<
>

Em reunião, conselho do Cruzeiro aprova empréstimo de R$ 300 milhões

Com maioria quase absoluta, apenas dois votos contrários, a diretoria do Cruzeiro conseguiu uma importante vitória de bastidores. A agremiação conseguiu aprovação do conselho deliberativo do clube, em reunião extraordinária, na noite desta segunda-feira, do empréstimo de R$ 300 milhões.

Com a aprovação, a diretoria agora dará sequência nos trâmites para pegar com um fundo de investimentos estrangeiro os R$ 300 milhões. O dinheiro será usado para pagar dívidas urgentes.

A diretoria pretende zerar os problemas junto a Fifa, além de outras dívidas. Para conseguir pagar o fundo de investimentos, o Cruzeiro terá carência de um ano e meio a partir da assinatura do contrato. O juros será de 9% ao ano. O plano de pagamento é semestral, sendo sete prestações.

O presidente da agremiação mineira, Wagner Pires de Sá, comemorou o resultado da votação.

“A partir de agora, os conselheiros vão saber de tudo que estamos fazendo, o Cruzeiro está demonstrando ao próprio país e ao futebol brasileiro, que a gente tem condição de sair dessa dívida constante que passa o futebol, se continuarmos da maneira que está, teremos dois ou três times muito bem na fita e os demais pedindo, com o pires na mão. Apesar de eu ter nome Pires no nome, vou ver se tiro ele da mão, deixar só no sobrenome. O que nós fizemos foi exatamente isso. Estamos negociando com empréstimos, com financiamentos internacionais com taxas de juros baixíssimas, aproveitando o que eu chamo de ‘efeito Bolsonaro’, ou seja, o mundo está começando a olhar para o Brasil com outros olhos, o dinheiro que sempre foi arredio durante alguns anos no nosso governo, que não tinha confiança na legislação, não tinha confiança na capacidade de pagamento do Brasil, hoje eles demonstraram e tem hoje confiança, principalmente no Cruzeiro Esporte Clube, que é o maior patrimônio que nós temos hoje, que é essa camisa azul e essa camisa cinco estrelas, por isso estamos conseguindo financiamentos com condições excepcionalmente benéficas para o clube, vamos trocar dívidas que termos internamente com taxas de juros internas altíssimas, que chega em uma média de quase 2% ao mês, por uma de 0.68%, então foi uma grande vitória e graças a Deus nós tivemos a aprovação unânime do conselho. Na verdade, teve um voto contra. Dois. É bom isso, porque toda unanimidade é burra”, salientou em entrevista coletiva.

O ex-presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares, opositor ao empréstimo em outra oportunidade, na reunião desta segunda-feira não levantou, portanto, seu voto era favorável.

A Gazeta Esportiva conversou com um importante personagem da agremiação que pediu que não tivesse seu nome revelado. Ele disse que a quantia a ser contratada será o “início do fim do clube”.