<
>

Arsenal derruba Manchester United, quebra encanto de Solskjaer na Premier League e encerra invencibilidade de 12 jogos

O Arsenal recebeu o Manchester United no campeonato à parte que disputa também com o Tottenham e Chelsea por uma vaga na próxima edição da Uefa Champions League.

E, jogando bem, com inteligência, venceu a partida e encerrou uma invencibilidade do técnico Solskjaer no comando dos Red Devils: 2 a 0.

Pela Premier League, eram 12 jogos de invencibilidade desde o revés por 3 a 1 para o Liverpool em, 16 de dezembro - último jogo sob o comando de José Mourinho. Desde então, dez vitórias e dois empates.

Nos últimos 17 jogos, contando todas as competições, o time havia sofrido apenas uma derrota, 2 a 0 para o PSG, em 12 de fevereiro, em Manchester, pela Champions - no mais, foram 4 triunfos e dois empates.

Já o Arsenal chega à marca de 14 jogos sem perder em casa, como nove vitórias seguidas em seus domínios.

Com o resultado, o Arsenal chega a 60 pontos e fica a um ponto do Tottenham e abre dois de vantagem para o United, que tem 58. O Chelsea, que empatou com o Wolverhampton, fica com 57.

O primeiro tempo foi ótimo, com os dois times buscando jogar ofensivamente e se revezando bem à frente. Tanto que a posse de bola ficou quase dividida meio a meio na etapa inicial.

Quando Xhaka abriu o placar, aos 12, o United já tinha acertado a trave com Lukaku, aos 9. Três minutos depois, Xhaka bateu até de modo despretensioso, de longe.

Nas redes sociais, as opiniões variavam entre exaltar o mérito do chute do suíço, que de fato pegou muito efeito, e a crítica a De Gea. O fato é que o espanhol foi pego no contrapé.

O chute de esquerda saiu fraco, mas pegou uma curva no meio da caminho e entrou no lado direito da meta, enquanto De Gea já se movia para sua esquerda.

O gol não impediu o time da casa de seguir atacando - muito menos, o United de seguir martelando para buscar o empate. Aos 19, o brasileiro Fred mandou no pé da trave esquerda de Leno.

E, aos 36, veio a melhor chance da equipe de Manchester. Mais uma vez, Leno, corajoso, ao se jogar aos pés de Lukaku e bloquear o chute, impediu o empate.

No segundo tempo, o Manchester United começou o jogo com uma postura mais agressiva, em especial no que diz respeito à ocupação do campo ofensivo e sua marcação na retormada de bola. E passou a dominar o jogo.

Aos 10, a enfiada de Rashford para mais uma conclusão de Lukaku defendida por Leno, da risca da pequena área, foi primorosa.

Até os 15 da primeira etapa, o time da casa somava zero conclusão a gol no 2º tempo contra cinco dos visitantes.

Cansado de tanto sufoco, a equipe londrina começou a tentar um pouco de respiro com a posse da bola. E, aos 22, conseguiu um pênalti, com Lacazete.

Houve, de fato, o contato do brasileiro Fred com o francês, que invadia a área pela direita. Mas o francês deixou-se desabar na área e convenceu o juiz, que apontou a marca da cal. Na cobrança, Aubameyang bateu com categoria e converteu, fazendo seu 17º na Premer League.

O gol animou o Arsenal e fez murchar o time de Solskjaer, que perde o ímpeto, permitido que o Arsenal passasse a controlar mais o jogo, mesmo coma entrada de Martial no lugar de Dalot pelo lado dos Devils.

A vitória era mesmo do time da casa.