<
>

NBA: Mercado de 2019 promete ser o mais espetacular da história; veja por que

Durant e Irving podem ser agentes livres na NBA em 2019 Getty

Se atualmente LeBron James e DeMarcus Cousins causaram manchetes por conta de suas movimentações na intertemporada da NBA, em 2019 o mercado promete ser mais agitado do que agora.

Com 15 dias de mercado, 36 jogadores assinaram contratos de um ano que podem devolve-los ao mercado no ano que vem. Em 2017, eram 20 atletas com esse mesmo tipo de vínculo assinado.

Em julho de 2019, o teto salarial está projetado para ir de US$ 101,8 milhões para US$ 109 milhões – para aí atingir US$ 116 milhões em 2020-21. Pelo menos 15 times devem ter ao menos US$ 20 milhões de espaço para gastar. E mais de 200 jogadores serão free agents, cerca de 80 a mais do que em 2018.

E o mercado estará recheado de talento.


QUEM PODE ESTAR LIVRE

• Kevin Durant (Opção de renovação)
• Kawhi Leonard (Opção de renovação)
• Kyrie Irving (Opção de renovação)
• Klay Thompson
• Al Horford (Opção de renovação)
• Jimmy Butler (Opção de renovação)
• Marc Gasol (Opção de renovação)
• Goran Dragic (Opção de renovação)
• DeAndre Jordan
• DeMarcus Cousins
• Kristaps Porzingis (Restrito)
• Karl-Anthony Towns (Restrito)
• Kemba Walker
• Kevin Love (Opção de renovação)

LeBron James estará recrutando uma outra superestrela para Los Angeles. Além disso, haverá muitas franquias com poder de barganha.


QUEM TERÁ ESPAÇO NO TETO SALARIAL?

Os grandes mercados

Los Angeles Lakers
Espaço projetado: US$ 25 milhões

A ajuda está a caminho para os Lakers. Depois de fechar com LeBron, o time deve adicionar uma segunda superestrela no ano que vem. Isso explica os contratos de um ano a Kentavious Caldwell-Pope, Rajon Rondo, Lance Stephenson e JaVale McGee, Los Angeles vai à caça.

Se a franquia ainda dispensar um trocar Luol Deng, o valor disponível pode ir para a casa dos US$ 30 a US$ 45 milhões.

Philadelphia 76ers
Espaço projetado: US$ 37 milhões

Depois de não conseguir atrair LeBron James, o Philadelphia 76ers optou pelos contratos de um ano novamente. Porém, essa manobra não deve durar muito tempo, já que Bem Simmons e Dario Saric devem testar o mercado em 2020.

Dessa forma, o teto salaria dos Sixers pode cair até para US$ 15 milhões sem levar em conta outras transações.

LA Clippers
Espaço projetado: US$ 29 milhões

Os Clippers estão usando essa temporada como ponte para o ano que vem. Com apenas quatro contratos garantidos – incluindo US$ 30 milhões de Danilo Gallinari e Lou Williams juntos – Los Angeles poderá assinar com uma superestrela pelo valor máximo.

Essa quantia pode subir para US$ 63 milhões se Tobias Harris não renovar e o vínculo de US$ 12,5 milhões de Avery Bradley for dispensado.

New York Knicks
Espaço projetado: US$ 26,5 milhões

Se os Knicks querem uma outra estrela, então Kristap Porzingis terá que esperar mais um ano por um novo contrato. Se ele renovar pelo máximo (US$ 158 milhões), o espaço no teto pode diminuir para US$ 17 milhões, levando em conta que Enes Kanter, Mario Hezonja e Lance Thomas também não fiquem. Mesmo assim, os Knicks ainda não ficariam com espaço suficiente para assinar com alguém pelo valor máximo no calibre de Kyrie Irving ou Jimmy Butler.

Nova York ainda precisaria dar um jeito de se livrar dos US$ 19 milhões do último ano de contrato de Joakim Noah (sim, ele ainda está lá), deixando o espaço no teto na casa dos US$ 40 milhões.

Brooklyn Nets
Espaço projetado: US$ 36 milhões

Se livrando de todos os free agents com exceção de D’Angelo Russell, Rondae Hollis-Jefferson e Spencer Dinwiddie, Brooklyn ficaria com US$ 36 milhões de espaço – uma quantia que poderia diminuir se Dinwiddie assinar uma extensão até dezembro.

É possível ter espaço para dois contratos máximos, mas aí seria necessário trocar Allen Crabbe (US$ 18,5 milhões).

Chicago Bulls
Espaço projetado: US$ 35 milhões

Os US$ 78 milhões do contrato de Zach Lavine prejudicaram a flexibilidade dos Bulls na próxima janela do mercado. Chicago ainda está operando de uma posição de força com um espaço projetado de US$ 35 milhões, incluindo cinco jogadores com vínculo de calouros de primeira rodada.

Abdicando de Bobby Portis e Cameron Payne poderia elevar as cifras para os US$ 53 milhões.


Na briga

New Orleans Pelicans
Espaço projetado: US$ 27 milhões

Esse será o verão mais importante da história da franquia. Anthony Davis está elegível para renovar um contrato no valor máximo de US$ 235 milhões que faria dele o jogador mais bem pago da NBA e o manteria em Nova Orleans pelos próximos seis anos.

Se Julius Randle optar por testar o mercado, Nikola Mirotic não renovar, e Solomon Hill for dispensado, os Pelicans podem chegar a US$ 35 milhões em espaço.

