<
>

Harry Kane quer dominar a Premier League... e a NFL também

Eles não podiam esperar pelas segundas-feiras na Larkswood Primary, no nordeste de Londres, perto da zona rural de Essex. Cinco ou seis clubes locais jogaram na Premier League todos os anos. Após os jogos de cada fim de semana, os meninos iam à escola prontos para discutir qual dos times era o melhor. “Na época, Arsenal e Chelsea eram mais fortes que o Tottenham. Sempre terminavam a temporada em alta... conquistando troféus.”

Em 2003, quando Kane tinha 9 anos, o Arsenal ficou em segundo lugar na Premier League. O Chelsea foi o 4°. Na temporada seguinte, o Arsenal conquistou o título, com o Chelsea em segundo. A dobradinha se repetiu na outra temporada, mas com o Chelsea conquistando o lugar mais alto na tabela.

Tottenham? Para encontrar, vai ter que olhar para baixo. Mais abaixo, depois do Fulham, depois do Charlton Athletic e se você nunca ouviu falar de Charlton Athletic, bem ... esse é o ponto. Ambos os clubes de Londres terminaram antes do Tottenham em 2003, e não foi uma algo absurdo na época. Na temporada seguinte, eles fizeram isso de novo. Ainda assim, Kane permaneceu firme, mesmo quando ele jogou brevemente na base do Arsenal.

Liverpool x Tottenham, pela Premier League, tem transmissão da ESPN Brasil e WatchESPN a partir das 12h15 (de Brasília) de domingo

Não poderia ter sido fácil. Ano após ano, durante toda a infância de Kane, os Spurs foram como “mais um jogo” no calendário. Nada de especial. E olha que alguns dos melhores jogadores ingleses passaram por White Hart Lane - Paul Gascoigne e Gary Lineker, Teddy Sheringham e até o alemão Jurgen Klinsmann - mas nenhum permaneceu tempo suficiente para ajudar o time de Londres a conquistar a Premier League ou, ao menos, chegar perto. "As pessoas esquecem que, não muito tempo atrás, não estávamos nem perto desse nível", disse Kane, sentado em um sofá no centro de treinamento do Tottenham.

Ele é o maior artilheiro dos Spurs há quatro temporadas, coincidindo com a melhor série de resultados do Tottenham em quase meio século: terceiro, segundo e terceiro nas últimas três edições. E olha que eles não ficavam em segundo desde os anos 60. Até uma memorável vitória por 3 a 1 na temporada passada, o Tottenham não vencia no Chelsea desde que a Premier League ainda era chamada de Primeira Divisão, o dia em que Nelson Mandela foi libertado da prisão em 1990. E até a temporada anterior, eles não terminavam na frente do Arsenal desde 1995, quando Kane tinha um ano de idade. Eles também se classificaram para a Champions League por três anos seguidos. Você não pode colocar todos esses terços em uma vitrine, mas eles serviriam Kane bem no Larkswood. "É claro que queremos dar o próximo passo e vencer a Premier League, ganhar troféus", afirmou. "Mas só vencer aqueles times que sempre estiveram acima de nós já mostra que estamos em um bom lugar.”

A ascensão de Kane foi igualmente dramática. Quando Mauricio Pochettino assumiu o posto de técnico em 2014, Kane estava ficando esquecido. Um atacante grandalhão que já havia saído em quatro empréstimos. Hoje? Ele é duas vezes artilheiro da Premier League, capitão da Inglaterra e até membro do Império Britânico, como ordenado pela rainha. Seu preço é de de 175 milhões de dólares segundo o Transfermarkt, um site que acompanha essas avaliações, e classificado como o melhor atacante do mundo pelo ESPN FC. "Ele superou as expectativas de todos", diz Roy Hodgson, agora no Crystal Palace, que foi o primeiro técnico a convocar Kane para o English Team.

Pochettino, antes de Liverpool x Tottenham: 'A motivação é mudar a dinâmica dos nossos resultados'

Melhorando a cada temporada, Kane tem puxado sua equipe para o topo com ele. Em meados de fevereiro, os Spurs estavam perto do primeiro colocado, apenas cinco pontos atrás. Então eles foram para o Chelsea e os anos 90 entraram em campo. Se eles tivessem permitido apenas o primeiro gol, um erro raro do goleiro Hugo Lloris, a derrota seria “superável”. Mas no final do jogo, o lateral Kieran Trippier recuou para Lloris, que não estava atento...

