<
>

Como o Thunder superou a saída de Kevin Durant?

Depois da decisão de Kevin Durant em junho de 2016, nem o torcedor mais otimista do Oklahoma City Thunder acreditava que o time voltaria ao topo da NBA tão rápido. Para alegria de Oklahoma isso aconteceu.

Em 2015, tendo Kevin Durant no elenco, o Thunder parecia capaz de bater o Golden State Warriors. Na final da Conferência Oeste, porém, os torcedores viram uma vantagem de 3 a 1 sumir, e o sonho de ser campeão da NBA acabar.

Apesar disso, o time ainda era favorito na temporada seguinte, até que, no dia 4 de julho, Kevin Durant anunciou que estava deixando a franquia.

A saída da principal estrela justamente para os Warriors deixou um vazio no elenco e foi definitiva para a temporada de 2016/17: a franquia chegaria até onde Russell Westbrook fosse capaz de levar.

O elenco tinha talento para chegar na pós-temporada, mas o plano de jogo era centrado em apenas um jogador. Ao longo do ano, o camisa 0 foi brilhante, só que ficou evidente que era impossível vencer com apenas uma estrela no plantel.

Westbrook quebrou recordes que todos julgavam inalcançáveis. O jogador ganhou o MVP naquele ano, após registrar médias de triplo-duplo (31,6 pontos por jogo, 10,4 assistências e 10,7 rebotes), e chegar a 42 triplos-duplos na temporada, batendo o recorde de Oscar Robertson (41).

Apesar dos números do armador, a equipe conquistou apenas 47 vitórias na temporada, ficando em sexto na Conferência Oeste. Nos playoffs, o Thunder foi eliminado na primeira rodada, quando perdeu no quinto jogo para o Houston Rockets. O pior ainda estava por vir. Após bater o Cleveland Cavaliers em cinco jogos, Kevin Durant se sagrou campeão com Golden State e foi eleito o MVP das Finais.

A conclusão da temporada era óbvia: existia um buraco que precisava ser preenchido. Na Free Agency de 2017, a franquia encontrou o substituto perfeito.

O Oklahoma City Thunder adquiriu Paul George em uma troca com o Indiana Pacers, enviando o ala armador Victor Oladipo e o pivô Domantas Sabonis. Além do jogador, a equipe obteve Carmelo Anthony em uma troca com os Knicks, formando um trio que parecia capaz de dominar na NBA.

Mas, a liga não é tão fácil assim, e uma troca não resolve tudo.

O elenco aparentava problemas e, apesar de chegar em 4º na Conferência Oeste, a equipe conquistou apenas 48 vitórias. O fracasso ficou evidente quando, na primeira rodada dos Playoffs, o Utah Jazz eliminou a franquia no sexto jogo.

Eram necessários ajustes. Algumas peças do elenco foram alteradas. Paul George foi mantido durante a temporada e recebeu uma extensão contratual de quatro anos e 136 milhões de dólares. O armador Dennis Schroder veio em uma troca com os Hawks e Carmelo Anthony, que se provou um problema defensivo, foi enviado para Atlanta.

As mudanças não seriam suficientes, era necessário mudar o plano de jogo. Paul George precisava ter mais volume de jogo para se tornar um protagonista, dando assim, mais refúgio a Westbrook.

Na temporada de 2017/18, o armador tentava em média 21,1 arremessos por jogo, convertendo 9,5 deles e produzindo 25,4 pontos por partida. Paul George, por sua vez, era um coadjuvante. O ala tinha médias de 21,9 pontos, tentando 17 arremessos e convertendo 7,1 deles.

O volume de George aumentou na atual temporada, o jogo de Oklahoma ficou mais sólido e a equipe se transformou em um dos times mais fortes de 2019.

A quantidade de arremessos dos dois jogadores é parecida em 2018/19. Westbrook tentou 20,3 arremessos por partida, sendo que converteu 8,7 deles em média. George, por sua vez, chutou 20,9 bolas por jogo, sendo que converteu 9,2 delas aproximadamente.

A mudança de protagonismo é evidente. Além de ser um dos melhores defensores do ano, Paul George é também um dos favoritos para vencer o prêmio de MVP dessa temporada. São 28,2 pontos, 81, rebotes e 4,2 assistências por partida.

Atualmente, o Oklahoma City ocupa a quinta posição da Conferência Oeste com 42 vitórias e 27 derrotas, sendo que está tecnicamente empatado com o quarto e terceiro colocado, Portland Trail Blazers (41-26) e Houston Rockets (42-26), respectivamente.

O basquete apresentado por Paul George fez o torcedor do Thunder esquecer e superar a saída de um dos melhores jogadores da NBA. Kevin Durant, que se tornará um agente livre em julho deste ano, está esquecido em Oklahoma, e nenhum rumor menciona um retorno do craque para o antigo time.

A traumática saída está, definitivamente, superada.