<
>

Corinthians x Flamengo nas finanças de 2018: compare dinheiro de TV, patrocínio, custo do time e mais

play
Mauro alerta e diz que Flamengo é o clube 'mais ameaçado pela mentira do Estadual': 'Não aproveitou nada do Carioca para se desenvolver' (3:25)

Fla visita a LDU na quarta-feira em busca de classificação na Libertadores (3:25)

Campeões estaduais no final de semana, Corinthians e Flamengo já publicaram em seus sites oficiais os resultados financeiros de 2018. Os documentos mostram os dois clubes mais populares do país faturando alto, mas os rubro-negros tiveram vantagem e ainda gastaram menos no futebol.

A diferença fica clara nos resultados financeiros que as equipes tiveram: enquanto o Flamengo teve superávit de R$ 45,88 milhões, o Corinthians fechou com déficit de R$ 18,76 milhões.

As receitas cariocas foram superiores em mais de R$ 70 milhões, com R$ 516,78 mi a R$ 446,37 mi. Considerando apenas o futebol, o Flamengo faturou R$ 490,4 mi; e o Corinthians, R$ 438 mi.

A maior fonte dessa entrada de dinheiro, para os dois lados, veio com direitos de transmissão de TV, e o Flamengo recebeu um pouco mais: R$ 222,4 milhões a R$ 197,7 mi. Em patrocínio e publicidade, os rubro-negros abriram vantagem ainda maior: R$ 89,8 milhões a R$ 42,8 mi.

O Corinthians, por sua vez, teve maiores receitas com bilheteria (R$ 60,5 milhões a R$ 44,7 mi), mas esse valor acaba repassado para o fundo que paga a dívida da Arena. O dinheiro que recebeu com venda de jogadores também foi bem superior ao do Fla: R$ 118,8 milhões a R$ 63,7 mi.

Nas despesas com o futebol, os dois clubes ficaram bem próximos, mas o Corinthians gastou um pouco mais: R$ 377,6 milhões a R$ 350,9 milhões. A folha salarial do elenco alvinegro também foi maior que a rubro-negra: R$ 178,5 milhões a R$ 173,9 milhões.

Dentro de campo, em 2018, Corinthians e Flamengo disputaram uma vaga na semifinal da Copa do Brasil, e o time paulista levou a melhor – ficou com o vice-campeonato na decisão. Já no Campeonato Brasileiro, os cariocas acabaram no segundo lugar; e os paulistas, no 13º.