<
>

Grêmio vende Tetê por R$ 42 milhões: compare valor com últimos brasileiros que Shakhtar comprou

play
De Douglas Costa a Taison: as maiores compras e maiores vendas do Shakhtar com brasileiros (1:00)

Time ucraniano costuma movimentar muito dinheiro envolvendo 'brazucas' (1:00)

Tetê, de 19 anos, não fez nenhum jogo com profissional pelo Grêmio, mas já partiu rumo à Ucrânia para defender o Shakhtar Donetsk, em um negócio de 10 milhões de euros (mais de R$ 42 milhões na cotação atual). Seu destino será um clube acostumado a contratar brasileiros, mas a que preço?

Comparando os últimos negócios feitos pelos ucranianos, o valor pago em Tetê chama a atenção. Isso por que o Grêmio negociou apenas 45% dos direitos econômicos do jovem, seguindo com 15% para lucrar em uma futura venda – os outros 40% pertenciam ao próprio atleta e seu empresário.

Também para a temporada 2018/19, por exemplo, o Shakhtar investiu na contratação de outros três brasileiros que atuavam no país, nenhum custando tanto quanto Tetê. Maycon, por exemplo, campeão brasileiro e paulista como titular do Corinthians, custou 6,6 milhões de euros (R$ 27,6 milhões na época).

Os outros dois contratados são exemplos mais próximos a Tetê, já que também não eram destaques entre os profissionais. Nos valores, contudo, os negócios são incomparáveis: Fernando deixou o Palmeiras por 5,5 milhões de euros; e Marquinhos Cipriano, o São Paulo, por 1 milhão de euros.

É preciso voltar para a temporada 2013/14 para encontrar brasileiros que custaram mais do que Tetê. Naquele mercado, aliás, os ucranianos gastaram mais com três: Bernard, do Atlético-MG, por 25 milhões de euros; Fred, do Internacional, por € 15 milhões; e Fernando, do Grêmio, por € 11 mi.

Também naquele ano, porém, Wellington Nem trocou o Fluminense pela Ucrânia, depois de ser campeão brasileiro, mas por valor inferior à promessa gremista: 9 milhões de euros.