<
>

Real Madrid x Barcelona: O que aprendemos com a semana de dois El Clásicos

Dois El Clásicos no Santiago Bernabéu, duas vitórias do Barcelona sobre o arquirrival Real Madrid.

Uma semana que ficará marcada - para o bem e para o mal.

Monstros surgem, mitos caem, e os dois poderosos clubes da Espanha podem tirar lições (e também colocar algumas dúvidas) desses dias tão intensos.

Veja abaixo:

Messi sem a competição de Cristiano Ronaldo: ‘sou eu assim sem você’

Lionel Messi teve duas oportunidades para marcar pela primeira vez contra o Real Madrid em 2018-19; além disso, também teve a chance de fazer um gol inédito diante do rival em jogos da Copa do Rei. Ele não conseguiu nem uma, nem outra. Além disso, teve atuações discretas em ambos os jogos.

Aqui não se discute o nível do craque – que o diga os torcedores do Sevilla. Porém, é fato que ele teve uma temporada discreta contra o Real Madrid. A última campanha que tinha passado em branco diante do rival havia sido em 2015-16. Seria isso a falta de uma competição individual? Seria saudades de Cristiano Ronaldo?

Vinícius Jr está ficando pronto?

O atacante caiu nas graças dos torcedores desde que passou a atuar pelo time principal, e ele não se intimidou nos clássicos com o Barcelona. Chamou a responsabilidade e foi muito participativo, sobretudo no jogo da Copa do Rei. Porém, as falhas nas finalizações lembram que ele ainda não está pronto para um cargo tão grande quanto o de protagonista do Real Madrid.

De qualquer forma, apesar das derrotas e das chances desperdiçadas, Vinicius sai muito valorizado, e sua titularidade não tem motivos para ser questionada, ainda mais em um time que vive um período tão negativo.

Bernabéu não mete medo no Barça

Nos últimos 270 minutos (três partidas) que Real Madrid e Barcelona disputaram no Santiago Bernabéu, os catalães têm um placar agregado de 7 a 0 – antes dos dois jogos nos últimos dias, os blaugranas tinham feito 3 a 0 em LaLiga 2017-18. É bem verdade que o time da casa fez um excelente primeiro tempo na quarta feira e não fez uma má atuação neste sábado, mas isso não muda o fato de que o Barça se sente à vontade no estádio madrilenho.

Os dias de Marcelo estão contados no Real?

Marcelo iniciou a temporada como o melhor lateral esquerdo do mundo e hoje se encontra no banco. Sua queda de rendimento foi tão acentuada – ao menos na visão do técnico Santiago Solari – que ele ficou no banco de reservas em ambos os clássicos para o Barcelona. De quebra, Sergio Reguilón, de 22 anos, fez uma grande partida na quarta-feira e parece cada vez mais à frente do brasileiro.

Fim da linha para Bale?

Marcelo pode estar na reserva atualmente, mas nem por isso sua situação é pior que a de Bale. O galês, que também perdeu espaço, foi titular neste sábado, mas teve atuação apagada e acabou substituído sob vaias. Nos últimos dias, notícias na imprensa espanhola deram conta de que o meia-atacante havia se incomodado com Marcelo e que tinha ‘rachado’ o vestiário. O camisa 11 também teria ficado insatisfeito por não ter sido permitido a ver golfe por conta de uma partida do Real em que começou no banco.

Vale lembrar que no último domingo Bale já tinha se recusado a comemorar o gol que marcou contra o Levante e, inclusive, ‘ignorou’ Lucas Vázquez naquele momento.

O que falta a Coutinho?

Philippe Coutinho limitou-se a cerca de 30 minutos em campo no total nos dois jogos no Santiago Bernabéu. Seu papel ficou ainda mais reduzido no Barcelona, seguindo atrás de Ousmane Dembélé, que teve atuação decisiva na vitória por 3 a 0 pela Copa do Rei.

Courtois passou o bastão para Ter Stegen?

Para muitos, Thibaut Courtois é/era/tem sido o melhor goleiro do mundo – ou ao menos está na prateleira mais alta; Marc-André ter Stegen sempre foi a sombra de Manuel Neuer e o natural substituto do goleiro do Bayern de Munique na seleção alemã. No caso do belga, o presente virou passado; no do alemão, o futuro virou presente. Ter Stegen foi muito bem no 3 a 0 e trabalhou pouco no 1 a 0, mas sua temporada é excelente e já o coloca no mínimo entre os três melhores do mundo na posição.

Valverde deixa de ser questionado?

A falta de grife muitas vezes faz a paciência com alguns técnicos ser menor em clubes gigantes. Ernesto Valverde já tirou isso de letra. Depois de fazer a dobradinha (Espanhol + Copa do Rei) em sua primeira temporada, ele caminha para repetir o feito e podendo ainda conquistar a Uefa Champions League. Além disso, em 2018-19, a equipe catalã ganhou três jogos e empatou um nas quatro vezes que encarou o Real. A prova de que o trabalho está sendo bem conduzido se deu em 15 de fevereiro, quando foi anunciada a renovação de contrato até o meio de 2020.

Solari não deixa de ser questionado?

A permanência de Santiago Solari para a próxima temporada parece algo cada vez mais improvável. O bom início já ficou praticamente esquecido, e possibilidade de título parece reduzida a ‘apenas’ a Uefa Champions League. Resultados abaixo do esperado e desempenhos longe de agradar são argumentos a quem defende a não-permanência do argentino.

Sergio Ramos mau-caráter?

Desempenho, troca de técnico, saída de Cristiano Ronaldo, craques em baixa... Muita coisa mudou no Real Madrid, mas o que segue inalterado é o poder de polemizar de Sergio Ramos. Tão vitorioso quanto criticado, o zagueiro foi chamado de ‘mau-caráter’ em campo por Lionel Messi, depois que o argentino foi atingido no rosto pelo zagueiro em uma disputa de bola.

Lances fortes e que dividem o público entre a reprovação e a condescendência não são novidades na carreira de Ramos. Na final da última Champions, por exemplo, ele esteve na disputa que lesionou Salah e tirou o astro do Liverpool de campo.