<
>

Maracanã 'briga' com Fluminense e se aproxima do Vasco em meio à disputa pelo setor sul do estádio

play
Mauro Cezar comenta problemas de ingressos na final da Taça Guanabara: 'Tudo é turbinado pela política do Vasco e do Fluminense' (11:20)

Clubes não se entenderam na venda para o setor Sul do Maracanã (11:20)

Maracanã e Fluminense estão 'brigados'. A disputa entre a Maracanã S.A. (detentora da concessão do estádio) e o clube das Laranjeiras pelo uso do setor sul, o lado direito do estádio, gerou desgaste entre as partes. E isso se intensifica ainda mais com a aproximação do Vasco.

As informações são do comentarista da ESPN Mauro Cezar Pereira. Segundo o jornalista, a detentora negocia com o clube cruz-maltino para que ele jogue os clássicos e competições internacionais no Maracanã. Além disso, o setor sul, opção do Flu quando fechou acordo com o consórcio em 2013, não seria mais exclusivo para os torcedores tricolores, algo que ajuda na aproximação com os vascaínos.

Mauro Cezar conversou com o diretor e presidente do Complexo Maracanã Entretenimento S.A, Mauro Sahade Darzé, que explicou que o Fluminense está inadimplente:

"Nos deve na ordem de grandeza de R$ 1,3 milhão e aos prestadores de serviço, R$ 2 milhões". Ele ainda destacou que "já existe um processo na justiça" e garantiu que, pelo contrato, a torcida tricolor poderá, sim, ser alocada em outros setores, quando forem visitantes - caso da partida deste domingo, final da Taça Guanabara do Campeonato Carioca.

Mauro Sahade Darzé ainda falou sobre outros detalhes da aproximação com o Vasco: "Há o plano de investimento de modernização de São Januário. Elaboramos um entendimento que envolve camarotes, jogos, visitação, em outros pontos operacionais e comerciais".

"E há a possibilidade de patrocinadores de São Januário terem entendimento conosco", acrescentou.

Mauro Cezar ainda explica que, no acordo esboçado para que os vascaínos utilizem mais vezes o Maracanã, quem adquirir camarote em São Januário, possivelmente remodelado, poderá também usar os do "Maraca", cujas bilheterias venderiam ingressos de partidas disputadas no campo do clube.

O sócio torcedor também poderia preservar, nos dois locais, posicionamento semelhante para acompanhar os jogos de seu time.