<
>

NBA - Doncic, Simmons, Tatum e muito mais: quem são os jovens astros que vão desfilar no Jogo dos Calouros

A NBA está em festa: chegou o Fim de Semana das Estrelas!

Com uma pausa antes da reta final da temporada, os melhores jogadores de basquete do mundo vão à Charlotte e dão um show para o fã do esporte.

Parte das festividades é o sempre divertido Jogo dos Calouros, que divide os primeiro e segundo anistas da liga em Time EUA x Time Mundo, numa disputa entre os jogadores que serão o futuro da NBA. Ele acontece na virada de sexta-feira para sábado, à 00h00, AO VIVO na ESPN e no WatchESPN.

Você já conhece Luka Doncic, Ben Simmons, Jayson Tatum e mais alguns. Mas que tal saber quem são todos os garotos que podem ser os novos astros do basquete?

Time EUA

De'Aaron Fox (Kings)

Incontestável armador de uma das equipes que mais cresceu em 2019, Fox foi a 5ª escolha do draft de 2018.

Veio de Kentucky, universidade muito tradicional no basquete, e - assim como seu time - evoluiu muito. Sua principal característica é a velocidade e agilidade. Melhorando seu arremesso de fora, atualmente tem médias de 17,2 pontos e 7,2 assistências por jogo.

Donovan Mitchell (Jazz)

Após quase ser eleito Calouro do Ano em 2018, entrou em sua segunda temporada na NBA com muitos já esperando que fosse uma estrela. Ainda não é, mas logo será.

Ofensivamente é uma ameaça constante. Veio de Louisville e foi apenas a 13ª escolha do seu draft - que erro. Em pouquíssimo tempo se tornou o líder técnico de um encaixado Utah Jazz. Na atual temporada, marca 22,4 pontos por jogo.

Jaren Jackson Jr (Grizzlies)

Mais jovem do draft de 2018, possivelmente é o melhor pivô de uma classe recheada de jogadores grandes, inclusive na primeira escolha.

Jaren Jackson Jr, ou JJJ, é completo. Arremessa dos três pontos, ataca o garrafão, protege o aro na defesa. Quando desenvolver seu potencial, será um dos grandes jogadores da liga. Em apenas 26 minutos por jogo, já tem médias de 13,8 pontos, 4,7 rebotes e 1,4 toco aos 19 anos. Aos poucos, está ganhando mais espaço, principalmente agora que os Grizzlies trocaram Marc Gasol.

Jarrett Allen (Nets)

De 22ª escolha do draft de 2017 a uma das maiores esperanças dos Nets - e um dos melhores jovens pivôs da NBA.

Jarrett Allen já protege o garrafão como "gente grande", e na atual temporada deu tocos em LeBron, Antetokounmpo, Griffin e outras estrelas. Com 11,2 pontos e 8,6 rebotes por jogo, faz parte de uma das equipes mais promissoras da liga, cheia de jovens com potencial.

Jayson Tatum (Celtics)

Maior esperança dos Celtics para o futuro, Tatum simplesmente não cansa de encantar a torcida mais vencedora da história da NBA.

Marca 16,5 pontos por jogo, além de 6,3 rebotes, mas vai muito além. Decisivo, e com apenas 20 anos, é considerado uma "jogada de mestre" dos Celtics, por ser definitivamente um dos melhores do draft de 2017 - e escolhido apenas em 3º, vindo de Duke. Mesmo jovem, já foi fundamental e liderou o time de Boston na campanha de playoffs da última temporada, quase eliminando LeBron James e os Cavs.

John Collins (Hawks)

Apenas a 19ª escolha do draft de 2017, Collins já se tornou a referência do garrafão do Atlanta Hawks, que busca se reinventar.

Em sua segunda temporada na NBA, se tornou titular indiscutível, e apresenta uma evolução impactante: os 10,5 pontos por jogo de sua temporada de calouro já se tornaram 19,4. Ainda acumula 9,7 rebotes e mais de 2 assistências. Chama atenção por sua mobilidade.

Kevin Knox (Knicks)

O ala de Nova York é um pontuador nato, e na 9ª escolha do último draft nutre muitas esperanças de um futuro melhor dos Knicks, mesmo com apenas 19 anos.

Muito jovem, ainda é inconstante. Entretanto, tem lapsos que já encantam a NBA, e mostrou seu potencial ao ser o segundo adolescente a conseguir um duplo-duplo de 25 pontos e 15 rebotes, se juntando a LeBron James. Knox vai substituir Lonzo Ball, machucado, na partida.

Kyle Kuzma (Lakers)

O maior "roubo" de 2017, Kyle Kuzma já é uma realidade.

Multifuncional, "Kuz" pode acertar arremessos de três pontos decisivos e enterrar com força no meio da defesa adversária. Ao lado de LeBron James, marca 19,1 pontos por jogo e pega 5,6 rebotes - até que bom para alguém escolhido apenas na 27ª posição do draft.

Marvin Bagley III (Kings)

Bagley sempre será assombrado por ser um dos dois jogadores escolhidos antes de Luka Doncic. Mas isso não quer dizer que ele é muito bom.

Segunda escolha do draft de 2018, o ex-Duke sintetiza o que se espera de um pivô moderno. Ágil, alto, versátil. Perdeu parte da temporada por lesão, mas voltou com grandes partidas e até uma atuação de 32 pontos. E ainda joga nos Kings, uma equipe jovem, desprendida e divertida de se ver em quadra, o que ajuda.

Trae Young (Hawks)

A maior sensação universitária de 2018 cambaleia na NBA, mas entre turnovers e grandes atuações, segue sendo um fenômeno.