Dallas Mavericks
Espaço projetado: US$ 55 milhões

Considerando que DeAndre Jordan voltará a ser um agente livre no próximo ano, os Mavericks terão cerca de US$ 55 milhões para poder gastar com talentos como Luka Doncic, Dennis Smith Jr e Harrison Barnes (se ele usar a opção de renovação), os Mavs devem ser agressivos no mercado.

Se não der certo? Aí Doncic e Dennis Smith ainda têm contrato em 2020, com a franquia podendo rodeá-los de talento.

Indiana Pacers
Espaço projetado: US$ 56 milhões

Os contratos de um ano de Tyreke Evans e Kyle O’Quinn fortalecem um banco que agora está entre os melhores da NBA e permitem a Indiana ter flexibilidade para 2019. Agora os Pacers precisam decidir no que fazer com as conversas de renovação com Myles Turner.

Melhor esperar até o ano que vem, quando Indiana pode estar trabalhando com US$ 56 milhões no teto, incluindo já a permanência de Turner.


Outras opções

Atlanta Hawks
Espaço projetado: US$ 35 milhões

Atlanta entrará no mercado da free agency depois de duas temporadas for a? O cenário provável é que os Hawks continuem desenvolvendo seus jovens jogadores – como Trae Young, Kevin Huerter, Omari Spellman, Taurean Prince and John Collins – e sigam conservadores no mercado.

Os Hawks ainda podem ter três escolhas de draft (a própria, uma protegida de Cleveland e uma protegida de Dallas). Com os contratos de Kent Bazemore e Miles Plumlee acabando depois da temporada 2019-20, os Hawks podem seguir esperando até 2020, quando terão mais de US$ 60 milhões de espaço na folha.

Cleveland Cavaliers
Espaço projetado: US$ 29 milhões

Os Cavaliers se juntam ao grupo de times com flexibilidade financeira, mas o custo foi ver LeBron James com um uniforme diferente A forma como os Cavaliers vão atuar no mercado na próxima temporada terá efeitos em veteranos como Kyle Korver, George Hill e JR Smith.

Os três jogadores recebem, juntos, mais de US$ 50 milhões – mas apenas US$ 8,2 milhões garantidos. Apesar da possibilidade de ter US$ 29 milhões de espaço (ou até US$ 54 milhões caso Kevin Love abra mão de seu contrato), Cleveland deve esperar até 2020, quando terá apenas Collin Sexton e Ante Zizic com contratos em vigor.

Orlando Magic
Espaço projetado: US$ 25 milhões

O Magic estará no jogo na próxima offseason graças ao uso de uma matemática criativa. Em vez de aumentos normais no novo contrato de US$ 76 milhões de Aaron Gordon, Orlando vai diminuir o salário do ala nos anos 2 e 4.

As economias – combinadas com a troca de Bismack Biyombo por Timofey Mozgov – deixarão Orlando com US$ 25 milhões de espaço na folha.

Phoenix Suns
Espaço projetado: US$ 20 milhões

Phoenix viu seu espaço na folha cair de US$ 37 milhões para US$ 20 milhões quando Devin Booker assinou uma renovação de seu contrato de calouro por US$ 158 milhões.

Apesar disso, os Suns podem ir atrás de veteranos para montar o time ao redor dos jovens Booker, Deandre Ayton, TJ Warren, Mikal Bridges e Josh Jackson.

Sacramento Kings
Espaço projetado: US$ 51 milhões

Sacramento parece ser sempre uma opção complicada quando se trata de espaço na folha. Como ficou claro com a oferta de US$ 78 milhões por Zach LaVine, a questão não é se Sacramento está disposto a gastar dinheiro, mas se o foco está no jogador certo ou em alguma posição.

Os Kings ainda têm US$ 19,5 milhões de espaço nesta offseason. O cenário provável é que Sacramento não gaste esse dinheiro e chegue ao próximo mês de julho com US$ 51 milhões para usar.

San Antonio Spurs
Espaço projetado: Indefinido

Não é surpresa, mas a flexibilidade financeira em San Antonio depende de Kawhi Leonard. Trocar o All-Star por um pacote de jovens jogadores, escolhas de draft e contratos que estão acabando deixaria os Spurs com cerca de US$ 40 milhões de espaço na folha.

Se ambos os lados se acertarem (o que não deve acontecer) e Leonard voltar, San Antonio deve ficar com US$ 15 milhões para gastar.

Utah Jazz
Espaço projetado: Indefinido

O Jazz está em uma situação parecida com a vivida pelos Pacers neste ano. Eles têm um grupo de jogadores – Donovan Mitchell, Rudy Gobert e Joe Ingles – sob contrato, mas com flexibilidade para manter outros como Derrick Favors e Ricky Rubio, ou encontrar substitutos.

Se Rubio não voltar, Utah deve ter US$ 26 milhões de espaço – número que sobe para US$ 42 milhões caso Favors também não fique.


Favoritos com agentes livres

Boston Celtics e Golden State Warriors

Os dois principais times de cada temporada estão nesta lista, mas não pela flexibilidade que terão na folha em 2019. Com Kyrie Irving, Al Horford, Kevin Durant e Klay Thompson se tornando agentes livres, Boston e Golden State poderão decidir quanto dinheiro estará disponível em toda a liga para outros jogadores de nível mais baixo.

Se os quatro (e o armador dos Celtics Terry Rozier) voltarem, jogadores como Khris Middleton, Nikola Vucevic e Tobias Harris poderão ser recompensados financeiramente por times que planejavam tirar as estrelas de Celtics e Warriors.