<
>

Libertadores: entenda o motivo de 'Bostero' e 'Gallinas', os provocativos apelidos de Boca Juniors e River Plate

Que a rivalidade de Boca e River, finalistas da Copa Libertadores, superam os limites do campo de jogo, já é batido. Agora, você conhece a origem dos provocativos apelidos pelos quais um "carinhosamente" chama o outro?

"Bosteros" e "Gallinas" é o resumo da sátira recíproca. Muito mais apelativos do que os tradicionais "Xeneizes" e "Millonarios", as brincadeiras já estão completamente difundidas dentro do vocabulário do torcedor, nos cantos e no dia-a-dia.

Agora, por que esses nomes?

Primeiro, o Boca. Bosteros. A provocação remete a fezes, e existe mais de uma história do motivo desse nome.

Alguns dizem que, no bairro de "La Boca", bem onde fica "La Bombonera" - casa do time - abrigava uma fábrica de tijolos que tinham como sua matéria-prima esterco de cavalos, espalhando o cheiro pela vizinhança.

Outra hipótese, que é até utilizada como referência em músicas dos torcedores do River, é que o sistema de saneamento do bairro não aguentou seguidas inundações, e o resto você já imagina.

Mas aparentemente a história real é que "Bosteros" nada mais é do que uma distorção de "Boteros". Os habitantes do bairro eram chamados assim por precisarem de botes para atravessar um rio próximo, o Rio Riachuelo.

Inicialmente era mais ofensivo, mas os torcedores se apropriaram do apelido e agora até se chamam assim - caminho parecido do que o "Porco" passou na torcida do Palmeiras.

Agora, o River. Gallinas. Essa provocação tem apenas uma história, mas um caminho próximo de apropriação ao dos "Bosteros".

Em 1966, o clube de Buenos Aires encarava o Peñarol (URU) na final da Copa Libertadores. Após uma vitória para cada lado na Argentina e no Uruguai, uma terceira partida foi marcada para definir o campeão.

O duelo foi em Santiago, no Chile, e o River fez 2 a 0 no primeiro tempo. Na segunda etapa, os uruguaios empataram e levaram para a prorrogação. No tempo extra, fizeram mais dois gols, fechando a partida em 4 a 2 e dando o título ao Peñarol.

Na partida seguinte, o River encarou o Banfield pelo campeonato nacional, e os torcedores adversários jogaram uma galinha no gramado do Monumental de Nuñez, algo que hoje seria equivalente a dizer que o time "pipocou", porém bem mais ofensivo.

O apelido pegou, mas assim como "Bosteros", a torcida atualmente se orgulha do nome - tanto que músicas da torcida se referem ao estádio próprio clube como "galinheiro".

E aí, quem sairá vencedor: os "Bosteros" ou as "Gallinas"?