<
>

Cyborg provoca Ronda e contesta: 'Amanda tem quatro derrotas, eu tenho duas. Como ela pode ser a maior?'

play
Após UFC 232, Cyborg não vê Amanda Nunes como melhor da história: 'Ela tem quatro derrotas' (0:30)

Brasileira valorizou feito de sua compatriota, mas não admitiu ver a rival como a mais importante no esporte (0:30)

A opinião é quase unânime: Amanda Nunes se tornou a maior da história do UFC. Quase porque tem uma pessoa fundamental que não parece concordar com isso: Cris Cyborg.

“Dana White disse que quem ganhasse seria a melhor de todos os tempos. Amanda ganhou hoje, ok, mas tem quatro derrotas, eu tenho duas. Como ela pode ser a maior? Ela nem deu revanche às oponentes. Eu nunca desisto, vou continuar treinando”, disse a paranaense em entrevista.

Depois, em português, Cyborg explicou um pouco melhor o que quis dizer e recuou um pouco. Mas seguiu não colocando Amanda como a maior.

“Para ser a melhor da história seria nunca perder. Ela fez muito pelo esporte. Foi uma das pessoas que não teve o carinho de todo mundo. Ela ganhou da Ronda, de um monte de meninas e nunca teve o valor que devia ter. Quem sabe Deus me usou para ela ter o reconhecimento que deveria ter”, disse.

E Cyborg, claro, já pensa em uma revanche com a compatriota.

“Quando Dana White quiser”, diz.

O problema é que o chefão do UFC pensa diferente.

“Acho que não vamos ter a revanche imediata. Foi uma luta muito rápida, uma vitória muito dominante”, disse.

De fato, Amanda Nunes precisou de apenas 51 segundo para nocautear Cris Cyborg e se tornar campeã de duas categorias diferentes, a primeira mulher a conseguir isso na história.

Provocação a Ronda Rousey

Cyborg também aproveitou para dar uma provocada em Ronda Rousey, sua eterna rival. A brasileira chegou para a entrevista coletiva com um travesseiro tampando o rosto - da mesma forma que Ronda tentou se esconder depois de ser derrotada.

"Vocês sabem o por quê do travesseiro", disse, rindo, ao ser perguntada sobre.

Veja todos os resultados do UFC 232:

CARD PRINCIPAL:

Jon Jones (EUA) nocauteou Alexander Gustafsson (SUE) aos 2:02 do 3º round - pelo cinturão dos meio-pesados
Amanda Nunes nocauteou Cris Cyborg (BRA) a 0:51 do 1º round - pelo cinturão feminino dos penas
Michael Chiesa (EUA) finalizou Carlos Condit (EUA) com uma kimura a 0:56 do 2º round - meio-médios
Corey Anderson (EUA) venceu Ilir Latifi (SUE) na decisão unânime dos jurados (triplo 29-28) - meio-pesados
Alex Volkanovski (AUS) nocauteou Chad Mendes (EUA) aos 4:14 do 2º round - penas

CARD PRELIMINAR:

Walt Harris (EUA) venceu Andre Arlovski (BLR) na decisão dividida dos jurados (27-30, 29-28 e 29-28) - pesados
Megan Anderson (AUS) nocauteou Cat Zingano (EUA) a 1:01 do 1º round - penas feminino
Petr Yan (RUS) nocauteou Douglas D'Silva (BRA) no intervalo entre o 2º e o 3º round por interrupção do córner - galos
Ryan Hall (EUA) finalizou BJ Penn (EUA) com uma chave de perna a 2:46 do 1º round - leves
Nathaniel Wood (ING) finalizou Andre Ewell (EUA) com um mata-leão aos 4:12 do 3º round - galos
Uriah Hall (JAM) nocauteou Bevon Lewis (EUA) a 1:32 do 3º round - médios
Curtis Millender (EUA) venceu Siyar Bahadurzada (AFG) na decisão unânime dos jurados (29-28, 29-28 e 30-27) - meio-médios
Montel Jackson (EUA) finalizou Brian Kelleher (EUA) com um triângulo de mão a 1:40 do 1º round - peso combiando