"Tottenham Hotspur", cantaram os torcedores do Chelsea, "aconteceu de novo".

Se você acompanha a Premier League, você sabe que isso não é justo. Um dos clubes que o Tottenham vem perseguindo, o Manchester City é, talvez, o mais rico do mundo. O outro, Liverpool, comprou quatro jogadores por quase 200 milhões de dólares durante a janela de transferências do último verão. Nesse mesmo período, os Spurs estabeleceram um recorde da Premier League que não será quebrado: "Somos terceiros e não investimos nas duas últimas janelas de transferências", disse Pochettino.

Muito disso é devido ao investimento no novo estádio que o proprietário dos Spurs, Daniel Levy, financiou no norte de Londres, ao lado de onde o White Hart Lane ficou por mais de um século. "Eu sei muito bem com o que estamos trabalhando. Mas as pessoas podem não entender. Eles querem nos julgar como um outro time, como o Arsenal ou o City ou o Liverpool ou o Manchester United." Antes que possa mudar o que os outros pensam dos Spurs, diz Pochettino, ele precisa mudar o que eles pensam de si mesmos. Fazer isso, ele insiste, é "ainda mais importante" do que ganhar um título.

Até agora, pelo menos, ele tem convenceu Harry Kane "Eu sempre disse que enquanto o clube está se movendo na direção certa e mostrando a ambição certa, eu quero fazer parte da jornada", diz Kane. Mas ele completa 26 anos em julho e também está entre os mais ambiciosos. Ele tem sido paciente desde a escola primária, mas nem mesmo ele sabe quanto tempo ainda pode esperar.

Há jogadores que te fazem perder o fôlego quando você os assiste, os que correm pelo campo como cavalos selvagens. E há Harry Kane. Ele corre meio que tropeçando. Como se algo ou alguém estivesse empurrando-o. Alto e desengonçado, ele se mistura com um grupo de defensores e é sempre surpreendente vê-lo saindo do outro lado. Ele não está tendo uma tarde daquelas espetaculares... até que – uau! – ele faz um gol de cabeça e outro com o pé direito. Ponto final, fim de brincadeira. Vitória do Tottenham com show de Kane.

Até recentemente, ninguém sabia o que fazer com Kane. Ele foi cortado da base do Arsenal como garoto porque era "gordinho e não muito atlético", revelou o diretor de longa data do clube a um jornal italiano. Vários clubes também erraram com Kane. Depois de um ano desperdiçado no Watford, ele foi para os juniores do Tottenham, lugar onde sempre quis estar. Ninguém lá parecia pensar que Kane tinha um futuro, exceto o próprio Kane. "Meu objetivo sempre foi os Spurs", diz ele. "Sempre foi jogar pelos Spurs na Premier League. E a partir do momento em que eu tinha 14 ou 15 anos e comecei a melhorar, percebi que era um objetivo que eu realmente poderia alcançar. Em alguns momentos, parecia improvável, mas nunca perdi a minha mentalidade.”

Pochettino, antes de Liverpool x Tottenham: 'A motivação é mudar a dinâmica dos nossos resultados'

"Ele encaixaria perfeitamente no Real Madrid se resolvesse sair do Tottenham. Ele é o tipo de jogador para o Real Madrid" Tim Sherwood, sobre o futuro de Kane

Vários jogadores de diversos times são tratados como commodities. Bajulados por fãs, preterido por treinadores. Os outros preenchem o espaço ao redor deles. Em todos os níveis, Kane parecia ser apenas bom o suficiente. “Se ele parecia um capitão da seleção inglesa e um dos melhores do mundo? Claro que não,” diz Russell Slade, que administrou o Leyton Orient em 2011, durante a passagem de cinco meses de Kane, jogando na terceira divisão do Campeonato Inglês. "Ele era muito magro, desengonçado, grandalhão e com 17 anos de idade. Ele era rápido? Não realmente. Mas maximizou tudo o que tinha. E ele tinha esse grande apetite para fazer a diferença. Ele acreditava que poderia fazer a diferença."

