<
>

Cruzeiro bate Atlético-MG, segue invicto no ano e joga por empate para ser campeão mineiro

Na primeira perna da decisão mineira, o Cruzeiro aproveitou o mando de campo, venceu o Atlético-MG por 2 a 1 e agora precisa de um empate para levantar a taça.

No Mineirão, 90% cruzeirense, os gols foram marcados por Marquinhos Gabriel e Léo (Cruzeiro) e Ricardo Oliveira (Atlético-MG).

O Atlético-MG foi comandado por Rodrigo Santana, treinador do sub-20 que assumiu interinamente a posição após a demissão de Levir Culpi.

Segundo regulamento, a equipe com melhor campanha na primeira fase tem a vantagem do empate no placar agregado e de receber a partida de volta. Assim sendo, agora o Atlético joga por qualquer vitória no próximo domingo para ser campeão - entretanto, o Cruzeiro ainda não foi derrotado em 2019.

A decisão foi muito movimentada e pegada, com ambas as equipes criando chances de gol e disputando todas as bolas.

A primeira foi do Atlético-MG, aos 4 minutos, com Fábio espalmando chute de fora da área de Luan, que voltou a assustar os cruzeirenses mais tarde.

Com 9 minutos passados, foi a vez de Victor salvar o Atlético, defendendo chute de Robinho, no meio da grande área.

Com 18 minutos, Cazares sentiu dores e teve que ser substituído, dando lugar a Vinícius.

O Cruzeiro voltou a assustar aos 23 minutos, com Rodriguinho chutando com perigo.

Aos 42, Luan voltou a aparecer para o Atlético, com cabeçada que explodiu no travessão.

A resposta do Cruzeiro veio de modo definitivo: aos 45, Marquinhos Gabriel recebeu de Fred na intermediária, botou na frente pela ala esquerda e bateu. O chute era para ser cruzado, mas desviou em Leonardo Silva, matou Victor e morreu no fundo do gol. 1 a 0.

A segunda etapa começou frenética: já aos 3 minutos, Fred recebeu de Marquinhos Gabriel na grande área e bateu, mas a bola explodiu na zaga.

O Atlético, então, foi com tudo. Com 8 minutos, Ricardo Oliveira bateu dentro da área e Fábio fez grande defesa - na sobra, Vinícius tentou e a bola parou em Henrique.

Dois minutos depois, Ricardo Oliveira venceu a batalha. Chará recebeu na área, pela ponta esquerda, cruzou e Ricardo Oliveira, com a canhota, empatou o jogo.

A resposta do Cruzeiro foi na mesma moeda. Aos 15 minutos, Robinho cobrou escanteio e Dedé desviou de cabeça. A bola sobrou para Léo, que bateu de perna esquerda, caindo, e recolocou os mandantes na frente.

Após um período muito disputado e sem chances, o Cruzeiro voltou a ser mortal. Com 34 minutos, Rafinha e Fred pressionaram Igor Rabello e roubaram a bola. Marquinhos Gabriel bateu da entrada da área e Victor fez um milagre, pegando no ângulo direito.

Após a defesa de Victor, escanteio para o Cruzeiro e Fred balançou as redes. Após muita comemoração, o árbitro Wagner do Nascimento Magalhães foi avisado, se dirigiu à cabine de VAR e anulou o gol por toque de mão.

Aos 45 minutos, o Atlético teve a grande chance de empatar o jogo. Geuvânio, que havia entrado há pouco em campo, fez ótima jogada pela direita e cruzou. Chará bateu com Fábio já fora da jogada, mas a bola foi para fora do gol.

Aos 51, confusão e expulsões. Rafinha, do Cruzeiro, e Adilson, do Atlético, levaram o cartão vermelho e não jogam a partida final.