<
>

UFC: Formiga espera luta por título desde 2012, ouviu que sua categoria acabaria e conta como reagiu

play
João Canalha tira braço de ferro com Amanda Nunes no Bola da Vez (0:43)

Apresentador brincou com a convidada e encerrou o programa com um braço de ferro (0:43)

Quando entrar no octógono neste sábado para enfrentar Deiveson Figueiredo, no UFC Nashville, Jussier Formiga estará mais uma vez perto de lutar pelo cinturão do peso mosca. Os brasileiros têm tudo para definirem o próximo desafiante ao título, situação que o lutador de Natal conhece bem.

É que desde 2012, quando estreou no maior evento de MMA do mundo, Formiga é apontado como candidato ao topo da categoria. Não conseguiu até o momento, porém, confirmar a condição para ter o tão sonhado “title shot”. Nos duelos mais importantes no UFC até aqui, derrotas...

O momento agora é novamente positivo, com três vitórias consecutivas, topo do ranking de seu peso e o duelo marcado contra o compatriota que está no top 4 entre os moscas. Poucas coisas preocupariam Formiga não fosse um rumor que surgiu no final de 2018: o fim de sua categoria.

“Foi um pouco preocupante. São sete anos no UFC e, depois disso, saber que talvez o UFC pudesse acabar com a categoria... Conversei muito com o meu empresário, que falou que mesmo que acabasse, íamos achar a melhor forma. Mas tudo está caminhando”, disse, ao ESPN.com.br.

Tudo aconteceu depois da saída de Demetrious Johnson, campeão dos moscas do UFC por quase seis anos, que acabou sendo trocado para o ONE FC. Pouco depois, outros lutadores do peso também deixaram o evento, e as notícias se espelharam. Seria o fim da categoria?

“Eu perguntei também, o que seria e o que aconteceria, e quando a gente falou com o UFC, eles falaram que não tinha condição nenhuma, que a divisão continuava, e que a mídia estava especulando, que não pensavam em acabar da divisão”, afirmou Formiga, mais tranquilo.

Os moscas sempre encararam certa desconfiança dos fãs, que nunca se empolgaram tanto nem mesmo com os feitos históricos que Demetrious Johnson acumulava no UFC. Com sua saída, havia o temor que os demais atletas não conseguiriam manter o interesse na divisão.

Henry Cejudo, o atual campeão da categoria e também medalhista olímpico no passado, contudo, deu um recado claro aos que duvidavam dos moscas em janeiro, vencendo TJ Dillashaw, dono do cinturão do peso de cima, dos galos, e que desceu para tentar conquistar dois títulos simultâneos.

“Valorizou ainda mais nossa divisão. Nossa categoria está rodando e em 2019 tenho certeza que não vai acabar. Tem vários desafiantes para enfrentar o Cejudo”, comemorou Formiga.

A luta contra Deiveson – Pela frente neste sábado, Formiga terá um lutador que ainda não sabe o que é perder. São 15 vitórias em 15 lutas na carreira, sendo quatro consecutivas no UFC.

“A expectativa é a melhor possível. Lógico, a gente nunca quer lutar contra brasileiro, mas a gente está sossegado, já trabalha entendendo que também não pode negar trabalho, né? A gente está aí no top 5, na rota de colisão, a gente vai ter que lutar. Espero fazer uma grande luta”, disse.

“É um cara muito bom, aguerrido, que anda muito para frente, joga muitos golpes duros. Mas da mesma forma que ele tem as qualidades dele, eu tenho as minhas”, complementou.