<
>

'Aqui não tem otário': Presidente do CSA refuta venda do clube a fundo chinês e explica possibilidade de acordo

play
Presidente do CSA revela que fará reunião em Brasília com chineses para definir venda do clube (2:53)

Rafael Tenório já atendeu os representantes dos empresários, mas afirmou que valores ainda não foram determinados (2:53)

Rafael Tenório, presidente do CSA, confirmou ao ESPN.com.br que, de fato, já se reuniu com representantes de um fundo chinês que pretende se associar ao clube alagoano para uma parceria. E foi justamente o termo "parceria" que o dirigente fez questão de enfatizar na entrevista.

Da maneira como o estatuto do clube é desenhado atualmente, o CSA não pode ser vendido - e essa nem é a intenção de Tenório.

"Quem falou em venda e em valores está enganado", garante o dirigente. Segundo Tenório, nas duas reuniões que realizou com os representantes do fundo, dois pontos não foram mencionados: quem são as empresas que compõem o fundo e o valor de uma possível proposta de parceria - e não de aquisição.

"Em 20 dias, teremos uma nova reunião em Brasília, no escritório dos representantes, e haverá mais detalhes", diz o dirigente, refutando que o clube tenha pedido R$ 100 milhões para transferir o controle para os empresários.

"Quem tem que me dizer quanto que investir são eles. E, até agora, não disseram nada", diz.

Por conta dos detalhes que ainda não conhece, Rafael Tenório é bastante cauteloso com relação a um possível acordo.

"Aqui não tem otário. Temos que ver tudo com calma, cada detalhe", diz ele.

"Até porque, caso o acordo não aconteça, não haverá problemas no que diz respeito a honrarmos nosso orçamento", diz o dirigente.

Para iniciar conversar com o CSA, os potenciais investidores pediram uma espécie de radiografia das finanças do clube, segundo explicou o presidente.

"O que levaremos para discussão no conselho é a criação de uma S.A. (sociedade anônima) para que ela seja parceira do fundo chinês ou de outro parceiro que possa vir a nos procurar no futuro", diz o dirigente.

"O clube não pode ser vendido, por ser uma associação. Mas se transformarmos o departamento de futebol em empresa, podemos tentar um movimento nesse sentido, de investimento, não de aquisição", explica. "E isso deve levar tempo", acredita.

Esse foi o movimento feito pelo Botafogo de Ribeirão Preto, por exemplo, em vigor desde 2017.

ARENA

Efetivar uma parceria com o fundo chinês passa pelo desejo do clube de possuir uma arena própria.

"O (estádio) Rei Pelé, atualmente, só comporta 20 mil torcedores. Precisamos de um estádio maior", afirma o presidente, sobre o estádio onde o time manda seus jogos.

"Já dispomos até de um projeto com maquete", revelou o mandatário à reportagem. "Minha filha é arquiteta e começamos a traçar algumas ideias", diz ele.

"Temos cálculos de valor de metro quadrado para o estádio em torno de R$ 837", diz ele. Apenas para efeito de comparação, cada metro quadrado da Arena Corinthians custou R$ 5.185,00.

"É que a gente não vai ter mármore, torneira de ouro, nada disso", ironiza o dirigente.

O mandato de Rafael Tenório como presidente do CSA vai até 31 de dezembro de 2021. Até lá, a meta do dirigente é zerar todos os passivos do clube.

O CSA tem compromisso firmado com o Justiça do Trabalho para quitar todos as dívidas dessa natiureza até 30 de agosto deste ano.