<
>

Falcão dá adeus em jogo de juiz machucado, 'veto' à bola, invasão de torcida e candidato a herdeiro

O último dia da carreira de Falcão certamente ficará para sempre na sua memória. A quinta-feira teve de tudo no ginásio Wlamir Marques: jogo paralisado por lesão de árbitro, bola “vetada”, invasão de quadra e um quase título para o maior de todos os tempos.

Jogando pelo empate para garantir o título da Liga Paulista de Futsal, o Corinthians viu sua fanática torcida lotar o ginásio dentro do Parque São Jorge. E o "sexto jogador" fez seu papel do início ao fim, cantando e vibrando muito, mesmo com seu time atrás no placar na maior parte do jogo.

Jogo, aliás, que antes de começar já teve uma polêmica. Isso porque a bola confeccionada para a final possuía detalhes na cor verde, e como isso traz alguma lembrança do Palmeiras, foi vetado pelo Corinthians.

E mal a bola começou a rolar, o jogo já foi paralisado. Isso porque Douglas, camisa 9 do Corinthians, entrou em uma dividida e caiu sobre o árbitro principal. O responsável pelo apito até tentou retornar, mas voltou a cair, não aguentando as dores em seu joelho.

E sem o juiz, quem apitaria a decisão? Chegou a ser cogitado até mesmo que alguém nas arquibancadas assumisse o apito, o que foi recusado pelo time de Sorocaba. Se esperou então cerca de uma hora para que outro árbitro chegasse ao local e a bola finalmente voltasse a rolar.

Em quadra, o Sorocaba jogava tranquilo, bem diferente do time que perdeu o primeiro confronto dentro de casa. Ainda no primeiro tempo, o time visitante já vencia por 4 a 1, com direito a um gol de Falcão, após tabela com Rodrigo.

A grande vantagem fez com que o time visitante adotasse outra postura, mais recuado e também desse um descanso a seus principais jogadores. Final de jogo: 5 a 3 e prorrogação, com o Corinthians jogando pelo empate nos dez minutos finais.

E o grande astro só foi à quadra no final da prorrogação. E como goleiro linha. De lá, ele viu seus companheiros perderem duas chances claras nos últimos instantes. E não deu. No lugar onde tudo começou para Falcão, ele teve que se contentar em encerrar a carreira como vice-campeão.

Após o apito final, um susto, já que grande parte dos torcedores invadiram a quadra do Wlamir Marques, obrigando Falcão e todos os outros jogadores a deixarem o local rapidamente.

Depois de alguns instantes, lá estava o agora ex-jogador novamente na quadra, onde viveu certamente algumas das grandes alegrias de sua vitoriosa carreira.

"Eu não esperava fazer uma história tão bacana. Eu era um moleque sonhador pra caramba quando cheguei aqui no Corinthians, em 1992. Passaram mais de 20 anos e eu tenho certeza que deixei o melhor. Orgulho total. Passei até do tempo certo de parar. Fui me adaptando para chegar aos 41 anos jogando em alto nível e terminar em um jogo desses, em que até o árbitro se machucou. E bem onde eu comecei", contou o astro, para depois finalizar: "A história está feita".

E se fica a pergunta de quem será agora o novo “rei” do futsal, ela parece ter sido respondida já nesta quinta-feira. Leandro Lino, camisa 17 do Sorocaba, autor de dois gols no jogo e eleito o melhor jogador da decisão.

"Vai ser difícil ter outra pessoa igual o Falcão. Por tudo o que ele fez na quadra e também fora dela, ele é único. O que eu quero é construir a minha história no esporte e quem sabe, no futuro ser reconhecido por isso", finalizou o atleta.