<
>

Sampaoli 'volta no tempo' ao usar esquema do Século XIX no Santos

play
De 'meio Bruce Willis, meio Tarzan' na Argentina às pedaladas em Santos: o carisma de Sampaoli fora de campo (3:48)

O treinador cresceu na cidade de Casilda e desde sempre foi envolvido com o futebol. (3:48)

Depois de vários testes ao longo do Campeonato Paulista, Jorge Sampaoli parece ter encontrado um esquema ideal para o Santos: o 2-3-5, com dois zagueiros, um volante, dois “laterais-volantes” e cinco à frente: dois pela ponta, dois pelo meio e um falso 9.

Em evento da CBF na última segunda-feira, Sampaoli admitiu o tédio pelo futebol atual e revelou o desejo de ver o Santos como no futebol antigo. “Quero que meu time volte no tempo”, disse. E, ao menos na teoria, o clube realmente voltou.

O argentino levou a “pirâmide” a campo pela primeira vez na vitória por 1 a 0 sobre o Corinthians, pela semifinal do Campeonato Paulista, no Pacaembu. O Santos amassou o rival com mais de 70% e 33 finalizações, mas acabou eliminado nos pênaltis. A formação foi repetida nos 3 a 0 sobre o Atlético-GO e 2 a 0 diante do Vasco, na Vila Belmiro, e no primeiro tempo da derrota por 2 a 1 em São Januário.

A pirâmide teve origem no fim do Século XIX, no Reino Unido, em tentativa de organizar o esporte em campo. De acordo com o multicampeão Carlos Alberto Parreira, o esquema 2-3-5 “foi a primeira forma de noção tática registrada por um time. O início da inteligência no futebol”.

A criação do 2-3-5 gera dúvida entre escritores. O jornalista Jonathan Wilson, no livro “A Pirâmide Invertida: A História da Tática no Futebol”, afirma que o primeiro registro ocorreu em março de 1878, com o título do Wheham Football Club na Copa de País de Gales. O técnico húngaro Árpad Csanádi, na obra “Soccer”, relata a primeira pirâmide na Universidade de Cambridge, em 1883.

Independentemente da estreia, o 2-3-5 se disseminou e virou a formação da moda no Século XX, como no título do Uruguai na primeira Copa do Mundo, em 1930. Daí em diante, as variações táticas tiveram início. 3-2-5, depois o 3-5-2, 5-3-2, e assim sucessivamente.

Argentina e Sevilla

Sampaoli surpreendeu os torcedores do seu país ao utilizar o 2-3-5 em um 6 a 0 sobre a seleção de Cingapura, no amistoso em 2017, quando chegou a alcançar 90% de posse de bola.