Trae teve médias incríveis pela Universidade de Oklahoma (27,4 pontos e 8,7 assistências) e foi a 5ª escolha do último draft. Para sua sorte, foi para os Hawks, uma equipe despretensiosa que dá espaço para ele acertar, errar e evoluir - como tem feito. Sofre muito com suas decisões de quando ou não arremessar, mas tem um talento único; um show à parte.

Time Mundo

Ben Simmons (76ers)

Ben Simmons foi a primeira escolha do draft de 2016, venceu o prêmio de Calouro do Ano na temporada passada - depois de ficar um ano inteiro afastado por fratura no pé direito - e já se tornou uma das grandes estrelas da liga.

Com a camisa dos Sixers - e principalmente ao lado de Joel Embiid -, Simmons transformou o "Processo" em uma das grandes forças da Conferência Leste. O armador de 2,08m tem médias que se aproximam de um triplo-duplo e se aprender a arremessar da linha dos três pontos... boa sorte para seus marcadores.

Bogdan Bogdanovic (Kings)

O sérvio de 26 anos foi uma das gratas surpresas da temporada 2017-18. Bogdanovic foi a 27ª escolha do draft de 2014 pelo Phoenix Suns e trocado para os Kings. Mas ele só foi para os Estados Unidos depois de brilhar com a camisa do Fenerbahce.

Em 2018, Bogdanovic tomou conta das manchetes ao ser o MVP do Jogo dos Calouros: 26 pontos, seis assistências, quatro rebotes e sete acertos em 13 arremessos de três pontos.

Cedi Osman (Cavaliers)

O turco de 23 anos jogou pouco em 2017-18, mas teve algumas oportunidades ao lado de LeBron James nos Cavs.

Com o time totalmente em reconstrução, Osman assumiu a titularidade em Cleveland. Sua média subiu de 3.9 para 12.6 pontos por jogo - isso enquanto ele fica 31.4 minutos em quadra a cada partida, o triplo do que ficava na temporada passada.

Deandre Ayton (Suns)

O pivô de 20 anos, nascido nas Bahamas, foi a primeira escolha do draft de 2018. Com a camisa dos Suns, Ayton tem uma temporada muito sólida: médias de 16.5 pontos, 10.5 rebotes e 0.9 toco.

Ele também é o líder entre calouros no ranking de duplos-duplos, com 30 - que também é o bastante para deixá-lo em 4º na lista geral da NBA.

Josh Okogie (Timberwolves)

Talvez você não tenha ouvido falar de Okogie, nigeriano que completou 20 anos cerca de um mês antes da temporada.

O ala-armador, 20ª escolha do draft de 2018, vive uma temporada de altos e baixos, mas cresceu nas últimas semanas com a camisa dos Timberwolves - fazendo o torcedor se lembrar das duas boas temporadas que teve jogando no basquete universitário por Georgia Tech.

Lauri Markkanen (Bulls)

O torcedor do Chicago Bulls sabem bem disso: Lauri Markkanen é crucial para o futuro do time.

O finlandês foi a 7ª escolha do draft de 2017, depois da troca que mandou Jimmy Butler para os Timberwolves. Com médias de 18.5 pontos e 8.8 rebotes, Markkanen cresceu em 2019 e segue impressionando suas médias em fevereiro são de 25.3 pontos e 12.5 rebotes. Se o restante do time ajudar, o ala-pivô tem tudo para trocar o Jogo dos Calouros pelo das Estrelas nas próximas temporadas.

Luka Doncic (Mavericks)

Não existe mais discussão - se é que ela existiu em algum momento: Luka Doncic é o dono do prêmio de Calouro do Ano de 2018-19.

O esloveno ainda não fez 20 anos, mas já joga como um verdadeiro All-Star. Suas médias de 20.7 pontos, 7.2 rebotes e 5.6 assistências só ajudam a entender o nível de Doncic - que deixou a Europa após ser MVP da temporada e do Final Four com o Real Madrid. Luka tem potencial para ser uma superestrela da liga, e ele não deve demorar para chegar lá.

OG Anunoby (Raptors)

O inglês vai na contramão da maioria das estrelas da NBA: longe de procurar estatísticas, seu jogo chama mais atenção do que seus números.

Anunoby foi a 22ª escolha do draft de 2017, e definitivamente foi ajudado por já chegar em um time muito bem treinado e ajeitado. Chama muita atenção por ser um ótimo defensor, e mesmo com apenas 21 anos, não foge de duelos difíceis. Nos playoffs do ano passado, foi designado para marcar LeBron James (ok, não deu certo). Sob a tutela de Kawhi Leonard agora, pode se tornar um dos grandes.

Rodions Kurucs (Nets)

O ala letão dos Nets não veio de Duke ou Kentucky, mas também jogava em uma grande escola de basquete: o Barcelona.

Apenas a 40ª escolha do último Draft, foi pouco utilizado no primeiro quarto da temporada. Desde então, se tornou um nome constante dentro de quadra, contribuindo muito com quase 9 pontos por jogo.

Shai Gilgeous-Alexander (Clippers)

Dono do melhor nome do último draft, o armador canadense já é fundamental na reconstrução dos Clippers.

Shai jogou em Kentucky e também chama mais atenção por seu jogo do que por seus números. Alto e com braços compridos, tem uma ótima leitura de quadra, e já mostra muita inteligência com 20 anos.


Confira a programação completa do fim de semana das estrelas da NBA - AO VIVO na ESPN e no WatchESPN:

Sexta-feira (15)

22h - Jogo das Celebridades

00h - Jogo dos Calouros

Sábado (16)

22h30 - Desafios de Habilidades, Três Pontos e Enterradas

Domingo (17)

21h30 - Jogo das Estrelas: Time LeBron x Time Antetokounmpo