<
>

O.J. Simpson causa polêmica nos EUA com entrevista antiga de 'hipotética' confissão

O.J. provando as luvas encontradas na cena do crime durante seu julgamento VINCE BUCCI/AFP/Getty Images

O.J. Simpson voltou a ser o centro das discussões nos Estados Unidos. Tudo devido ao especial O.J. Simpson: The Lost Confession (A Confissão Perdida), que foi ao ar pela Fox na noite deste domingo.

O programa trazia, basicamente, a entrevista que o ex-jogador da NFL deu a Judith Regan, magnata do ramo de publicações, em 2006, com a intenção de promover o lançamento do livro If I Did It (Se eu tivesse feito isso, sem publicação no Brasil), no qual O.J. descrevia uma hipotética forma que teria acontecido o assassinato de Nicole Brown, sua ex-esposa, e Ron Goldman.

Entre 1994 e 1995, O.J. Simpson foi para os tribunais sob a acusação de ter cometido o duplo assassinato, mas acabou inocentado em um dos mais controversos e midiáticos casos dos Estados Unidos.

Na entrevista, ex-jogador do Buffalo Bills e San Francisco 49ers contava sua hipotética participação no crime. A entrevista jamais tinha ido ao ar, já que a Fox havia desistido de transmitir o programa em respeito à família das vítimas. Então CEO da emissora, Rupert Murdoch chegou a pedir desculpas públicas pela produção.

A polêmica surgiu pelos detalhes que O.J. colocou em seu relato. Na história contada por ele, a ideia era assustar Nicole, até que Goldman chegou ao local para devolver os óculos esquecido no restaurante. Com ciúmes ele teria começado a discutir com o homem e ela apareceu para defender o amigo.

O.J. disse, antes de ressaltar que tudo era “puramente hipotético”, que Nicole então caiu e se machucou sozinha, enquanto Goldman assumiu uma “posição de caratê” para enfrenta-lo. Então a discussão teria se encaminhado para o crime.

O ex-jogador e ator admitiu ter aceitado a ideia do livro simplesmente para ganhar dinheiro, e teria recebido US$ 800 mil pela publicação, mas nem um centavo pela entrevista.

Recentemente o caso foi escrutinado no documentário O.J.: Made in America, produção da ESPN que ganhou o Oscar em 2017, e está à disposição no WatchESPN.

No ano passado, O.J. conseguiu liberdade condicional após passar nove anos na cadeia, acusado de assalto à mão armada, sequestro e formação de quadrilha quando tentava recuperar objetos pessoais.