<
>

De Ronaldo a Richarlison: relembre brasileiros que, assim como Militão, decolaram rapidamente na Europa

Fim de julho de 2018. Éder Militão é vendido do São Paulo ao Porto por 7 milhões de euros.

Março de 2019. Um dos destaques do time português e convocado para a seleção brasileira, o zagueiro/lateral direito é anunciado como novo reforço do Real Madrid em um negócio de 50 milhões de euros.

Em menos de um ano na Europa, o atleta de 21 anos viu sua carreira decolar de forma impressionante. Com isso, o ESPN.com.br listou casos similares com outros jogadores brasileiros. Confira:

Richarlison

Em alta no Fluminense, o atacante foi vendido ao Watford no meio de 2017 por 12,4 milhões de euros. Ele começou com tudo e marcou três vezes em seus dois primeiros jogos na Premier League. Nem mesmo um cartão vermelho direto na terceira partida freou o embalo do jogador, que seguiu como titular toda a temporada e terminou o Inglês com 11 gols, chamando atenção do Everton que pagou 39,2 milhões de euros pelo atleta de 21 anos no meio de 2018.

Rivaldo

Depois de ter brilhado em um emblemático Palmeiras dos anos 90, Rivaldo viveu sua primeira experiência na Europa ao acertar com o Deportivo La Coruña na temporada 1996-97. Com 21 gols, o atacante foi o quarto maior artilheiro daquela edição do Campeonato Espanhol e chamou atenção do Barcelona, que o comprou na sequência.

Ronaldo

Depois de ser campeão da Copa do Mundo 1994, o atacante deixou o Cruzeiro e foi para o PSV Eindhoven. Ele chegou na Holanda antes de completar 18 anos, mas nada que intimidasse o jovem atacante.

Na primeira temporada, 30 gols e artilharia do Campeonato Holandês. Na segunda, ele somou 13 partidas e 12 tentos na Eredivisie e conseguiria muito mais, não tivesse passado por sua primeira cirurgia no joelho em fevereiro de 1996. Isso, porém, esteve longe de ofuscar o excelente trabalho do Fenômeno, que foi vendido ao Barcelona em 1997.

Casemiro

A situação do volante foi um pouco diferente, mas também não deixou de representar um crescimento impressionantemente rápido. Contratado por empréstimo pelo Real Madrid no começo de 2013, o atleta ficou no time B por seis meses e fez apenas uma partida pelo time principal, o suficiente para o clube espanhol exercer a opção de compra e pagar 6 milhões de euros ao São Paulo.

Reserva utilizado na temporada 2013-14, ele foi emprestado ao Porto, clube no qual obteve muito destaque, a ponto de fazer o Real Madrid desembolsar 7,5 milhões de euros para evitar que os portugueses exerceram a cláusula de compra de 15 milhões de euros. Desde então, o meio-campista virou um pilar no time merengue, sendo importante na conquista do tricampeonato da Uefa Champions League.

Júlio Baptista

Contratado pelo Sevilla junto ao São Paulo em 2003, o meia-atacante logo brilhou. Em LaLiga 2003-04, ele anotou 20 gols e foi vice-artilheiro da competição, atrás apenas de Ronaldo, que marcou 24 vezes.

Na campanha seguinte, foram mais 18 gols no Espanhol, além de cinco na Copa da Uefa. O grande desempenho chamou atenção do Real Madrid, que contratou o atleta por 20 milhões de euros no meio de 2015.

Zé Elias

O ex-volante do Corinthians - que atuou com Valdo, pai de Éder Militão, na base do clube alvinegro – brilhou no futebol nacional, antes de ser negociado com o Bayer Leverkusen no meio de 1996. Em um ano, o meio-campista foi uma peça importante da equipe que foi vice-campeã alemã. Na sequência, foi contratado pela Inter de Milão com grande prestígio.

Roberto Carlos

Assim como Rivaldo, o lateral esquerdo teve sua primeira aventura na Europa em 1995, logo após um período de sucesso no Palmeiras. O atleta acertou com a Inter de Milão e até não conseguiu o sucesso esperado, em boa parte por ter sido escalado pelo técnico Roy Hodgson como atacante. Ainda assim, conseguiu fazer sete gols em 34 partidas e foi negociado no ano seguinte com o Real Madrid, no qual se tornaria um dos maiores ídolos da história.