<
>

NBA: Após quase se aposentar, Derrick Rose se reencontra, se atualiza e ronda marcas que teve como MVP pelos Bulls

Ele voltou? Ainda é cedo para dizer, mas aquilo que o mundo da NBA espera desde 2012 parece que nunca esteve tão próximo de acontecer.

Depois de quase se aposentar na temporada passada, Derrick Rose voltou às quadras mais uma vez e, nesta temporada, dá indícios de que pode estar, enfim, se renovando.

Na última quarta-feira, o armador foi, mais uma vez, o destaque do Minnesota Timberwolves, marcando 31 e acertando 7 de 9 arremessos de três tentados na derrota para o Los Angeles Lakers de LeBron James.

Mais cedo, na virada de outubro para novembro, o armador alcançou sua maior marca da carreira, com 50 pontos contra o Utah Jazz.

São apenas 11 jogos disputados por Rose este ano, contudo, ele já acumula números que relembram seus melhores momentos nas quadras. Vindo do banco na maioria das partidas, Rose diminuiu a quantidade de minutos jogados, mas aumentou seu nível de basquete em relação às últimas temporadas e atingiu sua melhor eficiência em quadra desde a lesão que interrompeu sua carreira na temporada 2011/12.

Até aqui, o jogador anotou 205 pontos nos 316 minutos em que esteve em quadra, uma média de aproximadamente 0,65 ponto/minuto. O índice desta temporada é o segundo maior do armador, ficando a apenas dois centésimos de sua melhor marca.

Em 2011-12, ano em que se tornou o MVP mais jovem da história da NBA, Rose disputou 81 jogos pelo Chicago Bulls. Nos 3026 minutos que esteve em quadra, marcou 2026 pontos e estabeleceu uma média aproximada de 0.67 pontos/minuto.

Ainda naquela temporada, o armador terminou o ano com 25 pontos/jogo, sua melhor marca nesse quesito. Na atual temporada, Rose também confirma seu crescimento: são 18.6 pontos/jogo até aqui - o maior número desde a lesão no joelho.

A mudança do armador não está limitada apenas ao fator pontuação. Acompanhando a tendência da liga, Rose vem mostrando que incorporou a bola de três pontos ao seu jogo. Neste ano, ele acertou 18 dos 39 dos arremessos desta espécie que executou, um aproveitamento de 46,2%.

O melhor percentual do armador neste quesito foi marcado no ano de 2013/14, o primeiro após a lesão. Na ocasião, Rose disputou apenas dez jogos e estabeleceu 34% de aproveitamento nas bolas de três. Em 2011-12, a temporada de MVP, o percentual ficou na casa dos 31,2%.