<
>

ESPN FC 100: Quem é o melhor meia de 2018?

A chave para um bom meia central é ter o controle do ritmo da partida: saber quando acelerar na transição para o ataque e quando diminuir a velocidade do jogo. Existem vários tipos de jogadores para essa posição, como o ‘volantão’, como aquele que transita entre as duas áreas ("box-to-box") e como o ágil criador de jogadas. É necessário saber em qual função determinado jogador rende melhor.


É difícil pensar em muitos meio-campistas mais talentosos do que Verratti, que certamente estaria em uma posição melhor neste ranking se as lesões não o tivessem prejudicado. Na sua melhor forma, ele pode levar um jogo conforme sua vontade, ditando lance a lance com excelentes passes e dribles, sem mencionar a tenacidade em recuperar a posse de bola. Verratti faz o PSG ser ainda melhor.


Thiago pode ocupar qualquer posição no meio-campo com desenvoltura e isso, às vezes, parece uma maldição. Ele pode abrir qualquer defesa e é, indiscutivelmente, o jogador mais importante do Bayern atualmente, geralmente ocupando um papel de camisa 8, mas às vezes comandando o time mais de trás. Fruto de La Masia que foi para o Bayern em 2013, ele fez mais passes para a área do que qualquer outro meio-campista nesta temporada da Bundesliga.


É fácil ver por que Maurizio Sarri estava tão determinado a derrotar o Manchester City na contratação do homem que havia sido seu metrônomo no Napoli - Jorginho transformou o Chelsea nesta temporada, ajudando a tirá-lo da apatia ao completar significativamente mais passes que qualquer outro jogador no campeonato. Ele também está começando a assumir um papel fundamental para a nova aparência da Itália de Roberto Mancini, criando uma promissora parceria com Marco Verratti.


“Nunca imaginei que ele fosse capaz de desempenhos tão dominantes”, disse o treinador brasileiro Tite sobre Casemiro. De fato, Tite gostaria de ter usado o meio-campista do Real Madrid na derrota para a Bélgica nas quartas de final da Copa do Mundo. Em vez disso, Casemiro estava suspenso, e o Brasil perdeu um jogador sempre feliz em fazer o trabalho pesado, enquanto outros, como Neymar, brilham. Não é surpresa que Casemiro tenha se tornado um dos favoritos de Zinedine Zidane no Real.


Para um exemplo de quão decisivo Rakitic pode ser, lembre-se do surpreendente voleio que ele acertou contra Hugo Lloris em Wembley, quando o Barcelona enfrentou o Tottenham em outubro. Rakitic é um dos melhores jogadores versáteis do mundo e mostrou isso durante o memorável verão da Croácia na Copa do Mundo. Ele marcou dois pênaltis vencedores na Copa do Mundo Rússia e jogou na vitória sobre a Inglaterra com uma virose.


É difícil acreditar que Busquets tenha apenas 30 anos. Ele tem sido o modelo de volante há tanto tempo, sustentando o melhor trabalho do Barcelona por quase 11 temporadas. Busquets, que fez sua 100ª aparição na Champions League em outubro, está em uma classe própria. Agora que Xavi e Andrés Iniesta deixaram o clube, ele é o último membro desse meio-campo quase perfeito da era de Pep Guardiola.


Por onde começar? O talento de classe mundial de Pogba não está em questão, apesar de sua falta de consistência e empenho fazerem dele um pára-raios para os críticos. Na Copa do Mundo da Rússia, ele marcou na final para a França, jogando com o tipo de diligência que em grande parte lhe faltou no Manchester United. Mas houve pontos altos, como inspirar seu time para uma vitória de virada contra o Manchester City em abril com dois gols.


O relacionamento que Kroos formou com Luka Modric e Casemiro os destaca como o melhor trio do meio-campo em clubes desde o inigualável eixo Xavi-Busquets-Iniesta do Barcelona. Kroos não teve o ano perfeito, parecia ter tirado a Alemanha do buraco na Copa do Mundo com um brilhante gol de falta contra a Suécia antes de serem eliminados dias depois, mas há poucos meio-campistas com seu timing ou percepção do jogo.


Kanté sobe para segundo nesta lista, não é surpresa, na verdade, por que ele se recusa a ficar parado. Sua energia, obstinação de tirar o fôlego e rápida rodagem da bola o tornam indispensável para o Chelsea, onde ele está ocupando uma posição um pouco diferente nesta temporada, operando à frente de Jorginho, e não em uma posição de espera. Kanté também fez uma parceria com Paul Pogba na campanha vitoriosa da França na Copa do Mundo, liberando o jogador do Manchester United para brilhar.


A visão de Modric arrastando a si mesmo e a seleção croata pela prorrogação para uma vitória na semifinal da Copa do Mundo sobre a Inglaterra foi quase hipnotizante. Modric ganhou o prêmio Bola de Ouro por seu trabalho na Copa do Mundo da Rússia e foi eleito o melhor jogador masculino da Fifa em setembro, além da Bola de Ouro da revista France Football; ninguém poderia merecer mais esses reconhecimentos do que um personagem humilde e despretensioso, cujo papel no sucesso recente do Real Madrid foi fundamental.


LEIA MAIS: Quem são os melhores do mundo em 2018? Discuta, concorde, discorde e divirta-se com o ESPN FC 100!