<
>

É muito grave? Quanto tempo? Qual é a expectativa? Um guia para a volta de Porzingis à NBA

A cirurgia para a lesão no ligamento cruzado do joelho de Kristaps Porzingis foi feita. A estrela do New York Knicks passou pelo procedimento nesta terça-feira, no Hospital for Special Surgery em Manhattan.

Então, quando Porzingis voltará a jogar? Isso não está claro.

A expectativa, neste momento, é que Porzingis fique fora por pelo menos 10 meses, segundo as fontes ouvidas pela ESPN. Mas uma previsão mais específica não estará disponível até que ele comece o processo de reabilitação.

Como será esse processo? Porzingis poderá retornar à sua forma antes da lesão?

Para fornecer algumas respostas, nós procuramos a especialista em lesões da ESPN, Stephania Bell. Abaixo, ela fornece informações sobre esses e outros tópicos relacionados à recuperação de Porzingis. (Bell, para ser claro, fala de uma perspectiva geral em relação ao tipo de lesão de Porzingis, ela não está falando especificamente da situação de Porzingis por que ela não o tratou).

Qual seria a linha de tempo para a recuperação de Porzingis?

Bell: Em média, os atletas da NBA retornam no intervalo de 10 a 12 meses após a reconstrução do ligamento. É importante notar que as especificidades da lesão, incluindo o mais importante, se é uma lesão isolada [somente ligamento] ou não [múltiplas estruturas envolvidas, como menisco, cartilagem ou outros ligamentos] ditou a complexidade da cirurgia e como será a complexidade e o ritmo da reabilitação. (Nota: A lesão de Porzingis acredita-se que é somente de ligamento.) Quanto mais detalhamento na cirurgia, mais complexa a reabilitação. Dependendo dos detalhes, o processo de reabilitação pode ser deliberadamente retardado em certos pontos para proteger os tecidos que ainda estão sendo curados, mesmo que o jogador sinta que ele está progredindo bem.

Existem outros fatores que podem potencialmente influenciar o processo de reabilitação, incluindo a capacidade de cura do atleta, sua adesão ao programa de reabilitação, lesão prévia, variantes anatômicas, desequilíbrios musculares, déficits de força, controle neuromuscular. Também há demandas específicas da posição, o papel do atleta na equipe e assim por diante. Quando você começa a considerar todos os diferentes fatores que têm o potencial de influenciar a recuperação de um atleta, torna-se mais fácil apreciar a relutância de uma organização em emitir um cronograma com base apenas no diagnóstico.

Essa lesão poderia afetar a formação atlética de Porzingis?

Bell: Claro... se ele tentar retornar antes que esteja realmente pronto para voltar. Parte da reabilitação completa de uma lesão como essa está além da capacidade básica de realizar atividades de basquete para realmente retornar ao nível anterior de sua função em quadra. Isso não significa, necessariamente, que um atleta se pareça exatamente como ele era na primeira vez que ele voltar a pisar em quadra. Voltar a jogar é muitas vezes tratado como a fase final da reabilitação por que não há nada que substitua a competição no nível mais alto. A maioria dos atletas vai dizer que eles realmente não sentem que estão de volta ao seu nível antigo de desempenho até que se passem de seis meses a um ano após o retorno à ação.

Eles ainda podem ser eficazes no campo das estatísticas, mesmo que eles retornem à forma anterior. Em um estudo publicado em 2013, olhando o desempenho dos atletas da NBA após a reconstrução do ligamento, várias métricas de desempenho [como pontos, rebotes , tocos, etc.] diminuíram. Mas esse declínio não diferiu significativamente dos números de atletas que não tiveram nenhuma lesão.

A lesão ou o processo de recuperação são diferentes - ou mais difíceis - por causa da altura de Porzingis (2,16m)?

Bell: Não há dados específicos suficientes sobre homens grandes da NBA em comparação aos outros jogadores da liga para fornecer evidências aqui, mas suas recuperações parecem ser um pouco mais lentas. A questão então se torna o motivo de isso acontecer. Jogadores menores e mais ágeis têm uma demanda maior na área de corte rápido, da agilidade, e precisam se concentrar na reabilitação desse conjunto de habilidades antes do retorno. Os jogadores mais altos podem ser mais desafiados em termos de recuperação do controle muscular dinâmico que ajuda a proteger o joelho.

As longas alavancas da coxa e da perna se encontram no joelho e, se não bem controladas pelos músculos acima [do quadril] e abaixo [do tornozelo], as forças resultantes podem ameaçar a articulação menos tolerante - o joelho -, que está no meio disso. Curiosamente, no caso de Porzingis, quando ele perdeu o controle no tornozelo (quando aterrissou no pé de Giannis Antetokounmpo), seu quadril não conseguiu evitar que o joelho se encolhesse, e o resultado foi a lesão no ligamento.

Mesmo antes desta lesão, pode ter havido algumas dicas que ele estaria em risco. Porzingis torceu o tornozelo esquerdo no início de novembro. Em dezembro - e novamente em janeiro -, ele estava lidando com dores no joelho esquerdo. Relação entre as lesões? Não há como saber com certeza, mas certamente sugere que ele terá trabalho a fazer para se fortalecer de cima para baixo antes de retornar à ação. Caso contrário, ele estará em maior risco de se lesionar de novo. Dado que ele é um jogador jovem, com um futuro promissor, Porzingis seria melhor servido com um processo de reabilitação metódico e abrangente que abordasse quaisquer fraquezas globais ao invés de tentar encontrar uma linha de tempo que se mostrasse artificial.

O caminho a seguir será longo e difícil para Porzingis. No momento de sua lesão, o All-Star de 22 anos liderava os Knicks em pontos (22,7 por jogo) e era o primeiro na NBA em tocos por partida (2,4). Não está claro se o problema da lesão do ligamento afetará ou não os números de Porzingis, mas Kevin Pelton, da ESPN, forneceu um forte contexto histórico sobre como as lesões como essa impactaram jogadores entre 21 e 23 anos. Esses dados sugerem que os números de Porzingis podem cair por duas temporadas após seu retorno. Mas a lesão de cada jogador - e a capacidade de recuperar - é diferente.

E os mais próximos de Porzingis acreditam que sua abordagem diligente para a reabilitação o ajudará a voltar para a quadra como um jogador ainda melhor.

"Ele tem uma ótima atitude sobre isso. Ele sabe que ele vai voltar", disse o técnico dos Knicks, Jeff Hornacek, nesta segunda-feira. "Ele sabe que vai estar de volta melhor do que nunca. Ele desejava que tivesse acontecido assim, mas pode aprender coisas ao assistir aos jogos do restante deste ano. Ele é um garoto que quer ser um dos melhores. Sabemos que ele vai trabalhar duro para voltar."

Confira o texto original, em inglês, clicando AQUI