<
>

Conheça o 'novo Special One', que é 'paizão' de Richarlison e faz brasileiro voar na Premier League

Para quebrar um tabu de 17 jogos sem vitórias no clássico sobre o Liverpool, neste domingo, em Afield Road, o Everton aposta no trabalho de seu treinador: Marco Silva. O português comanda a equipe mais jovem de toda Premier League, com média de 24,7 anos.

Apesar de não ter brilhado por grandes equipes quando foi jogador, ele teve uma rápida ascensão no comando técnico.

Nascido em Lisboa, em julho de 1977, ele foi revelado pelo Belenenses, em 1996. Lateral direito de pouca habilidade, jogou numa série de times pequenos até chegar em 2005 ao Estoril, equipe na qual finalmente deslanchou e fez sucesso.

Em seus seis anos com a camisa amarela, ele ajudou a levar o time da segunda para a primeira divisão, mas resolveu pendurar as chuteiras em 2011, atormentado por lesões. Graças ao técnico brasileiro Vinícius Eutrópio resolveu virar treinador, dando início a uma carreira que parece bastante promissora.

"Quando eu cheguei ao Estoril, em 2010, o Marco era o capitão. Mas logo que assumi, ele se aposentou pouco depois, porque vinha de muitas lesões. Eu disse a ele então que ficasse trabalhando comigo no clube, e ele virou diretor esportivo", lembra Eutrópio.

"Nesse período, criamos uma excelente relação, e ele já começou a se preparar para virar treinador. Eu via um grande potencial nele para essa função desde cedo", garante.

Quando Eutrópio deixou o Estoril, em 2011, deu a Silva a tão esperada chance.

"Chamei o Marco para jantar na minha casa e disse que iria deixar o clube, mas pedi a ele que ficasse no meu lugar. Ele ficou bastante surpreso com isso e hesitou um pouco no começo, mas agarrou a chance e hoje já virou um ótimo técnico", conta Eutrópio.

Rápido sucesso

Sua ascensão foi meteórica. Logo após assumir a vaga do comandante brasileiro, Marco Silva levou o Estoril do 10º lugar à liderança, terminando como campeão da 2ª divisão e retornando à elite com apenas três derrotas em 24 jogos. Acabaria eleito treinador do ano em Portugal pela Federação.

Na temporada seguinte, fez excelente campanha na 1ª divisão, acabando em 5º lugar e classificando a pequenina equipe para a Liga Europa, algo que nunca tinha ficado nem perto de acontecer.

Nessa época, ganhou da torcida o apelido de "novo Special One", em referência a José Mourinho, o Special One original, que também começou em um time pequeno.

"Ele mudou bastante coisa em pouco tempo no Estoril, e isso mostra a capacidade dele. O Marco assumiu o time em um momento colocado, quase caindo para a 3ª divisão, e salvou o clube, levou para a 1ª divisão! Depois, ainda conquistamos a vaga na Liga Europa jogando de igual para igual com os gigantes de Portugal", exalta Evandro, ex-meia de Palmeiras e Atlético-MG, ao ESPN.com.br.

Juntos, Evandro e Marco Silva protagonizaram resultados históricos para o Estoril, como a vitória por 3 a 1 sobre o Sporting, um empate por 1 a 1 com o Benfica no Estádio da Luz e um triunfo por 1 a 0 sobre o Porto em pleno Estádio do Dragão, em 2014 - foi a 1ª derrota dos "Dragões" em casa desde 2008, e justamente com gol do ex-Palmeiras e Atlético-MG.

"Ele é muito corajoso. Em Portugal, os times menores sempre jogam atrás, muito recuados, quando enfrentam os três grandes. Sendo sincero: jogam para não tomar goleada. Mas o Marco falava que a única chance de ganharmos deles era marcá-los em cima e atacá-los. E dava certo!", elogia.

Segundo o meia, o português é uma mistura de disciplinador com "paizão", mas muito aberto às conversas com os jogadores, pedindo inclusive opiniões sobre a parte tática.

"O convívio com ele é muito simples, pois está sempre aberto ao diálogo com os jogadores, e acho isso uma qualidade muito importante. Ele gosta inclusive de saber o que achamos da parte tática, das ideias dele. Escuta muito o jogador", revela.

"Ele sabe o momento certo de ser duro e mais tranquilo também. Não o vejo como um cara linha-dura, nem totalmente 'paizão'. Ele é um pouco dos dois. Um cara que tem o controle de todas as situações e impressiona pela liderança", elogia o armador.

Seu sucesso o levou ao Sporting, um dos gigantes do país. Em 2014/15, ele ganhou a Taça de Portugal, mas acabaria demitido apenas quatro dias após o título, e de maneira bizarra. Os alviverdes não gostaram do fato de Silva não ter vestido o terno com o escudo do clube lisboeta em uma partida e o mandaram embora por justa causa.

Saída de Portugal

O luso foi então para o Olympiacos, ficando uma temporada no time de Atenas. Foi campeão do Campeonato Grego e brilhou com a vitória por 3 a 2 sobre o Arsenal, na Liga dos Campeões, antes de pedir demissão da equipe alegando motivos pessoais.

Sua primeira experiência na Inglaterra foi em 2016 no Hull City, quando voltou a trabalhar com Evandro. Apesar de não ter livrado a equipe do rebaixamento, deixou ótima impressão.

Em 2017, assumiu o Watford e virou um mentor de Richarlison, após convencer o brasileiro a desistir do Ajax e ir à Inglaterra. Após conseguir bons resultado nas primeiras rodadas da Premier League, o português acabou demitido após vazar na imprensa que ele estava acertado com o Everton para a temporada seguinte.

Marco Silva chegou ao Goodison Park no meio deste ano e promoveu uma revolução no elenco. Contratou seu antigo pupilo Richarlison e trouxe Bernard, Mina, André Gomes, Zouma e Lucas Digne.

"O Marco é bem jovem e conversa muito com os jogadores. Ele sempre conversa comigo e me mostra parte técnica e a forma que ele quer que eu jogue. Ele é muito gente boa durante a semana e dá vários conselhos úteis", exaltou Richarlison, que hoje é um dos melhores jogadores da equipe inglesa

Na atual temporada da Premier League, os Toffes realizam uma boa campanha: são 22 pontos ganhos. Agora, Marco quer dar voos ainda mais altos e concretizar a profecia de Evandro: ser um dos melhores do mundo.

"É muito fácil trabalhar com o Marco, porque é um cara muito simples. Essa é a maior qualidade dele: pés no chão. Sabe bem o que falar e como se postar. Mesmo sendo novo, vai se tornar um dos treinadores top do mundo, não tenho dúvida", finaliza.