<
>

Allan segue na mira do PSG, mas Ancelotti diz que brasileiro fica

play
Zé Elias cita 'código de ética' no futebol e faz alerta a Neymar: 'Esse jeito de jogar traz riscos para ele' (3:32)

'Ele sabe que vai apanhar'; completou o comentarista (3:32)

O Paris Saint-Germain alimentava esperanças de anunciar a contratação do brasileiro Allan, mas se depender do técnico do Napoli, o volante não deverá sair do clube.

Nesta sexta-feira, o clube francês recebeu uma negativa definitiva por parte do treinador Carlo Ancelotti, que garantiu em entrevista coletiva a permanência do meio-campista no Napoli até o fim da temporada.

“A única coisa que posso dizer neste momento é que Allan vai ficar. Ele é um jogador importante para o Napoli, para o nosso sistema de jogo e será ainda mais na segunda metade da temporada, quando as competições irão chegar em suas fases decisivas”, disse Ancelotti.

Na última quinta-feira, foi revelado que o Paris Saint-Germain estava próximo de contratar o brasileiro. Mesmo sem estar lesionado, o jogador não treinou neste dia, o que alimentou especulação sobre a possível transferência. Agora, Allan pode ficar de fora da partida contra o Milan, neste sábado (26).

De acordo com o site Sport Mediaset, os franceses estariam dispostos a oferecer 90 milhões de euros (cerca de R$ 385,5 milhões na cotação atual) ao clube italiano para ter o volante. Com a negativa de Ancelotti, porém, Allan deve permanecer no clube italiano.

O jornal italiano Corriere dello Sport, revelou que o jogador avisou os companheiros de time que permanecerá no Napoli. Apesar disso, o jornal também afirmou que o Allan estaria “tentado”pela possível mudança ao Parc de Princes, onde poderia ganhar mais que o dobro do seu salário atual – cerca de 2,5 milhões de euros (R$ 10,76 milhões).

O volante de 28 anos foi convocado em outubro pelo técnico Tite para os amistosos da Seleção Brasileira contra Uruguai e Camarões, e deixou boa impressão.

Na Europa, inclusive, o jogador é observado há algum tempo pelas equipes de grande aporte financeiro, desde que formou o meio-campo ao lado do ítalo-brasileiro Jorginho nas campanhas em que o Napoli disputou o título italiano com a Juventus, ainda sob o comando de Maurizio Sarri.