<
>

Daniel Dias ganha prótese especial para as Paralimpíadas de Tóquio 2020

O medalhista paralímpico Daniel Dias recebeu nesta segunda-feira, 13, um incentivo mais que especial da Ottobock. Como fornecedora da prótese do atleta, a empresa fez uma parceria com o artista e ilustrador Michel Borges para entregar uma nova prótese temática das Paralimpíadas de 2020. Como o país que sediará o evento esportivo é o Japão, Daniel Dias terá em seu novo encaixe uma ilustração que remete à cultura japonesa, com sua caricatura em mangá e a famosa “Grande Onda de Kanagawa”.

“Tenho uma relação muito particular com a minha prótese. Ela faz parte de mim literalmente. E como é bom cuidar da gente, né? Agradeço a Ottobock pela parceria em poder me agraciar com uma prótese tão bonita, bacana e confortável, esta tecnologia faz muita diferença na minha qualidade de vida. Estou lisonjeado com o carinho que tiveram com a estampa do encaixe. Quer mais apoio para as Paralimpíadas de Tóquio do que esse? Já estou mais do que no clima! Parabéns ao artista Michel Borges pelo lindo desenho, adorei a minha versão mangá, fiquei bonito e jovem, rs.”, declara Daniel Dias, que há muitos anos utiliza próteses Ottobock, com tecnologia de ponta que garante conforto ao atleta quando está fora d’água.

O convite para o artista e ilustrador Michel Borges foi feito pela Ottobock com o objetivo de ser um símbolo do desejo de sucesso ao atleta na preparação para os jogos do ano que vem. “O atleta Daniel Dias representa a nossa essência: alta performance e excelência. A Ottobock está comemorando 100 anos no mercado mundial. Uma indústria que traz próteses e órteses de alta tecnologia para que não só atletas, mas também qualquer pessoa que tenha sofrido uma amputação, busque sua independência”, comenta Ricardo Oliveira, Diretor Geral da Ottobock Brasil.

O encaixe da prótese de Daniel Dias – parte que acomoda o membro residual e dá um melhor controle na prótese – recebeu ilustrações de Michel Borges. Segundo o artista, ele se inspirou no país que sediará o evento para criar a arte.

“Foi muito bacana receber o convite, pois não é todo dia que a gente pode participar como artista em um projeto como esse. Fiquei animado quando a Ottobock me procurou e topei na hora. Gosto muito de sair do básico, e fazer uma intervenção artística na prótese de um atleta paralímpico como o Daniel foi algo muito novo pra mim. Minha proposta para a arte foi me inspirar na modalidade do Daniel e fui buscar uma obra de arte do século 19 japonesa, uma obra bem conhecida, que se chama a Grande Onda de Kanagawa. Bem tradicional e icônica. A olimpíada vai ser no Japão, e a arte também traz as batalhas e a lutas que todo atleta enfrente, porém, o Daniel enfrenta desafios diferentes”, conta Borges.