<
>

NBA: Sixers, Markelle Fultz e uma história de amor que acabou antes mesmo de começar

Os 76ers jogam contra os Raptors nessa quarta-feira, ao vivo na ESPN e no WatchESPN, às 23h.

Markelle Fultz, do time de Philadelphia, não joga.

É um esforço gigante ainda ter esperanças em Fultz - e, sinceramente, é um esforço cego.

Para quem caiu de paraquedas aqui, o contexto é o seguinte.

Antes do draft da NBA de 2017, era unânime: Markelle Fultz é o melhor jogador desse ano e será a primeira escolha.

Para contar com ele, os Sixers trocaram sua escolha (3ª) com os Celtics, que tinham a 1ª, e ainda deram sua primeira escolha (ou a de Sacramento) do draft de 2019. O valor foi alto.

Fizeram o que podiam e conseguiram pegar o “melhor jogador”. O problema é que nunca viram esse jogador.

O sensacional armador de Washington nunca apareceu na NBA, e o que nos resta são alguns vídeos de seus melhores momentos na faculdade e uma boa dose de imaginação para viajar no que seria ele jogando no melhor basquete do mundo.

View this post on Instagram

Will we ever know what happened to Markelle Fultz? 🤔

A post shared by @sixers (@sixerscourt) on

De lá para cá, foram 33 jogos como profissional, um triplo-duplo, muitos arremessos horríveis e a morte da esperança de mais uma estrela.

Na última temporada, na qual Markelle perdeu 68 partidas, a dúvida era: uma lesão no ombro fez ele mudar seu arremesso, ou ele mudar seu arremesso gerou uma lesão no ombro?

Então, com o passar do tempo, começaram a questionar se existia uma lesão no ombro ou era um problema psicológico.

Se preparando para a nova temporada, ele treinou muito e voltou surpreendendo. Afinal, ele tinha um novo arremesso. E outro, e mais um. Cada noite era um lance-livre diferente e bizarro, como esse, e números e atuações decepcionantes.

Há algumas semanas, seu agente, então, anunciou que Fultz não iria treinar nos próximos dias e iria para Nova Iorque ver um especialista, para diagnosticar o que ele tem.

Foi descoberta uma "síndrome de compressão torácica", uma lesão que levaria de 3 a 6 semanas de recuperação. Ela é uma coleção de sinais e sintomas resultantes da compressão neurovascular na via torácica.

A saída do tórax é uma região anatômica entre o pescoço e o ombro, onde os principais vasos sanguíneos e nervos viajam para suprir a extremidade superior.

E essa são as últimas notícias.

Essa novela foi provavelmente a história mais estranha dos últimos tempos na NBA, e muitas questões são levantadas em torno dela.

A primeira é clássica: E SE os Sixers tivessem escolhido outro jogador?

É hora de enfatizar - Fultz era a primeira escolha óbvia, e todos queriam ele (menos os Celtics, que por isso mesmo trocaram a escolha, pois já teriam Kyrie Irving de armador). É difícil, e no mínimo cruel, criticar a escolha.

Será que ser do mesmo ano de Donovan Mitchell, Jayson Tatum, De'Aaron Fox, Lauri Markkanen, Lonzo Ball e tantos outros bons jogadores aumenta o tom novela?

Se os Sixers tivessem qualquer um desses jogadores ao lado de Embiid, Simmons e Redick, conseguiriam chegar à final de conferência do ano passado? E esse ano, ainda com Jimmy Butler, qual seria seu limite?

Imagine os seguintes quintetos: Ben Simmons, Donovan Mitchell, Jimmy Butler, Wilson Chandler e Joel Embiid. Ou Ben Simmons, JJ Redick, Jimmy Butler, Jayson Tatum e Joel Embiid. Ou qualquer outra, se divirta.

É agoniante pensar que uma primeira escolha de draft foi jogada no lixo, mas isso acontece invariavelmente. Aconteceu com Anthony Bennett, Kwame Brown, Greg Oden. Mas as circunstâncias, o esforço para tê-lo, o time já formado ao redor, a novela, o "não saber de nada", torna a situação caótica.

A segunda questão é: E SE for algo psicológico?

Será que finalmente chegou a hora dos profissionais do mundo do esporte levarem a sério a saúde psicológica? Foi necessária uma "carreira acabada" de um garoto com incrível potencial e habilidade para isso?

Sobre a parte médica, não tenho a menor capacidade de avaliar ou saber algo do que está acontecendo, mas que é assustador e curioso, é. Como já descobriram tantas coisas e ao mesmo tempo nada?

Falam em seu retorno, mas não existe a menor expectativa. Em um ano e alguns meses, uma futura estrela da NBA teve seu valor reduzido a praticamente nada. E ninguém sabe o motivo.

Ainda torcemos, muito, para que ele dê a volta por cima. Mas não sabemos o que esperar.