<
>

Quem é Kirk Cousins, o homem que pode mudar a NFL indo para os Vikings

play
NFL: com Smith nos Redskins e Cousins nos Vikings, veja resumo do mercado (1:33)

Período de free agency começa oficialmente nesta quarta-feira, mas negociações já esquentam a liga (1:33)

Às 17 horas (de Brasília), o mercado da NFL estará oficialmente aberto. Neste mesmo instante é esperado que, em Minneapolis, Kirk Cousins dê o primeiro passo para que as negociações de contratos dos jogadores da NFL mudem completamente.

O quarterback de 29 anos deve assinar um vínculo de 3 anos com o Minnesota Vikings no valor de US$ 84 milhões (R$ 273,4 milhões). O valor, ao contrário do que costuma acontecer na liga, é totalmente garantido, fazendo do camisa 8, pelo terceiro ano seguido, o dono do maior salário da NFL.

“Kirk Cousins é um herói para todos os jovens jogadores que virão após ele. Agora nós precisamos de mais jogadores que apostem em si mesmos até que contratos totalmente garantidos virem uma regra, e não a exceção”, escreveu Doug Baldwin, recebedor dos Seahawks, em sua conta no Twitter.

Mas quem é o jogador que há pouco mais de dois anos era motivo de piada em Washington e agora pode ter mudado os rumos do mercado?

Nascido em Barrington, Illinois, Cousins jogou por Michigan State no College Football, e foi recrutado por Washington na quarta rodada do draft de 2012, mesmo ano em que Robert Griffin III foi para os Redskins como segunda escolha geral.

Nos três primeiros anos como profissional foram apenas nove jogos como titular, com 18 passes para touchdown e 19 interceptações. Mesmo assim, ele foi apontado como o titular para o início da temporada de 2015, quando sua carreira começaria a mudar.

Nas três primeiras semanas nada ia bem. Eram 23 interceptações e 21 TDs em 514 passes tentados na carreira, números piores até do que os de JaMarcus Russell, que tentou 166 passes a mais para ter as mesmas interceptações na fracassada carreira.

Foi nessa época que bares da região de Washington começaram a oferecer doses grátis para cada “pick” do quarterback, e Mike Shanahan provocou risadas de todos quando afirmou que Cousins seria um top 10 da posição na liga.

Na semana sete as coisas começariam a mudar. Jogando em casa, os Redskins perdiam para os Buccaneers por 24 a 0 no segundo quarto, mas Cousins comandou a maior virada da história da franquia, com três passes para TD, correndo para um e somando 317 jardas aéreas.

Na saída do campo, a frase que viraria seu lema. “You like that?” (Gostou disso?), disse ao passar pelo local de entrevista nos vestiários.

Aquele jogo daria início a uma sequência com sete vitórias em 10 jogos, levando o time para os playoffs, quando cairiam para o Green Bay Packers na rodada de wild card.

Foi o suficiente para os Redskins usarem a franchise tag no jogador, que receberia US$ 19,9 milhões na temporada 2016, o maior salário daquele ano.

Foram oito vitórias, sete derrotas e um empate, insuficientes para uma vaga nos playoffs. Cousins lançou para 4.917 jardas, 25 touchdowns e 12 interceptações, e mais uma vez acabou recebendo a tag, agora para ganhar US$ 23,9 milhões, mais uma vez os maiores rendimentos da NFL.

Com um time bem modificado, sem seus principais recebedores, Washington mais uma vez fracassou na briga por playoffs e decidiu fazer uma troca, ainda em janeiro, com o Kansas City Chiefs, pegando o quarterback Alex Smith.

Os rumores envolvendo Cousins surgiram logo em seguida e podem ter ajudado a que as ofertas envolvessem valores garantidos, e não bônus por metas. De qualquer forma, ele agora tem dinheiro suficiente para pagar rodadas de bebidas para muitos torcedores.