<
>

Caso Sanchez, Rodrygo e agora novo problema: Santos volta a se 'estranhar' com Conmebol

play
Santos fica perto de contratar Jorge por empréstimo, diz Jorge Nicola (2:28)

O Peixe conseguiu a liberação do Monaco até o fim do ano e negocia os detalhes finais do acordo. (2:28)

Punido em 2018 pela escalação de Carlos Sánchez e eliminado da Libertadores por causa do 0-3 contra o Independiente, o Santos voltou a se estranhar com a Conmebol.

O prazo de inscrição na Sul-Americana e a suspensão de Rodrygo fizeram o time reforçar o cuidado para evitar novos prejuízos técnicos com a confederação continental.

Lista de inscritos

O Santos enviou a lista de 30 jogadores relacionados para a Sul-Americana na sexta-feira, um dia antes do prazo-limite. A relação, porém, só foi encaminhada pela CBF à Conmebol na segunda, um dia antes da estreia contra o River Plate, do Uruguai, em Montevidéu.

O técnico Jorge Sampaoli tinha dúvidas para formar a lista e enviou ao responsável do Peixe em cima da hora, mas dentro do prazo. A burocracia de enviar à Federação Paulista e CBF antes da Conmebol fez o Alvinegro correr risco. Atlético-MG, São Paulo, Botafogo, Bahia, Fluminense, Corinthians e Chapecoense passaram pelo mesmo problema.

O departamento jurídico do Alvinegro não vê qualquer punição que envolva o campo. Há o temor de uma multa em dinheiro e o clube cobrará a CBF se isso ocorrer.

Rodrygo

O atacante foi punido em 2018 por ter xingado a Conmebol em vídeo gravado por torcedores. Como publicado pelo site Globoesporte, a confederação notificou o Santos sobre uma partida de gancho e depois retificou para dois, por e-mail.

Por via das dúvidas, o Peixe tirará o camisa 11 do jogo de volta contra o River, terça, no Pacaembu. Metade da punição foi cumprida com a ausência na ida, no Uruguai.

Em situação normal, o Alvinegro poderia se resguardar com a primeira resposta da Conmebol e escalar Rodrygo. O temor de represália, porém, faz o departamento jurídico redobrar a cautela.