Naquela época, Kane já havia aprendido a cultivar sua maior habilidade, que é encontrar espaço para marcar. De alguma forma, em meio a uma série de defensores, ele criará espaço suficiente para receber um passe. "Ele só precisa de meio metro para achar um chute", diz Jordan Pickford, o goleiro do Everton, que joga com Kane na seleção da Inglaterra. "E quando ele se vira de costas, sabe onde está o gol. A cada dez vezes, em nove o chute irá no alvo. Pergunte a qualquer defensor - ele é muito, muito difícil de marcar."

Kane mostrou um excelente futebol no Milwall, na temporada seguinte. Em 14 jogos, ele marcou sete gols e não seria exagero dizer que salvou o time do rebaixamento. Ainda assim, isso não foi suficiente para o Tottenham pedir sua reintegração. No início da temporada 2012-13, ele foi emprestado para o Norwich. Em janeiro seguinte, ele foi para o Leicester. Ao longo do caminho, André Villas-Boas assumiu o comando dos Spurs, mas isso pouco importou.

Kane estava emprestado para algum dos tantos lugares em que ele jogou. Ele nem se lembra onde estava quando tomou conhecimento de Tom Brady.

"Comecei a assisti-lo no YouTube", disse Kane. Quando se deparou com um documentário sobre o quarterback, ele também viu o vídeo. "Nós tivemos um caminho semelhante. Ambos fomos duvidados quando jovens, e ambos, talvez, não fôssemos os melhores atletas quando jovens." Kane viu em Tom Brady uma versão mais jovem de si mesmo, que não aceitaria a palavra não de ninguém. "Foi uma grande inspiração", acrescentou. "Muitas pessoas não pensaram que ele se tornaria tão bom, ou que até mesmo jogaria na NFL, e ele se tornou o melhor de todos. Na época, me deu um impulso real para dizer, olhe, tudo é possível. Se você tiver essa autoconfiança e essa fome, você pode fazer isso ".

Enquanto Brady estava ganhando Super Bowls, Kane jogou em seu primeiro jogo na Premier League pelos Spurs contra o Newcastle em agosto de 2012. Ele havia feito o que tinha decidido fazer; então ele começou a fazer isso toda semana. "Ele nunca sentiu que tinha um teto", diz Tim Sherwood, que trabalhou como assistente do Tottenham. "Ele ainda não faz como os Lionel ‘Messis’ e Cristiano ‘Ronaldos’ do mundo. Mas ele se vê naquele nível." Quando Villas-Boas foi demitido pelo Tottenham, Sherwood se tornou o técnico para o resto da temporada 2013-14, enquanto os Spurs cortejou Pochettino. Ele deu a Kane a chance de jogar. "Como saberíamos que Frank Sinatra era um bom cantor até ele cantar no palco?" Sherwood perguntou.

Naquele 7 de abril, Sherwood escalou Kane de titular contra o Sunderland. Kane marcou. Sherwood o escalou no próximo jogo, contra o West Bromwich Albion. Kane marcou. Ele também foi escalado contra o Fulham. Ele também marcou.

Sherwood havia encontrado seu Sinatra.

Quando Pochettino chegou no verão de 2014, ele herdou dois atacantes caros: Roberto Soldado e Emmanuel Adebayor. Não demorou muito para ele perceber que Kane seria sua peça central. "Ele estava melhorando e crescendo", diz Pochettino. "Não conseguíamos pará-lo. No momento em que começamos a trabalhar com ele, ele estava aberto para aprender e melhorar. Tivemos que dar a ele o espaço para mostrar sua qualidade e começar a jogar, e ele começou a marcar gols.”

