<
>

NBA: Saída dos Knicks, jejum no Ramadã e luta contra a ditadura de Erdogan: Enes Kanter e a temporada de 2018/19

No começo da temporada, não era esperado que Enes Kanter estivesse nos playoffs da NBA. Mas o início de 2019 foi extremamente importante para uma mudança de fase para o jogador. O pivô rescindiu o contrato com o New York Knicks no último dia da janela de trocas, e uma semana depois, tinha uma nova equipe: o Portland Trail Blazers.

Os Knicks prometeram a titularidade a Kanter no meio de 2018, mas isso não aconteceu. Nas 44 partidas que defendeu a equipe, o turco só foi titular em 23 delas e teve minutos restringidos pela comissão técnica, motivando o atleta a buscar uma rescisão de contrato.

Agora, na final da Conferência Oeste, Kanter é um dos principais jogadores da equipe, sendo extremamente importante durante a pós-temporada dos Blazers. Na noite desta terça-feira, o turco será essencial para o Portland na primeira partida da série contra o Golden State Warriors, que terá transmissão às 22h na ESPN e no WatchESPN.

Com a lesão de Nurkic no final da temporada, Kanter se tornou o principal jogador dos Blazers dentro do garrafão. Nas 12 partidas, o ala tem médias de 32,7 minutos, sendo o principal reboteiro da equipe, com 10,6, e contribuindo com 12,9 pontos por jogo.

O mais interessante é que o pivô tem feito isso com uma lesão no ombro e durante o Ramadã – o nono mês da religião islâmica, onde se deve jejuar durante o dia, o que faz com que ele sequer beba água durante pedidos de tempo nos jogos.

"Eu jejuo, durante a temporada, uma ou duas vezes por semana para deixar meu corpo preparado para o Ramadã. Estou acostumado a isso", revelou o jogador.

Na série, enquanto voltava ao banco após ser substituído, Kanter costuma a cuidar da lesão colocando gelo no ombro.

Apesar disso, o tratamento não é dos mais simples, já que o atleta não pode ingerir remédios durante o dia e não pode comer ou beber no período. Para manter o tratamento e conseguir jogar nos playoffs, o jogador injeta o medicamento antes das partidas.

A situação do pivô é ainda mais complicada, já que seu contrato termina nesta temporada e ele precisa estar saudável para assinar com uma nova equipe na free agency de 2019.

Apesar disso, ele garantiu que não se importa com seu contrato neste momento. "Estamos em uma posição em que não dá para pensar em um futuro contrato, quanto dinheiro você vai ganhar, ou com quem vai assinar.", revelou Kanter antes da série contra o Denver Nuggets.

"Só quero fazer de tudo para conseguir uma vitória."

Impossível voltar para a Turquia

A vida de Kanter fora da NBA não é a das mais fáceis.

O pivô se manifesta contra o governo do atual presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan.

Os problemas com o governo turco são constantes. Kanter afirmou que Erdogan "era o Hitler desse século." Em 2017, o jogador teve seu visto revogado, sendo visto como um potencial terrorista pelo governo.

Em maio do mesmo ano, o atleta revelou que havia sido perseguido quando estava em um camping para crianças.

Na madrugada, Kanter foi obrigado a deixar o país. O governo turco avisou a policia local que o jogador era "perigoso" e correu para o aeroporto para deixar o país.

No dia 17 de janeiro de 2019, o jogador não viajou para uma partida em Londres contra o Washington Wizards, por considerar a viagem "perigosa" e preferiu se manter nos Estados Unidos, onde o governo turco não poderia o prender.