<
>

Mistério desvendado: brasileiro ex-São Paulo revela como deu drible 'impossível' no futsal e viralizou

play
Como ele levantou a bola?! Brasileiro cria drible 'impossível' (e inexplicável) no futsal (0:19)

Serginho Paulista está atuando no Shenzhen Nanling Tielang, da China, e impressionou em treino (0:19)

Sucesso na web por causa de seus dribles quase inacreditáveis no futsal, Serginho Paulista causou furor com um vídeo que postou nesta semana. Atualmente na China, o brasileiro passou em um treino por um marcador com uma jogada em que a bola parecia estar colada ao seu pé.

Em entrevista ao ESPN.com.br, o jogador de 30 anos disse que a repercussão foi mundial e revelou o segredo para conseguir o "drible impossível".

"Muitos amigos me mandaram o print da postagem que vocês fizeram. Fiquei feliz demais. É uma coisa que me esforcei para deixar essa dúvida, mas quando as pessoas mais próximas me perguntam eu tenho que admitir. Foi uma brincadeira com a intenção de dar maior visibilidade ao futsal. Queria fazer uma coisa que chamasse atenção e que fosse impossível de fazer. E deu certo, muita gente acompanhou, não somente no Brasil mas fora também postando e se perguntando como fiz aquilo", relatou.

Para decepção de alguns, ele explicou que o segredo para acrobacia foi mais simples do que parece.

"Foi uma cola que passei na sola do tênis (risos) Eu dei um toque e a bola subiu. Falei então para um amigo meu do time vir me ajudar a fazer uma marcação falsa ali para fazermos o vídeo e colocarmos na internet. E a ideia rendeu e deu certo, né? (risos)".

Serginho admite que será difícil igualar a repercussão desse vídeo, mas já pensa em novas ações para o futuro.

"Precisa de criatividade (risos). É difícil alcançar esse número de pessoas (risos). Eu saí de uma grande liga para outra de menor visibilidade. A parada do Falcão nos preocupa um pouco porque era uma grande referência do nosso esporte. Hoje vamos precisar de mais jogadores levando o futsal para a mídia. Eu estou fazendo 30 e meio que passou o que poderia fazer. Mas o que puder servir de exemplo para os mais novos que estão vindo".

"Tem que fazer um pouco além das quatro linhas para ser exemplo. Quanto mais poder puxar de mídia e pessoas para acompanhar nosso esporte é melhor. Todo mundo ganha: os patrocinadores que investem, o futsal que ainda falta muito. Para a mídia é legal porque abre um leque maior de esportes, e beneficia os jogadores".

"PARÇA" DE INIESTA

As idas e findas no futsal fizeram Serginho Paulista viver uma experiência diferente no último ano, em 2017. Durante as férias, jogou um torneio amistoso no Kwait ao lado de Andrés Iniesta, lenda do Barcelona, que hoje atua no Japão.

"Teve um jogo com a escolha da torcida e tive a sorte de atuar no mesmo time que ele. Foi bem legal e importante para minha carreira. Pude mostrar um pouco mais do meu trabalho. Eu fiz algumas graças e até dei uma assistência para o Iniesta (risos). Foi bem interessante. E gostei muito”.

Além disso, o brasileiro pode trocar algumas palavras com o autor do gol do título da Espanha na Copa do Mundo de 2010.

“Conversei com ele porque naquela época eu estava indo para a Espanha jogar no Inter Moviestar, que é considerado o melhor time do mundo há alguns anos. O Ricardinho, melhor jogador do mundo hoje, atua por lá. O Iniesta acompanha muito futsal e ele veio e conversou. É uma pessoa bem simples e humilde, que demonstra dentro de campo e nas entrevistas. Pessoalmente é a mesma coisa, parece ser uma pessoa do bem”, contou.

VIDA NA CHINA

Serginho começou no futsal do Barueri, quando chegou a fazer alguns treinos no futebol de campo, antes de passar por São Paulo, Foz do Iguaçu, Joinville e Concórdia.

"Eu cheguei à seleção brasileira em 2013 e fiquei um ano. Fui campeão do Circuito Sul-Americano e do Grand Prix. Fiz vários amistosos também e saí para fora do Brasil", relatou.

“Sou fã do Falcão pela mesma característica, é um grande jogador. Infelizmente encerrou a carreira a agora. Gostava muito do Lenísio, Vander Carioca, Neto e outros”, disse.

Depois, ele passou por Benfica de Portugal, Nagoya Oceans do Japão, Inter Movistar da Espanha e agora está há seis meses na China

“Eles fizeram contratações pagando um mundo de dinheiro para os jogadores de futebol de campo. O futsal tentou seguir a mesma linha para crescer. Tem dado resultado, tem se profissionalizado muito mais e saído jogadores bons chineses. Eles tem um trabalho de algum tempo e abriram as portas para estrangeiros. A liga está crescendo”, garantiu.

“Eu moro em uma cidade perto de Hong Kong, que não tem tanta restrição para as pessoas. É uma cidade bem nova, tem uns 40 anos e muito boa de se morar. Tenho acesso livre para redes sociais e internet numa boa”, finalizou.