<
>

Ex-Santos deu camisa que Neymar usou em jogo do 1º gol para amigo e brinca: 'Hoje vale milhões, dá até depressão quando penso'

“Neymar e eu tínhamos jogado juntos na base do Santos e éramos amigos de longa data. Durante o jogo, eu pedi a camisa para ele. Eu nem pretendia dar a minha, porque time pequeno, você sabe como é (risos). Ele falou: ‘Tá bom, então me dá a sua também que vou dar para o meu pai’. Eu respondi: ‘Caramba. Então, toma a minha aí também’. E assim foi feito”.

O zagueiro Anderson Conceição lembra bem daquela noite de 15 de março de 2009, há exatamente dez anos, no estádio do Pacaembu.

Ele jogava pelo Mogi Mirim, que foi derrotado por 3 a 0 pelo Santos, em jogo válido pela 14ª rodada do Campeonato Paulista.

Neymar, que oito dias antes havia feito sua estreia profissional, fez o terceiro gol daquela partida.

Aos 28 minutos do segundo tempo, ele completou de peixinho para o fundo das redes um cruzamento de Roni em jogada que começou com o meia Molina.

Na comemoração, Neymar deu um soco no ar, imitando o gesto imortalizado pelo maior ídolo santista: Pelé.

Ao final do jogo, o zagueiro levou para casa uma das camisas 7 – o mesmo número utilizado pelo ídolo Robinho - que o futuro astro vestiu.

Mas não por muito tempo.

“Foi legal porque a gente imaginou que ele ia ser esse craque que é hoje. Mas você acredita que eu dei essa camisa embora? No final daquele ano, eu acabei dando de presente para um amigo meu [José Mário Oliveira] que é santista de infância, da cidade onde eu morava [Nova Viçosa-BA]. Imagina se fosse para uma outra pessoa ou um inimigo? (risos)”.

“Na inocência, eu pensei: ‘Depois eu consigo outra’. Só então que eu me toquei que era a camisa do jogo do primeiro gol dele como profissional. Até hoje minha mulher só falta me matar porque eu fiz isso (risos)”, relata.

Além da reprovação dos familiares, Anderson é obrigado a lidar também com as brincadeiras dos amigos.

“O cara guarda a camisa com sete cadeados, uma grade... (risos). Quando eu conto para as pessoas que dei a camisa do Neymar todo mundo fala: ‘Você tá de sacanagem, essa camisa vale milhões (risos)’. Quando eu lembro que dei essa camisa, chega a me dar uma depressão”, brinca o defensor de 30 anos.

Anderson, que joga atualmente no Umm-Salal (do Catar), ainda sonha em retomar um dos objetos mais cobiçados do futebol atual.

“Já ofereceram uma grana gigante, mas ele não vende. Eu estive com Neymar no mês passado. O PSG veio treinar no Catar por uma semana e fui vê-lo. E aí pensei: ‘Preciso dessa camisa de volta. Ela é uma relíquia’. Vou tentar oferecer uma do Brasil para pegar de volta”, “prometeu” o zagueiro.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 3 X 0 MOGI MIRIM

Local: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data e hora: 15/3/2009, às 19h10
Árbitro: Márcio Roberto Soares
Público: 13.703 pagantes

Cartões amarelos: Bolaños (SAN); Neguette, Luiz Henrique e Giovanni (MOG)
Cartões vermelhos: -
Gols: Ganso, aos 12'/2ºT; Roni, aos 23'/2ºT; Neymar, aos 27'/2ºT

SANTOS: Fabio Costa; Luizinho, Fabão, Fabiano Eller e Triguinho; Germano, Pará, Paulo Henrique Ganso (Molina) e Lúcio Flávio; Neymar (Bolaños) e Roni (André). Técnico: Vágner Mancini.

MOGI MIRIM: Marcelo Cruz; Anderson Conceição, Thiago Couto (William), Negueti e Julio César; Luiz Henrique, Luciano Silva, Joelson (Rick) e Giovanni; Marcelo Régis (André Luís) e João Sales. Técnico: Paulo Campos