<
>

Na Copa do Mundo, eles encantaram pela Rússia: por onde andam Dzyuba, Cheryshev e companhia?

Uma das grandes histórias da Copa do Mundo foi a seleção russa. A equipe de Cherchesov conquistou a torcida não somente por ser a sede do evento, mas também pela forma surpreendente como chegou entre as oito melhores da competição.

A Rússia, que caiu na mesma fase que o Brasil, conseguiu eliminar a favorita Espanha e dar show em goleada de 5 a 0 na abertura do campeonato.

E como acontece a cada quatro anos, os destaques dos times que surpreendem na Copa geram interesse mundial nos meses de junho e julho para, tempos depois, sumirem.

Por onde andam os cinco destaques da Rússia durante a Copa de 2018?

Akinfeev

Ídolo da torcida, o veterano Akinfeev se recuperou de um Mundial ruim em 2014 e ficou entre os cinco melhores goleiros em termos de defesa na Copa da Rússia, com 14. Além disso, virou herói ao ser fundamental na eliminação da poderosa Espanha, nas oitavas de final, ao pegar duas cobranças na decisão por pênaltis.

Após o evento, o arqueiro de 32 anos se aposentou da seleção, mas segue no CKSA Moscou, único clube pelo qual atuou em toda carreira. O atleta brilhou na Uefa Champions League, competição na qual dominou o Real Madrid: em 11 chutes contra seu alvo, fez 11 defesas. Além disso, conquistou a ‘proeza’ de ser expulso por receber dois cartões amarelos seguidos contra os espanhóis na segunda rodada da fase de grupos.

Mário Fernandes

Os holofotes estavam sobre Mário Fernandes durante todo o Mundial, uma vez que ele era um brasileiro naturalizado no país-sede. O lateral fez boas atuações, mostrou segurança na defesa e efetividade no ataque, anotando um tento decisivo contra a Croácia nas quartas de final.

O atleta ex-Grêmio recebeu uma consulta do Valencia, mas não se transferiu no segundo semestre e seguiu no CSKA Moscou. Titular absoluto, foi vice-líder em desarmes na sua equipe na Champions League, além de ajudar seu clube a lutar pelo título russo na atual temporada.

Cheryshev

Cheryshev foi um dos ‘queridinhos’ da Copa do Mundo. Artilheiro da Rússia na competição com quatro gols, chamou atenção pelo talento incomum para o que se esperava do futebol russo, com toque de bola digno de sua criação nas categorias de base na Espanha.

Apesar da valorização durante o Mundial, seu clube não fez questão de contar com seu futebol no segundo semestre. O Villarreal o emprestou para o Valencia, onde ele tem sido mais reserva do que titular, aparecendo como opção na segunda etapa. Em 17 partidas, anotou apenas um gol.

Dzyuba

Artem Dzyuba é um dos atletas que explodiu na Copa do Mundo. Centroavante ‘grandalhão’, mostrou que sabia fazer gols decisivos e balançou as redes três vezes no Mundial, dando também duas assistências.

Após a competição, o atacante de 1,96m recuperou a vaga no Zenit – ele estava emprestado para o desconhecido Arsenal Tula. Titular, ele tem brilhado no Campeonato Russo, sendo um dos artilheiros do líder do certame. Em 22 jogos na temporada, já são 10 gols.

Golovin

Golovin pode não ter ficado tão conhecido para o público em geral, mas foi o que mais chamou atenção dos clubes europeus. Não só por ter participado diretamente de três gols, mas também por sua idade: apenas 22 anos.

O meia subiu na vida após a Copa, deixou o CSKA e foi contratado pelo Monaco. Mas a temporada não está saindo como ele esperava. O jogador de 1,80m conseguiu a titularidade em apenas duas oportunidades na equipe que fez apenas 1 ponto na Champions League e é vice-lanterna no Campeoanto Francês.