<
>

Ex-Flamengo, Luan jogou com Vinicius Jr. e foi para Lazio; hoje, quer defender a seleção da Itália

No Brasil, Luan David Capanni Dias não teve tempo de marcar seu nome no Flamengo como o mais famoso parceiro das categorias de base, Vinicius Jr., mas o jovem de 18 anos tem planos bastante ambiciosos. Atualmente na equipe sub-20 da Lazio, ele quer se naturalizar italiano e defender a Azzurra.

Filho do ex-zagueiro Ricardo, o garoto começou no futsal no Juventus da Mooca e passou pela escolinha Julinho Fundamentos antes de ir para o Corinthians com apenas nove anos, quando passou a jogar também futebol de campo.

“As lembranças de lá são muito boas. Quando fui o mais jovem no Paulista sub-11 de campo vi que tinha potencial. Tive pequenas dificuldades no começo e fui aprendendo”, contou, ao ESPN.com.br.

Após seis anos no Parque São Jorge, Luan deixou o clube depois de disputar a semifinal do Brasileiro sub-15 contra o Flamengo, em 2015.

“Eles me viram e surgiu o interesse. Não tínhamos uma situação de projeção e chances de atuar no profissional do Corinthians. Por isso achamos melhor optar pelo Flamengo, que nos mostrou um trabalho e aceitamos. Sou muito grato ao [técnico] Ademilson Britto. Ele viu potencial em mim e fez essa transição junto com Carlos Noval, que ajudou muito, são grandes profissionais”, agradeceu.

O meia fez parte da geração nascida em 2000 da equipe rubro-negra, que tinha nomes como Vinicius Jr. e Lincoln.

“Tinham vários meninos de seleção brasileira e quando cheguei aprendi muito. Era um time muito forte e precisava estar sempre bem para jogar porque o nível de competição era muito grande. O Flamengo sempre entra para ganhar tudo. É um grande time que me deu visibilidade e foi bem importante para a minha carreira”, relatou.

O sucesso de Vinicius Jr. no Real Madrid não é surpresa nenhuma para o meia.

“A gente esperava que ele ia chegar longe, só não sabíamos o tempo que levaria. Mesmo quando estava em uma categoria acima ele fazia a diferença. Gostava muito de resenha e nunca o via bravo, estava sempre sorrindo e alegre”, relatou

Ano passado, ele decidiu se aventurar na Itália antes mesmo de ser promovido ao time de cima do Flamengo.

"Flamengo é um time com muito investimento e teria dificuldade para jogar no profissional, seria complicado. Como meu contrato estava para acabar, a Lazio falou comigo. O diretor Igli Tare foi muito importante para isso. Achamos uma boa oportunidade e era um sonho meu e da minha família vir para a Europa. Tive sondagens de outros times, mas minha vontade era jogar na Lazio. É uma camisa pesada, com grande torcida e estar na capital italiana pesou muito", relatou.

Tristeza pelo Ninho

E por todas as boas lembranças que guarda do Flamengo, Luan ficou extremamente abalado com a tragédia no Ninho do Urubu, quando dez meninos morreram em um incêndio.

“Posso dizer que foi uma das notícias mais tristes que recebi na minha vida. Acordei na Itália e muitos amigos meus ainda dormiam no Brasil. Quando liguei a TV a primeira imagem foi dos contêineres naquela situação deplorável", lamentou.

"Eu também já dormi naqueles contêineres algumas vezes. Essa imagem ficou na minha cabeça o dia inteiro, fico chateado porque conhecia alguns dos garotos. Outros eu gostava muito e tinha um bom contato, foi realmente lamentável”, afirmou.

Sonho de jogar pela Itália

Desde que chegou ao sub-20 da Lazio, o brasileiro chegou a fazer vários treinamentos com a equipe principal, comandada por Simone Inzaghi.

“Toda vez que treinei contra o profissional fiz boas atuações. Isso foi muito importante e fico muito feliz porque é o verdadeiro futebol europeu. São jogadores que toda semana jogam partidas em alto nível e estar com eles te acrescenta muito”, garantiu.

“Vi Lucas Leiva, Immobile, Milinkovic-Savic, são caras que jogava no videogame uns tempos atrás e pude jogar com eles. Fiquei muito feliz e pude aprender demais”, relatou.

O jovem acredita que suas características se encaixam no futebol europeu, a ponto de pleitear uma futura vaga na seleção italiana.

“Eu tenho estilo de jogo com muita técnica mesmo sendo alto. Consigo trabalhar bem isso. É um diferencial meu. Gosto de romper linhas e fazer gols, me aproximar da área e chutar de fora da área. Tenho presença na área, sou um meia que chega e faz gol de cabeça. Apesar do meu estilo ser diferente dos meus ídolos que são o Zidane e o Riquelme. Acho que meu estilo lembra o do Raí, temos características parecidas”.

“Meu objetivo é subir ao profissional e jogar a Serie A. Quero jogar grandes campeonato europeus como a Liga Europa e a Champions pela Lazio. Quero ser convocado para seleção italiana por ter dupla cidadania. É um sonho meu e da minha família”, finalizou.