<
>

Premier League: por que Gabriel Jesus irá melhorar na segunda metade da temporada e Bernard não

Quais jogadores da Premier League estão jogando abaixo e acima do esperado nessa temporada? Quem tem sido vangloriado, e quem será que vai fazer pressão para mudar de ares?

Aqui estão alguns jogadores que podem melhorar em 2019, e outros que podem piorar. Ano novo, vida nova.

Podem melhorar

Gabriel Jesus, Manchester City

Muitos esperavam que, a essa altura do campeonato, Gabriel Jesus já tivesse tomado o lugar de Sergio Agüero como favorito para o ataque do Manchester City. O jovem brasileiro se adapta melhor, e Pep Guardiola teve a oportunidade de moldá-lo precisamente no tipo de atacante que desejava.

Entretanto, as coisas não têm saído bem como o esperado. Jesus teve um 2018 difícil, dominado por seu desempenho decepcionante na Copa do Mundo da Rússia, onde liderou o ataque brasileiro mas terminou a competição sem marcar gols. Enquanto isso, Agüero melhorou muito sob, principalmente em relação ao seu entrosamento. No momento, não há dúvidas de que a posição é do atacante argentino.

Mas Guardiola provavelmente precisará de Jesus nos próximos meses. Agüero costuma sofrer com algumas lesões em todas as temporadas, e quando ele perdeu quatro partidas do campeonato inglês em dezembro, Jesus apareceu e deu o passe para o gol de Ryiad Mahrez contra o Watford, e mais tarde marcou dois gols na vitória por 2 a 1 contra o Everton.

Ele continua sendo excelente em se posicionar bem para marcar gols, e por mais que suas finalizações não coincidam com seu incrível desempenho dos primeiros meses em Manchester, os números vêm mostrando que mais gols estão por vir.

Além disso, o City ainda está competindo em quatro campeonatos nessa temporada. Agüero não vai conseguir jogar sempre -- e Guardiola já substituiu o argentino várias vezes nessa temporada por volta dos 20 minutos do segundo tempo para conservar sua energia. Mesmo depois de um começo fraco, Jesus pode fazer a diferença nos próximos jogos.

Paul Pogba, Manchester United

A transformação é óbvia. Ainda vai demorar para que saibamos os motivos, mas está claro que José Mourinho e Paul Pogba não se acertaram no Manchester United. O francês -- considerado o 4º melhor entre os meias de todo o mundo no ESPN FC 100 -- aparecendo no banco foi a mais clara demonstração da incapacidade de Mourinho em aproveitar bem um elenco tão talentoso.

Depois da saída de Mourinho -- e a reação supostamente acidental de Pogba no Instagram -- os resultados ficaram evidentes. Duas assistências na vitória por 5 a 1 sobre o Cardiff City, dois gols na vitória por 3 a 1 sobre o Huddersfield, e dois gols e uma assistência na vitória por 4 a 1 sobre o Bournemouth. Esse é o Pogba que esperávamos ver quando chegou no Old Trafford, disparando ao ataque para contribuir de forma decisiva no último setor do campo, com um timing particularmente impressionante em suas arrancadas.

Mas esqueçamos Mourinho. Essa é a primeira vez que Pogba está jogando sob o comando de um técnico que não seja Mourinho, Antonio Conte, Max Allegri ou Didier Deschamps. Nós nunca o havíamos visto jogando sob o comando de alguém que não fosse estritamente técnico. E agora, em vez disso, podemos vê-lo jogar chefiado por alguém como Ole Gunnar Solskjær, que parece contente em deixar os jogadores livres, leves e soltos. A segunda metade da temporada de Pogba pode ser espetacular.

James Ward-Prowse, Southampton

Pep Guardiola parece gostar de elogiar os jogadores do Southampton. Depois de sua famosa atitude encorajadora com Nathan Redmond no meio do campo, na temporada passada, ele recentemente elogiou James Ward-Prowse, descrevendo-o como o jogador mais perigoso da Premier League nas bolas paradas.

Ward-Prowse não teve muitas oportunidades de exibir seu talento nessa temporada. Ele foi praticamente excluído do time titular do Southampton quando estava sendo comandado por Mark Hughes, ficando de fora até mesmo do banco em algumas ocasiões. Mas ele foi titular nas últimas duas partidas sob a nova chefia de Ralph Hasenhüttl, e como um do sobreviventes da época em que o Southampton pressionava a defesa dos times adversários e jogava com muita intensidade, ele sabe exatamente o que seu novo técnico deseja.

