dos Patriots e vencer um jogo importantíssimo na corrida por playoffs. E quando Bud Dupree e TJ Watt precisarem descansar, Adeniyi estará sedento pela oportunidade na defesa que lidera a NFL em sacks.