<
>

Morumbi passará a ser zona de preservação cultural, e São Paulo não poderá fazer reforma que aproxima público do gramado

play
São Paulo: Jardine fala em melhorar futebol do time e mira grupos da Libertadores e título paulista (0:47)

Treinador participa do curso da CBF para obtenção da Licença Pro (0:47)

O sonho de transformar o estádio o Morumbi num 'caldeirão' com a torcida tricolor fazendo pressão no adversário e empurrando o time mais próximo do que nunca, como em arenas modernas, não deve acontecer.

Segundo o jornal "Lance!", o São Paulo recebeu da Prefeitura uma carta informando que o tombamento do estádio está em processo de homologação.

Dessa forma, o Morumbi passaria a ser considerado zona de preservação cultura e não poderia receber grandes reformas na fachada e também numa potencial substituição de arquibancada que aproximaria a torcida do gramado.

"Essa não existe mais. O estádio foi tombado. Há duas semanas, veio o documento de tombamento. As pessoas não entendem o que foi tombado. O que foi tombado é o projeto de arquitetura do Vilanova Artigas. Quando você tomba o projeto dele, você não mexe mais nesse processo de numeradas e nem na fachada. Para conseguir isso, seria uma briga desgraçada, e não acredito que conseguiria. O Pacaembu não conseguiu", disse o diretor de infraestrutura do clube, Eduardo Rebouças, ao jornal.<

"Isso apareceu uma vez, na época da Copa do Mundo, quando o Juvenal entrou nessa. Esse projeto eu não me lembro de ter visto no Conselho. Tem muito conselheiro que fala para não mexer. Muita gente fala 'sim', mas muita gente fala 'não'. Eu sou partidário do 'não'. Frequento a arquibancada desde os dez anos e conheço muito bem o Morumbi".

O clube ainda aguarda a homologação para saber exatamente quais serão as restrições a partir de agora, mas já foi informado de que qualquer projeto ou intervenção, incluindo pequenos reparos, deverá ser previamente analisado e aprovado pelo Conpresp (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo).

"O investimento é de R$ 150 milhões, você acha que vale a pena? É jogar dinheiro pela janela. Com a cobertura, você mexeria no projeto de arquitetura, mas não tanto. Acho que daria conversa com o pessoal que tombou, essa possibilidade existe, mas puxar a numerada, não. Puxando a numerada estou alterando o projeto. De qualquer forma, acho que a cobertura não é fundamental, temos outros investimentos para fazer", explicou Rebouças.

O São Paulo está fazendo algumas reformas no Morumbi para 2019, ano em que o estádio receberá jogos da Copa América.