Hasenhüttl é um técnico metódico que já criou vários esquemas inteligentes para bolas paradas, e se ele estiver pensando em lucrar nas cobranças de faltas e escanteios, Ward-Prowse é o homem perfeito para isso. Às vezes é difícil saber o que ele pode oferecer com a bola rolando, mas Guardiola não estava mentindo em relação aos seus cruzamentos.

Podem piorar

Eden Hazard, Chelsea

É interessante analisar a temporada brilhante de Eden Hazard até o momento sob a ótica de "expectativa de gols e assistências" -- que é, essencialmente, quantos gols um jogador normalmente marcaria das posições em que finaliza, e quantas assistências conseguiria completar de acordo com o tipo de passe que dá aos seus colegas de equipe.

Em termos reais, Hazard -- considerado o 4º melhor atacante do mundo no ESPN FC 100 -- tem 10 gols e nove assistências. Mas em termos "esperados", esses números caem para 7,5 gols e apenas 7,1 assistências. A primeira estatística sugere que a finalização de Hazard tem sido excepcional, mas esses dados normalmente caem e se igualam aos números "esperados". A segunda estatística, no entanto, sugere que as assistências de Hazard provêm, em parte, mais de finalizações fantásticas de seus colegas do que de passes incisivos em si.

Ele ainda é considerado o melhor atacante da Premier League até o momento -- continua sendo o driblador mais eficiente da divisão, e vez ou outra aparece com movimentos e truques maravilhosos, enchendo os olhos do torcedor do Chelsea. Mas os números sugerem que seu impacto pode cair depois desse período agitado de Natal. Além disso, como é um jogador que tem o hábito de se desligar quando não está motivado, se Hazard perceber que uma transferência para o Real Madrid está perto, pode decidir se preservar para a próxima temporada.

Bernard, Everton

Existe uma pequena contradição quando se fala de jogadores estrangeiros habilidosos chegando à Premier League. Por um lado, eles normalmente precisam de pouco tempo para se adaptar. Por outro lado, eles frequentemente sofrem fisicamente na segunda metade de sua temporada de estreia, devido ao exigente calendário de inverno do futebol inglês.

Nos últimos anos, os jogadores que marcaram gols impressionantes e deram ótimas assistências na primeira metade de sua estreia na Premier League normalmente diminuíram o ritmo depois do Natal, principalmente devido ao cansaço físico.

Algo similar pode acontecer com Bernard, o pequeno e habilidoso ponta do Everton que vem brilhando do lado esquerdo do campo nessa temporada. Ele jogou todos os jogos desde sua estreia na metade de setembro -- embora tenha entrado como reserva algumas vezes depois do Natal -- e o esgotamento físico pode ser um dos fatores. Mesmo com toda sua habilidade para driblar, ainda há dúvidas sobre o resultado final que produz, e o clube tem várias outras opções de ataque que podem fazer com que ele perca espaço.

Aaron Ramsey, Arsenal

Depois de muita especulação sobre o futuro de Aaron Ramsey no Arsenal, a situação parece estar resolvida: o galês está livre para negociar com outros clubes. Juventus, Bayern de Munique e outros gigantes europeus estão interessados e de olho na possibilidade de ter o completo meio-campista. Fontes informaram ao ESPN FC que Ramsey está disposto a ficar no clube londrino até o fim de seu contrato, no final da temporada, e resistir a quaisquer ofertas de transferência em janeiro.

De maneira geral, as contribuições estatísticas de Ramsey nessa temporada têm sido gigantescas, alcançando seis assistências em apenas 785 minutos em campo, o que faz do meio-campista o jogador que mais cria chances na Premier League. Mas se olharmos além dos números veremos claramente que o número de "expectativas de assistências" dele é de apenas 1,5. Em outras palavras, Ramsey não tem suprido seus companheiros de equipe com passes matadores, mas sim dado passes que foram aproveitados por finalizações espetaculares.

Isso não deve, entretanto, excluir as suas contribuições positivas e seu profissionalismo mesmo em uma situação um tanto constrangedora. Mas os números em si são insustentáveis, e com Unai Emery aparentemente buscando se fortalecer para o futuro, é improvável que vejamos Ramsey exercendo uma influência consistente na segunda metade da temporada.