<
>

Saci Pererodgers, FitzMagic, Browns invictos, e mais : o resumo da semana 1 da temporada da NFL

A primeira semana da temporada da NFL já está encerrada.

Os atuais campeões, Philadelphia Eagles, venceram o Atlanta Falcons na abertura, em jogo que lembrou muito o confronto dos playoffs do ano passado, mas também teve direito a vaias da torcida da casa no intervalo do jogo, quando o placar era de 6 a 3 para os visitantes.

Mas essa não foi a única coisa bizarra desta semana. Pudemos matar a saudade do "sobrenatural" Aaron Rodgers, a dança de Rob Gronkwoski, a magia de Fitzpatrick na maior zebra da rodada, os Browns sem perder, entre outras coisas.

Confira nosso resumo da primeira semana da temporada:

SACI PERERODGERS

Não tem como passer a primeira semana da temporada sem falar de Aaron Rodgers. Pela primeira vez na história os Packers venceram um jogo no qual entraram no 4º período perdendo por 17 pontos, e tudo isso se deu pelo camisa 12, que deixou o campo no primeiro tempo com uma lesão que parecia grave, e não estava com a perna muito boa para conduzir o time.

Não foram poucos os torcedores que acreditavam que a partida estava decidida já no intervalo, ou que foram dormir quando o placar ficou em 20 a 0 para os Bears. Mas então ficam as dicas: nunca entenda um jogo da NFL como definido, e jamais duvidem de Aaron Rodgers. Vale conferir os melhores momentos.


A DANÇA DO GRONK

O primeiro touchdown dos Patriots na temporada saiu da já manjada dobradinha Tom Brady – Rob Gronkwoski. O tight end – que horas antes teve revelada uma ameaça de aposentadoria caso o time de Boston o trocasse – foi monstruoso contra os Texans, fez grandes (e duvidosas) recepções, e... esta dancinha.

Bom, ao menos a namorada dele parece ter gostado. Mas para aproveitar um pouco mais dessa conexão, veja o lance do ponto de vista de Tom Brady


O CHURRASCO COM AS CRIANÇAS

O domingo também foi de recorde, mas bastante aleatório. Dolphins e Titans fizeram o mais longo jogo da história, com 7h08 de jogo, graças às interrupções por conta de tempestades.

Nas pausas, os jogadores foram para os vestiários, e os Dolphins relataram que o estoque de comida simplesmente se esgotou e a comissão teve que recorrer à uma churrascaria para conseguir manter os jogadores alimentados, afinal a refeição pré-jogo tinha acontecido às 10 horas da manhã. Bom, e se tem churrasco, tem criança correndo em campo.


A KIND OF FITZMAGIC

Não dá para julgar aqueles que deram adeus aos desafios de sobrevivência logo na primeira semana. Afinal, quem apostaria que os Saints, postulantes ao Super Bowl, perderiam para os Bucs com Ryan Fitzpatrick?

Mas o quarterback formado em Harvard fez valer seu apelido de “FitzMAGIC”, lançando 417 jardas e quatro touchdowns, além de marcar outro correndo com a bola. Quer entender o tamanho desse feito? O QBR, que conta com uma complicada formula para dar uma classificação para a atuação do QB, tem o valor máximo de 158,3. FitzMAGIC ficou com 156,3.


O ESTRANHO STEELERS E BROWNS

A estreia da temporada foi bem estranha para Steelers e Browns. Big Ben lançou três interceptações, as duas equipes erraram field goals na prorrogação, e... os Browns não perderam um jogo (a festa acima é de quando eles tiveram uma chance real de voltar a vencer após 17 derrotas seguidas).

Destaque para a comemoração da linha ofensiva dos Steelers no primeiro TD de Conner, que substituía o “grevista” Le’Veon Bell. Conner foi bem, com 135 jardas e dois touchdowns, mas sofreu um fumble que foi recuperado e retornado para a endzone, dando a chance do empate para os Browns. Bell ainda não é descartável, e sabe disso.


MAIS CEDO PARA O CHUVEIRO

A primeira semana não teve polêmicas com a nova regra do capacete, mas teve uma exclusão graças ao endurecimento da questão da pancada na cabeça. E adivinha de qual time foi o primeiro excluído?

Shawn Williams, dos Bengals, acertou Andrew Luck, dos Colts, em cheio e foi corretamente retirado da partida. Os Bengals venceram, mas a imagem de uma defesa que ultrapassa os limites do jogo sujo segue forte por lá.


PROTESTOS

Colin Kaepernick virou astro de uma propaganda que fez voltar a polêmica dos protestos na NFL, ganhando até uma mensagem do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Pois os protestos aconteceram na primeira semana, com Kenny Stills e Albert Wilson II, ambos dos Dolphins, e ganharam apoio do quarterback, ainda desempregado.

Vale lembrar que a regra que previa punição para quem não ficasse em pé durante o hino nacional está suspensa enquanto a NFL conversa com o sindicato dos jogadores. Assim, os Dolphins, primeira equipe a anunciar qual seria sua política contra este tipo de manifestação, não pode fazer muita coisa.

No jogo que fechou a rodada, entre Raiders e Rams, Marshawn Lynch foi mais um a protestar, ficando sentado durante a execução do hino.


QUE NOITE PARA O CALOURO

Sam Darnold foi o mais jovem quarterback a ser titular no primeiro jogo de uma temporada desde 1970, mas o jogador de 21 anos e 97 dias vai querer esquecer seu primeiro passe, que o igualou a Brett Favre e Jameis Winston como os QBs que, desde 1991, tiveram uma pick-6 logo na primeira tentativa.

Mas a noite do calouro melhoraria muito, com dois passes para touchdown no atropelamento sobre os Lions, deixando a crise na estreia nas mãos de Matt Stafford, que lançou quatro interceptações, e do técnico novato, Matt Patricia.


BEAST MODE

No último jogo da rodada, os Rams confirmaram o favoritismo e venceram os Raiders, com Goff aproveitando bem todas as armas que tem em seu ataque e a defesa fazendo a parte dela, interceptando Derek Carr três vezes, sendo uma das vezes com retorno para TD de Marcus Peters.

Mas a noite começou bem para a sofrida torcida dos Raiders, que perdeu Khalil Mack dias atrás e sabe que vai perder o time para Las Vegas. Marshawn Lynch fez o primeiro TD do jogo de uma maneira absurda, mas não mais surpreendente do que esta foto dele nos tempos de colégio.