Desde então, suas vidas foram interligadas. "A jornada nos Spurs realmente começou para mim e para ele [Pochettino] ao mesmo tempo", diz Kane. A presença de Kane, que assinou uma extensão de contrato de seis anos em 2017, fortaleceu Pochettino contra os avanços de outros clubes, incluindo o Real Madrid. Pochettino também foi sondado por grandes equipes do futebol europeu. Vê-lo se comprometendo com os Spurs até 2023 ajuda Kane a manter a fé. "Nós dois queremos as mesmas coisas", diz Kane. "Nós dois queremos duas coisas: melhorar e trabalhar". Mas então ele se sente obrigado a acrescentar: "Só teremos que ver o que acontece nesta temporada... e aí pensamos mais para frente.”

Não há dúvida que Kane é conhecido pelos gols que marca. Ele, inclusive, marcou seis na Copa do Mundo da Rússia e terminou como artilheiro da competição. Sob Pochettino, ele marcou 143 gols na Premier League e competições internacinoais, mais de um terço do total da equipe.

Hoje em dia, os jogadores dos Spurs confirmarão que Kane é melhor jogador da equipe. "Preste atenção quando ele sair da área em direção ao meio, como ele prende esses defensores", diz Craig Burley, ex-jogador do Chelsea e comentarista da ESPN. "Ele tem a qualidade e o cérebro para atuar em diferentes áreas do campo", acrescenta Jan Vertonghen, que viu Kane evoluir desde que se juntou aos Spurs em 2012. Ainda assim, Vertonghen prefere vê-lo jogando dentro da área, porque é de lá que saem os gols. Se Kane estiver lá, a bola vai ser colocada para dentro, sobre isso não há duvida.

O prazer de Kane em superar as expectativas pode levá-lo ainda mais longe. Quando ele terminar de jogar esse futebol, talvez possamos ver o inglês em outro tipo de futebol...

Ele gosta dos Estados Unidos, e sua obsessão por Tom Brady levou a um fascínio por todas as coisas da NFL. Fora do Tottenham por um problema no tornozelo, ele voou para Atlanta para assistir os Patriots ganharem o Super Bowl. Então Brady o convidou para a festa da equipe. "Nós meio que nos tornamos amigos, mas nunca nos conhecemos", diz Kane. "Foi um pouco estranho. Eu não era fã de nenhum time desde que conheci o Tottenham.”

Com Lucas Moura como 'artilheiro', elenco do Tottenham se diverte em 'desafio no Fifa'

Kane está convencido de que seu talento de colocar a bola onde quiser pode ser transferido para outro tipo de bola, como foi para o atacante ex-Tottenham Clive Allen na NFL Europa. “Isso é real,” ele insiste. “É algo que em 10 ou 12 anos eu quero tentar, sim”. Não seria pela fama, nem pelo dinheiro. Um contrato de kicker na NFL pagaria para Kane apenas uma pequena fração do que ele poderia ganhar na China ou em Dubai. “Volta para aquela vontade de ser o melhor,” diz Kane. “Mesmo se eu fizer um download de jogo no celular, eu vou querer ser o melhor do mundo”. Ele finaliza com um pensamento polêmico e intrigante: “Se você já jogou na Premier League, na Copa do Mundo e na NFL, você não seria o maior atleta da história?”

Ele está falando sério, mas não encomende uma camisa de NFL com o nome de Harry Kane ainda. Pochettino gosta de dizer aos seus jogadores que o futebol te leva para onde ele quiser. É a maneira dele de lembrá-los de não fazer grandes planos, de viver o momento, porque a vida os surpreenderá. "O futebol é tão dinâmico", diz ele. Talvez o Tottenham vença a Champions League nesta temporada, e então Kane se tornará o Cristiano Ronaldo do Tottenham, seu Beckenbauer e seu Iniesta. Ou talvez seja eliminado nas quartas-de-final, fique atrás do Arsenal e do Chelsea na Premier League.

Se isso acontecer, Kane e Pochettino recusariam o Real Madrid?

"Você não pode lutar contra o seu destino", diz Pochettino, respondendo sobre o futuro de Kane. O que isso significa, ele não tem ideia. Mas ele quer mostrar que não é uma questão de lógica ou mesmo de livre arbítrio, então as previsões são tolas. Ele para por um momento para consultar Jesus Perez, seu assistente, para obter a tradução de um provérbio argentino. Finalmente, ele nos presenteia com: "Você pode tentar", diz ele. "Mas você não pode bloquear o sol com as mãos."