<
>

ESPN FC 100: Quem é o melhor lateral direito de 2018?

Em um momento, os laterais direitos foram considerados os menos habilidosos em campo, mas, a cada nova geração, a opinião foi sendo mudada, e a próxima leva de jogadores traz ousadia e imprevisibilidade ao lado do gramado. Consciência no posicionamento, precisão nos cruzamentos e ritmo alucinante separam a elite do restante, assim como a transição hábil para jogar ora como zagueiros ora mais avançados em um 3-5-2 ou 3-4-3.


Juanfran, 33 anos, continua a ser um dos pilares do formidável time do Atlético de Diego Simeone, mesmo que haja sinais de que seus melhores anos ficaram para trás. O Dortmund deu a ele uma noite tórrida em sua vitória por 4 a 0 na Champions LEague em outubro, mas é fácil ver por que Simeone confia em Juanfran. Ele faz parte de uma unidade defensiva extremamente eficiente que se sagrou campeã de LaLiga em 2014.


Fruto da academia de juniores do Barcelona, La Masia, Sergi Roberto será lembrado pelo dramático gol que marcou na improvável virada do Barcelona contra o PSG na Champions League em 2017. Ele certamente se aprimorou desde então, limitando as oportunidades de Nelson Semedo na lateral direita e ajudando uma defesa fechada a destronar o Real Madrid na temporada passada.


Poucos defensores se encaixam no perfil “Sr. Confiável" mais perfeitamente que Azpilicueta. Na temporada passada, ele estava entre os que seguravam o Chelsea enquanto o time perdia a formação; desta vez, ele está se superando em um ambiente mais favorável. Azpilicueta é um excepcional defensor no homem a homem, tendo jogado no lado direito à frente de uma linha de três zagueiros sob o comando de Antonio Conte antes de voltar à lateral direita "tradicional" nesta temporada. A influência de Azpilicueta em Stamford Bridge não pode ser subestimada.


O PSG não tem problema para suprir a ausência de Daniel Alves, principalmente quando Meunier está em campo. Com 1,90 m, ele é uma figura grande e pode ser difícil de ser parado quando corre no campo do adversário; isso ficou evidente quando ele atuou como zagueiro da Bélgica na Copa do Mundo da Rússia, e talvez tivesse se saído melhor nas semifinais, se ele não estivesse suspenso contra a França.


Antigo reserva de Kyler Walker no Tottenham, Trippier tornou-se um lateral-direito de renome mundial. Ele foi excelente durante a campanha da Inglaterra até as semifinais da Copa do Mundo, marcando um brilhante gol de falta contra a Croácia, e consistentemente distribui algumas das melhores jogadas de bola parada. As altas demandas colocadas sob as laterais do Tottenham se adequam perfeitamente a ele, que está justificando a promessa que demonstrou ser quando era um iniciante no Manchester City há uma década.


Padrinho dos laterais direitos progressistas e contemporâneos, a influência de Daniel Alves vai sobreviver muito além de sua carreira como jogador. Não que seus dias em campo já tenham acabado. Enquanto uma lesão no joelho o mantém fora desde maio, o brasileiro, 35 anos, retornará e, neste momento, aumentará as chanced do PSG de chegar ao sonhado título da Champions League.


Pavard ganhou notoriedade com uma série de boas atuações pela França na Copa do Mundo da Rússia. Seu maravilhoso voleio contra a Argentina foi considerado o gol mais bonito do torneio, e ele começou como titular em seis dos sete jogos dos campeões mundiais, atuando com obstinação e inteligência. Ele manteve-se fiel ao Stuttgart, que tem sofrido na Bundesliga, apesar de ter recebido ofertas durante o verão europeu; aos 22 anos, ele tem tempo para uma grande transferência.


A transferência de 54 milhões de libras (cerca de R$ 224 milhões) de Walker em 2017 do Spurs para o Manchester City surpreendeu, mas ninguém mais fala muito sobre o dinheiro. Guardiola pegou um dinâmico e explosivo lateral direito e o deixou ainda melhor, adicionando novos níveis de comando e resiliência defensiva ao seu jogo, dando a ele a confiança para se desenvolver em outras áreas também, ao ponto de jogar como zagueiro pela direita na Copa do Mundo.


Todo time adoraria um jogador como Kimmich, um craque que ficaria confortável em qualquer lugar no campo. Força, velocidade, porte atlético e tranquilidade: o jogador de 23 anos tem tudo e pode jogar efetivamente no meio-campo ou na defesa também. O Bayern e a Alemanha podem considerar Kimmich um coringa nos moldes de Philipp Lahm, mas Kimmich pode ser ainda melhor.


Carvajal está no topo do nosso ranking pelo segundo ano consecutivo. E por boas razões. Ele atende a todos os requisitos de um defensor moderno e é parte integrante de tudo o que o Real Madrid faz nas duas extremidades do campo, mesmo que os gols sejam uma raridade. Apesar de ter se lesionado, ele é peça-fundamental na reformulação do Real Madrid, que sonha em vencer a quarta Champions League consecutiva nesta temporada.


LEIA MAIS: Quem são os melhores do mundo em 2018? Discuta, concorde, discorde e divirta-se com o ESPN FC 100!