<
>

Roma x Lazio: Cafu relembra série de chapéus em Nedved em clássico

play
Totti entra para o hall da fama da Roma, recebe camisa simbólica de Falcão e se emociona (0:49)

Paulo Roberto Falcão participou do evento antes do jogo da Roma contra o Real Madrid, pela Champions League (0:49)

Antônio Carlos disputa a posse com Lombardo, da Lazio, do lado esquerdo do campo, e ganha para a Roma. Com poucas opções de passe, o zagueiro vira o jogo para Cafu, do outro lado do campo.

Ninguém imaginaria, mas de um lance quase despretensioso, nasceria um dos dribles mais históricos do Campeonato Italiano e mundial.

Quando a bola pousou e parou nos pés de Cafu, ele conseguiu, em apenas seis toques, dar três chapéus em Nedved. Quando iria dar o quarto, Simeone o derrubou e fez a falta.

“Foi um lance muito rápido. Um drible no melhor jogador da Lazio naquele momento. Não foi premeditado. Tudo aconteceu muito rápido e naturalmente”, afirma Cafu, para o ESPN.com.br.

A equipe de Montella, Totti e Batistuta venceu a partida por 1 a 0, com um gol contra do zagueiro Paolo Negro.

O jogo foi muito importante para a torcida da Roma: Os jogadores e os fãs sabiam que a equipe tinha chance de ser campeã nacional. Além disso, a Lazio é a maior rival e tinha erguido a taça um ano antes.

Porém, o que nem Cafu imaginava é que os seus chapéus seriam mais comentados em todo o mundo do que o próprio jogo.

“Foi uma repercussão gigantesca na Itália. Até hoje o pessoal lembra deste lance. Quando volto para a Itália, este é o acontecimento mais comentado pelos torcedores comigo. Na verdade, este drible é comentado em todo o mundo”, afirma com sorriso no rosto, Cafu.

“Fui extremamente profissional. Nunca brincaria com ele por isso. Nos encontramos várias vezes nos anos seguintes, batemos papo normal. Temos muito respeito um pelo outro, e uma boa amizade”.

No final da temporada 2000-2001, a Roma de fato sagrou-se campeã da Itália. Em uma luta direta com a Juventus e a própria Lazio, que só foi acabar na última rodada.

18 anos após os dribles de Cafu, as pretensões das equipes são bem diferentes.

O encontro do próximo sábado (2), às 16h30 (horário de Brasília), no Estádio Olímpico de Roma, pelo Campeonato Italiano, traça uma luta direta dos times por uma vaga para a próxima Champions League.

O antigo time de Cafu está em quinto lugar, com 44 pontos. A Lazio, por sua vez, é a sexta, com 38 pontos, e precisa vencer para se aproximar do G4.

“Eu joguei muitos clássicos diferentes na minha carreira tanto no Brasil como na Itália. Mas a rivalidade entre a Roma e a Lazio é sem dúvida uma das maiores. Um campeonato à parte”, diz Cafu.

No histórico dos confrontos, a Roma leva vantagem em número de vitórias. São 65 contra 45 da Lazio e 61 empates. A vantagem romana também acontece nos últimos dois anos. São três vitórias, um empate e uma derrota.