<
>

Brigas, pazes e medos: a trajetória final de Cesar Cielo nas piscinas

Coração de competidor versus ferramentas gastas! Esse é o dilema que vive Cesar Cielo após a performance apresentada no Troféu José Finkel nos últimos dias. Os bons resultados deixaram um gostinho de quero mais até mesmo para o atleta, que já vem anunciando a provável aposentadoria para o fim do ano.

“Agora eu falo para vocês que eu quero nadar mais uns três anos, mas semana que vem os treinos voltam, o alarme toca às 6h da manhã, no frio, e eu falo não! Dezembro é meu final mesmo”.

Os altos e baixos fazem parte do processo de despedida. Cielo confessa que a motivação não é mais a mesma. Então, quer focar no Mundial de Piscina Curta em dezembro, que será realizado em Hangzhou, na China.

O objetivo do campeão olímpico é repetir a performance do Brasil no Mundial de Doha, em 2014. Na ocasião, o país conquistou o título geral da competição. Além disso, se subir ao pódio ao menos uma vez, Cielo passa a ser o maior medalhista do Brasil em campeonatos mundiais. Ele já tem 17 medalhas, o mesmo número de conquistas de Robert Scheidt, da vela.

“Eu quero voltar com as medalhas aí na bolsa e ainda mais satisfeito com o que eu já tenho”.

O Brasil vai para Hangzhou, na China, com 20 atletas. Uma delegação experiente e algumas jovens revelações. Cielo esteve preocupado com essa “molecada que está chegando”, chegou a sentir “uns medos antes” e sabia que qualquer vacilo custaria a vaga para o Mundial.

Para terminar a carreira numa competição internacional como deseja, Cielo ajustou os treinos, nadou menos no último semestre e trabalhou a velocidade. Deu certo! Ele nadou os 100m livre para 46s83, e os 50m livre para incríveis 20s98. Venceu as duas provas do Troféu José Finkel.

“Eu estou em paz com a minha carreira, eu estou em paz com a piscina. Mesmo com todas as conquistas, há momentos de dúvidas e revoltas. Então, estava brigado com a piscina há algum tempo. Agora, fiz as pazes com ela (piscina) mais alguns meses. ”

E o reencontro não poderia ter acontecido em um local mais especial na carreira de Cielo. Foi na piscina do Esporte Clube Pinheiros, onde ocorreu o Troféu José Finkel, que em dezembro de 2009 Cielo estabeleceu o recorde mundial dos 50m livre, que dura até hoje. “É minha casa, uma das minhas casas preferidas.”

Veja os atletas que conquistaram índice para o Mundial de Hangzhou:

Vinicius Lanza – Minas Tênis Clube – 100m, 200m medley e 200m borboleta

Caio Pumputis – Pinheiros – 100m, 200m medley e 200m peito

Luiz Altamir Lopes Melo – Pinheiros – 200m borboleta e 200m livre

Etiene Medeiros – SESI/SP – 50m costas

Guilherme Guido – Pinheiros – 50m e 100m costas

Felipe Lima – Minas Tênis Clube– 50m peito

Larissa Oliveira – Pinheiros – 100m livre

Nicholas Santos – Unisanta – 50m borboleta

Breno Correia – Pinheiros – 200m livre

Cesar Cielo – Pinheiros – 50m livre

Matheus Santana – Pinheiros – 50m livre

Índice técnico:

João Gomes Júnior – Pinheiros – 100m peito

Guilherme Basseto – Pinheiros – 100m costas

Manuella Lyrio – Pinheiros – 200m livre

Fernando Scheffer – Minas Tênis Clube – 400m livre

Daiene Dias – Flamengo – 100m borboleta

Guilherme Costa – Pinheiros – 1500m livre

Marcelo Chierighini – Pinheiros – 100m livre

Leonardo Santos – Pinheiros – 400m medley

Brandonn Almeida – Corinthians – 400m medley