<
>

NBA: Jimmy Butler fala sobre pedido de troca e situação atual no Minnesota Timberwolves em exclusiva para a ESPN

Um dos principais assuntos da NBA nos últimos meses é a situação de Jimmy Butler. Na última quarta-feira, o ala-armador do Minnesota Timberwolves conversou com a jornalista Rachel Nichols, da ESPN americana, sobre o retorno aos treinos, o relacionamento com o técnico Tom Thibodeau e seu futuro com a organização.

Ao longo da intertemporada, surgiram notícias de que o jogador pediu para ser trocado, porque estava insatisfeito nos Timberwolves.

“Muito do que foi falado é verdade, mas, você precisa pensar que eu não jogo basquete há bastante tempo e sou apaixonado pelo jogo, e faço isso para competir, enfrentar os melhores, para tentar provar que posso aguentar. Então, toda minha emoção saiu de uma vez só. Foi o jeito certo de fazer isso? Não. Mas não consigo controlar isso quando estou lá competindo. Esse é meu amor pelo jogo. Sou eu no meu melhor, no meu mais puro. É isso que você vai conseguir dentro da quadra.”

“Acho que fui honesto. Fui brutalmente honesto? Sim. Mas acho que esse é o problema. Todos têm tanto medo de ser honestos uns com os outros. Se você não gostou do jeito que lidei comigo mesmo no treino, um dos jogadores vem falar comigo. Alguém diz alguma coisa. Qualquer um. Não vou tomar isso como ofensa. Não é pessoal’.

O jogador também comentou sobre a relação com os companheiros de time, principalmente sobre uma situação envolvendo ele e Karl-Anthony Towns em um treino nesta semana.

"Karl-Anthony Towns veio falar comigo. Estávamos no treino e ele disse: ‘Qualquer pode fazer esse trabalho’. E eu disse: ‘Faça isso comigo’. Foi tudo que eu disse. Falei: ‘Todas as vezes que eu marco você, você passa a bola”. Sou um competidor, estou falando aqui, venha até mim. Se você pontuar em cima de mim, vou te cumprimentar, porque você levou a melhor, mas tem que fazer isso todas as vezes”.

“Estou sendo duro com ele? Sim, é quem eu sou. Não sou o jogador mais talentoso do time. Quem é? Towns. Qual jogador do time tem o maior dom? Wiggins. Ele tem os maiores braços, as maiores mãos, é quem pula mais alto e quem corre mais rápido. Mas, quem joga mais duro? Eu. Eu jogo muito duro. Coloco meu corpo em risco em todo treino e em todos os jogos. Essa é minha paixão. É isso que entrego ao jogo e a vocês”, completou.

Durante a entrevista, Butler também ressaltou que só quer ser valorizado, e espera que todos sejam honestos quando conversem com ele.

“Eu só quero ser valorizado. Só isso. Não é qualquer outra coisa. Todos podem ver quem é e o que estamos perdendo. Não é a defesa, não são os pontos, é a paixão. É com o coração que eu jogo em cada posse de bola. E é isso. Tudo que peço de você é que seja honesto comigo. Não me diga uma meia-verdade, só me diga toda a verdade.”

O ala-armador ressaltou que sempre se colocou à disposição para conversar com o técnico Tom Thibodeau, quando ele ligava ou mandava mensagem.

“Estivemos conversando durante todo o verão. Todos sabiam a verdade dentro da organização porque vou dizer a verdade, gostem ou não. Eu sei a verdade e estou bem. Sei o que fiz e sei quem eu sou. Mas, quando você vai naquele vestiário e pergunta aos caras com quem querem jogar? Eu lhe digo que ninguém lá vai dizer que sou um mal companheiro de time ou um cara ruim”.