<
>

Contra 'descompromissado' Titans, Patriots tentam controlar 'crise' e evitar zebra

play
Brady se diz preparado para os playoffs (0:20)

'Esses são os jogos divertidos de jogar', afirmou o QB dos Patriots (0:20)

Em busca da sétima final consecutiva na AFC, o New England Patriots recebe o Tennessee Titans neste sábado, às 23h15 (de Brasília), no Gillette Stadium, em Foxborough, com transmissão da ESPN e do WatchESPN.

O favoritismo está todo para o lado dos donos da casa, mesmo que os últimos dias tenham sido utilizados pela franquia de Boston apenas para contornarem relatos de uma suposta crise no relacionamento dos pilares da “dinastia”.

A reportagem de Seth Wickersham, publicada no dia 5, trouxe relatos de fontes que indicavam problemas na relação entre o quarterback Tom Brady e o técnico Bill Belichick, bem como alguns atritos do treinador com o dono do time, Robert Kraft.

Os motivos envolveriam a troca de Jimmy Garoppolo para o San Francisco 49ers, e também Alex Guerrero, treinador e sócio de Tom Brady, que teve seus privilégios retirados. As consequências seriam o possível fim da parceria, com a saída de Belichick e, assim, o fim de uma das eras mais vitoriosas da NFL.

Como não poderia ser diferente, todas as partes envolvidas passaram os dias seguintes negando tudo o que foi relatado. “Estamos pensando no Tennessee”, afirmou Belichick, em um “mantra” que já é mais do que conhecido entre aqueles que acompanham a NFL.

Seria o extra-campo capaz de afetar um favoritismo tão destacado como o deste final de semana? Ou tudo isto servirá apenas como “combustível” para a franquia, como já aconteceu no passado?

Os Titans chegam embalados pela virada contra os Chiefs, quando reverteram uma desvantagem de 18 pontos para conseguir a classificação. Mas os números apontam para uma das equipes mais fracas que já enfrentaram os Patriots em playoffs.

O saldo de pontos de Tennessee na temporada foi de -22, e a franquia não vence New England fora de casa desde 1993, tendo perdido os últimos seis jogos que fez contra Tom Brady.

Com o ataque e a defesa na metade de baixo do ranking da liga na temporada regular, os Titans veem os Patriots serem apontados como favoritos por 13,5 pontos. A última vez que um time considerado zebra por tanto conseguiu surpreender foi em 2002, quando os próprios Patriots bateram os Rams para conquistarem o primeiro Super Bowl.

Com tantos números contra, fica difícil imaginar que Marcus Mariota e companhia consigam afundar os Patriots em uma crise, certo? Mas há sim um caminho para a zebra aparecer.

A arma a ser explorada é o jogo corrido. Os Titans correram com a bola 31 vezes, conquistando 202 jardas, contra os Chiefs, e agora vão encarar uma das piores defesas contra este tipo de ataque, sendo segunda que mais cedeu jardas por tentativa (4,7), e a que mais permitiu jardas antes de um primeiro contato (3 jardas).

Além disso, os últimos cinco jogos de Tom Brady na temporada demonstraram uma grande queda de rendimento, lançando seis touchdowns e cinco interceptações neste intervalo, contra um desempenho de 26 TDs e três interceptações antes disso.

Mais de 16 anos mais jovem que Tom Brady, em com muito menos experiência na pós-temporada, Marcus Mariota tenta ser o terceiro quarterback a conseguir vencer os Patriots de Belichick em jogos de playoffs em Foxboro, como já fizeram Mark Sanchez (duas vezes) e Joe Flacco.

Se conseguir isso, o tamanho do feito dos Titans será diretamente proporcional ao tamanho da crise que cairá sobre os atuais campeões.