<
>

Paulistão ou Libertadores? Estadual começa com clubes grandes 'recheados' de estrangeiros

Durante muitos anos, o torcedor brasileiro se queixou da pouca exploração dos grandes clubes do país em mercados menores, como Paraguai, Uruguai e Colômbia, que por terem uma economia menos desenvolvida que a nossa, poderiam ceder bons jogadores para as equipes do Brasil sem um custo muito elevado.

Mas isso definitivamente chegou ao fim. Se outrora esses atletas iam para ligas como a argentina, ou então campeonatos de menor expressão na Europa, hoje em dia os clubes brasileiros entraram de vez nesse mercado e já é registrado até mesmo certo exagero em algumas equipes daqui. O Campeonato Paulista é um ótimo exemplo.

No Estadual, tido como o mais forte do País, é praticamente impossível escalar cada um dos principais times sem a presença ao menos de um estrangeiro. Juntando as quatro principais agremiações do Estado, nada menos do que 17 atletas nascidos fora do Brasil aparecem nos elencos principais.

Apesar do mercado ainda estar aberto, até o momento o Santos é quem mais conta com estrangeiros. A começar pelo banco de reservas, já que o comandante da equipe é o argentino Jorge Sampaoli. Dentro de campo, o clube que já contava com Carlos Sánchez (Uruguai), Jonathan Copete (Colômbia) e Derlis González (Paraguai), que está insatisfeito e pode deixar a equipe, além do costa-riquenho Bryan Ruiz, que já foi embora, contratou recentemente o zagueiro Felipe Aguilar (Colômbia) e o meia Yeferson Soteldo (Venezuela). Além de todos eles, há ainda Fabián Noguera (Argentina), que estava emprestado ao Estudiantes e ainda não decidiu onde atuará em 2019. Até o momento, ele faz parte do elenco santista.

O Corinthians é o segundo na "lista" por enquanto. Isso porque Ángel Romero (Paraguai) vive um impasse e pode deixar o clube em breve. Além dele, o alvinegro conta com Ángelo Araos (Chile), Sergio Díaz (Paraguai), além dos recém-contratados Junior Sornoza (Equador), que estava no Fluminense e o centroavante Mauro Boselli (Argentina), grande esperança de gols do torcedor.

No Palmeiras, time paulista com o elenco mais numeroso até agora, os estrangeiros não são muitos, principalmente após a saída do argentino Nico Freire, que rescindiu com o clube nesta quinta-feira. Apesar disso, os que restaram são bastante importantes para o atual campeão brasileiro, com destaques para Gustavo Gómez (Paraguai) e Miguel Borja (Colômbia), titulares da equipe de Luiz Felipe Scolari. Enquanto isso, Alejandro Guerra (Venezuela) é opção no banco de reservas, mas também costuma contribuir com o time.

Já no São Paulo o número de estrangeiros é igual ao do Palmeiras: três. São eles o zagueiro Robert Arboleda (Equador), titular absoluto da equipe, Gonzalo Carneiro (Uruguai), que ainda não convenceu desde que chegou ao Brasil, mas deve permanecer em 2019 e também Joao Rojas (Equador), titular em 2018, mas que se machucou gravemente e deve ainda demorar alguns meses para voltar a ficar à disposição do técnico André Jardine.

GRINGOS BRILHAM TAMBÉM NOS OUTROS ESTADUAIS

E a "invasão estrangeira" não é uma exclusividade do Campeonato Paulista. Nos outros clubes grandes do Brasil, eles também estão presentes. O Flamengo, por exemplo, acaba de desembolsar muito dinheiro para fazer a maior contratação de sua história para garantir a chegada do uruguaio Giorgian De Arrascaeta, que brilhava em outra equipe relevante do País, o Cruzeiro.