<
>

Veja os detalhes e novas fotos da reforma da Vila Belmiro

A reforma da Vila Belmiro está na reta final depois do início das obras no dia 20 de janeiro. A Gazeta Esportiva traz novas fotos e detalhes das melhorias feitas no estádio do Santos, tópico a tópico.

A reinauguração, como antecipado pela reportagem, será no dia 11 de abril, em duelo contra o Atlético-GO, pela terceira fase da Copa do Brasil. As melhorias custarão, ao todo, cerca de R$ 2 milhões.

Iluminação

A CBF exige 800 lux para 2019, 1500 lux para 2020 e 2500 para 2021. No Santos, um laudo recente atestava 600 lux, abaixo do mínimo e com motivo para não poder atuar na Vila Belmiro.

O Peixe iniciou um projeto para troca de toda a iluminação para LED, já adequando para o necessário em 2021, mas o investimento seria de R$ 3,5 milhões, fora da atualidade financeira atual.

O Santos, então, deu um jeito. O clube utilizou mão de obra própria para desmontar os refletores, trocar todas as lâmpadas e limpar os vidros ofuscados por branco com um produto especial. A medida deu certo e um novo teste homologado pela confederação atestou 1000 lux. O gasto foi de R$ 70 mil.

Problemas estruturais

Duas áreas de risco também incentivaram a reforma. A marquise em cima do setor social foi a grande preocupação. Manchas no reboco indicavam infiltração. Se não houvesse intervenção, a situação se agravaria. Foi contratada uma empresa especialista em patologia de concreto para recuperar o espaço.

Outra necessidade de correção estava na cobertura metálica acima dos camarotes do quarto andar. Pela altura, qualquer queda poderia acarretar em algo grave.

“Limpeza” atrás do gol

O setor para cadeirantes e também utilizado por fotógrafos se localizava dentro do gramado, atrás do gol do placar eletrônico. Havia ainda uma parte para a Federação Paulista de Futebol.

Toda essa área foi retirada e dois novos espaços – para cadeirantes e imprensa -, foram criados nos camarotes térreos. Assim, atletas têm mais espaço para aquecer, imprensa se acomoda melhor, imagem da televisão fica mais limpa e torcedor vê diretamente o campo atrás do vidro.

Clima de jogo

Ao chegar ao estádio pelos portões 1/2 ou 7/8, os torcedores se deparavam com paredes. Agora, das catracas, já é possível ver o gramado por meio de portões vazados.

Alçapão

O Santos retirou os alambrados e rebaixou os vídeos para aproximar o torcedor do gramado e estar mais perto do que ocorre nas principais arenas do Brasil e do mundo.

A altura é mais ou menos de 1,60 m para todo o campo. Os próprios vidros foram reutilizados e colocados “para dentro” da mureta, não acima, como era antes.

A diretoria pensou em retirar completamente os vidros, mas achou radical nesse primeiro momento. Numa segunda fase de obras, a ideia pode ser aplicada. Para agora, não ter fosso e alambrado já é considerado um grande avanço.

Gramado

O campo passou por uma intervenção em dezembro, mas muitas manchas de coloração diferente apareceram – uma espécie de mosaico. O Santos aproveitou a pausa nas atividades da Vila para recortar as placas com o replantio. Depois do nivelamento com areia, a grama estará em perfeitas condições para o jogo do dia 11 de abril.

Lanchonete e banheiros

As lanchonetes da Vila Belmiro terão um novo responsável a partir do dia 11, após uma licitação. O serviço era alvo de muitas críticas do torcedor.

No quarto andar, havia banheiro ao lado da lanchonete. Agora os espaços foram separados. A tubulação acima do espaço para alimentação também foi removida.

Os banheiros seguem da mesma forma, mas o Santos promete reformá-los aos poucos, em melhorias a serem feitas com a Vila Belmiro em funcionamento, sem a necessidade de novas paralisações.

Câmeras de televisão

José Carlos Peres abriu mão de parte do camarote da presidência para abrigar as câmeras de televisão. Antes os cinegrafistas ficavam numa espécie de gaiola acima do setor das sociais. Havia perigo para subir ao local, atrapalhava outros jornalistas e prejudicava a questão estética do estádio.

Retrofit

Outras ideias para a Vila Belmiro só serão feitas numa “segunda fase” e dependem do tão sonhado retrofit. O presidente José Carlos Peres foi à Ásia atrás de investidores para uma reforma mais ampla do estádio.

A ideia é melhorar ainda mais a Vila sem precisar mandar jogos no Pacaembu por causa de reforma. As obras essenciais já foram realizadas.

O Peixe busca um novo centro de treinamento para tirar o alojamento das categorias de base e do futebol feminino do estádio. A quadra de futsal também será demolida, já que não tem o mínimo exigido para competições, e será utilizada como estacionamento. O Alvinegro negocia uma parceria com o Portuários para treinamentos da categoria.

No projeto do retrofit, vestiário, sala de imprensa, ambulatório, almoxarifado e refeitório sairiam debaixo da arquibancada do placar para aumentar o espaço para torcedores. Há também o esboço da instalação do maior placar eletrônico do país.

Por fim, o sonho inclui a retirada de funcionalidades hoje presentes na Vila Belmiro, como salão de mármore, secretaria social e Memorial das Conquistas. Há o pensamento de levar parte dos setores para o Museu Pelé, no centro da cidade, e aumentar a área técnica, com vestiário, zona mista e entrada das equipes pelo centro do gramado, sem a necessidade de estacionar o ônibus na rua.